A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
33 pág.
Exame Físico e Semiologia do sistema respiratório

Pré-visualização | Página 1 de 1

Acadêmicas: Bruna Michels
 Danielle Alves
 Fernanda Jaime
 Maísa Motta
 Professora: Luiza Cremonese
Exame Físico e Semiologia 
do 
Sistema Respiratório
Sistema Respiratório
Principal Função
 Troca de gás ou transferência de oxigênio e dióxido de carbono entre a atmosfera e o sangue.
 Manutenção do equilíbrio ácido-base.
Vias Aéreas Superiores
Função
 Condução do ar para as vias aéreas inferiores;
 Proteção das vias aéreas contra corpos estranhos;
 Aquecimento, filtração e umidificação do ar inspirado.
Nariz ou
Fossas Nasais
Boca
Faringe
Laringe
Nasofaringe, Orofaringe e Laringofaringe
3
Vias Aéreas Inferiores
Traqueia
Pulmões
Brônquios
Bronquíolos
Alvéolos
4
A coleta de dados da anamnese deve anteceder o exame físico, pois ajuda a identificar a queixa principal durante o processo de entrevista.
Anamnese
Condições atuais do paciente
Problemas respiratórios progressivos
Queixas
Histórico Familiar
ATENÇÃO:
Tabagismo
Exame Físico
O exame físico deve ser realizado com o paciente sentado, caso esteja impossibilitado é realizado com o paciente em decúbito dorsal ou lateral.
Respiração com a boca entreaberta.
Sempre com o tórax descoberto para uma avaliação mais precisa.
Posição
Inspeção
Estática
Dinâmica
Com o paciente parado, observa-se os contornos anatômicos.
Pede-se para que o paciente faça alguns movimentos, observando com atenção e foco no segmento.
O estado de oxigenação pode ser avaliado inspecionando a cor da pele, nível de consciência e estado emocional do paciente.
Inspeção
PELE
Cianose
Coloração azulada ou arroxeada da pele, das mucosas e do leito ungueal causada por hipoxemia. 
*HIPOXEMIA = Falta de oxigênio no sangue.
Inspeção
CONTORNO
CIFOSE
ESCOLIOSE
Curvatura da espinha – anterior-posterior
Curvatura da espinha – lateral
TÓRAX EM BARRIL
Tórax aumentado na região posterior-anterior, normal em crianças, típico de super inspiração vista em DPOC.
Diâmetro do aparelho respiratório = largura do tórax.
Inspeção
PEITO ESCAVADO
PEITO DE POMBO
Esterno deprimido, diminuição do diâmetro aparelho respiratório.
(raquitismo, doenças congênitas) 
Esterno projetado anteriormente, resultando em aumento do diâmetro aparelho respiratório. (doenças congênitas, asma, raquitismo) 
Inspeção
Inspeção
Frequência Respiratória
Taquipneia
Bradipneia
Apneia
Hiperpneia
Kussmal
Cheyne-stokes
Biot
EUPNEIA
- NORMAL
12-20 RPM
TAQUIPNEIA
- FREQUÊNCIA AUMENTADA
- FREQUÊNCIA DIMINUIDA
BRADIPNEIA
Inspeção
APNEIA
HIPERPNEIA
KUSSMAL
- Sem respiração
- Profundidade aumentada, sem mudança na frequência.
Taquipneia
Bradipneia
Apneia
Hiperpneia
Kussmal
Cheyne-stokes
Biot
- Freqüência e profundidade aumentadas.
Inspeção
Taquipneia
Bradipneia
Apneia
Hiperpneia
Kussmal
Cheyne-stokes
Biot
CHEYNE-STOKES
BIOT
- Profundidade variada seguida de apneia.
- Profundidade e frequência aumentadas, com pausas rápidas.
Avaliação dos seguintes parâmetros: 
Traqueia, estrutura da parede torácica, expansibilidade e frêmito.
Palpação
Posiciona-se o dedo de um dos lados da traqueia e se observa o espaço entre ela e o esternocleidomastóideo. 
Os espaços devem ser simétricos de ambos os lados.
Palpação
Traqueia
São investigadas mais a fundo as anormalidades vistas na inspeção.
Avaliando presença de crepitações, dor na parede torácica, massas, edemas e frêmito palpável.
Palpação
Estrutura da Parede Torácica
Para confirmar se a expansão torácica é igual, posiciona-se a palma das mãos no tórax do paciente com os polegares paralelos entre si, após solicita-se que o paciente respire fundo observando se a expansão é igual em ambos os lados.
Palpação
Expansibilidade
Torácica
Palpação
Frêmito
Toracovocal
Realize a palpação da parede posterior do tórax, enquanto o paciente pronuncia palavras que produzem intensa vibração.
Trinta e Três
Um, Um, Um
As vibrações mais fortes são sentidas nas áreas em que existe condensação pulmonar. (Ex.: Pneumonia)
A redução do frêmito palpável costuma estar associada a anormalidades que afastam o pulmão da parede torácica
(Ex.: Derrame Pleural, Pneumotórax)
20
Dê golpes para determinar se os tecidos internos estão preenchidos de ar ou outra substância.
Percussão 
SOM DE PERCUSSÃO
AVALIAÇÃO
RESULTADO
RESSONANTE.
NORMAL.
PULMÃOSAUDÁVEL, CHEIO DE AR.
HIPER-RESSONANTE.
AR EM EXCESSO.
EFISEMA.
MACIÇO OU SURDO.
PRESENÇA DE FLUIDOOU MASSA SÓLIDA.
EFUSÃO PLEURAL,PNEUMONIA, TUMOR.
Percussão 
A ausculta pulmonar é realizada com o objetivo de ouvir os ruídos respiratórios, sendo parte imprescindível da semiologia do tórax no diagnóstico clínico de várias doenças pulmonares.
Ausculta
Ausculta
Ruídos Respiratórios
Som Traqueal
É auscultado nas áreas de projeção da traqueia.
São intensos, agudos e têm qualidade pouco sonora.
Ausculta
Som Broncovesicular
Somam-se as características da respiração brônquica com as do murmúrio vesicular.
É auscultada no segundo espaço intercostal no tórax anterior e entre as escápulas no nível da 3 ou 4 vértebras.
Ausculta
Som Brônquico
É auscultado na região de projeção dos brônquios de maior calibre.
Tem timbre agudo, intenso e oco.
Ausculta
Murmúrio Vesicular
É auscultado em toda extensão do tórax, sendo mais intenso nas bases pulmonares.
Tem timbre grave e suave.
Causas patológicas para diminuição do murmúrio Vesicular:
Pneumotórax, derrame pleural, enfisema pulmonar, dor torácica de qualquer etiologia, obstrução traqueal e edema de glote. 
Os sons adventícios são sons anormais que se superpõem aos sons respiratórios normais.
Ausculta
Ruídos 
Adventícios
Crepitação
São audíveis quando ocorre abertura súbita das pequenas vias aéreas contendo pequena quantidade de liquido.
O som de uma crepitação pode ser reproduzido esfregando-se uma mecha de cabelo contra os dedos.
(Edema Pulmonar, Fibrose, Bronquite, Bronquiectasia, Pneumonia) 
29
Subcreptação
Ausculta
Assemelham-se ao rompimento de pequenas bolhas, podendo ser auscultado no final da inspiração e no inicio da expiração.
Roncos
Ocorrem em consequência da passagem do ar por estreitos canais repletos de líquidos/secreções.
(Pneumonia, Bronquite, Bronquiectasia) 
Ausculta
Sibilos
São ruídos musicais ou sussurrantes, decorrentes da passagem do ar por vias aéreas estreitadas.
(Asma, Broncoconstrição)
Atrito Pleural
Decorre de inflamação pleural. O atrito é descrito como um ruído semelhante a um estalo ou a um roçar entre dois pedaços de couro.
(Pleurite, Pneumonia, Infarto Pleural)
31
Ausculta
Cornagem ou Estridor
É a respiração ruidosa devido à obstrução no nível da laringe e/ou da traqueia, percebido mais marcadamente na fase inspiratória.
(Laringite, Edema de glote, corpos estranhos, câncer de laringe e estenose de traqueia)
Anamnese e Exame Físico: Avaliação diagnóstica de enfermagem no adulto – Alba Lucia Bottura Leite de Barros e cols. – 2ª edição.
Avaliações de Enfermagem – Deborah A. Raines.
Referências: