A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
60 pág.
História e Fundamentos da Fisioterapia

Pré-visualização | Página 8 de 16

à correta interpretação e execução da Lei nº 6.316/1975;
III.  Supervisionar a Fiscalização do exercício profissional em todo o território nacional, estimulando e zelando pelo prestígio e bom nome daqueles que a exercem, através do estabelecimento de princípios de controle, capazes de fundamentar a promoção de uma assistência profissional independente, científica, ética e resolutiva;
IV.  Funcionar como Tribunal Superior de Ética nas demandas que envolvam profissionais Fisioterapeutas e Terapeutas Ocupacionais. O órgão possui um rico histórico de luta em prol dos interesses da saúde e do bem estar do povo brasileiro. Desde a criação das profissões, observamos um crescente reconhecimento da população e das políticas de saúde pública e privada de nosso país.Atualmente o Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional busca defender os interesses corporativos das profissões, dedicando-se em defender a inserção profissional nos diversos ambientes no mundo do trabalho, bem como, fomentar a boa formação técnica e humanista dos Fisioterapeutas e Terapeutas Ocupacionais, para que a sociedade possa receber serviços resolutivos e de excelência. Além de zelar pelo cumprimento ético das profissões, o COFFITO atua em uma série de frentes estratégicas em prol dos serviços de Fisioterapia e Terapia Ocupacional na sociedade.
Fonte: COFFITO – 2015.
Verificamos então, que esses Conselhos de classe profissional, como o COFFITO, se constituem de instrumentos de fiscalização do exercício profissional. Significa dizer que o interesse na criação de tais órgãos, no caso, é muito mais da sociedade em geral. Ela deve ser protegida contra os riscos gerados pela prática profissional. E quem garante isso na nossa profissão é o COFFITO e os CREFITOs.
Anuidade
Mesmo sendo os conselhos o braço auxiliar do Estado, eles não recebem recursos 
do poder público. Eles são dotados de personalidade jurídica de direito público.
São autorizados a criar contribuições (anuidades) que são consideradas obrigatórias 
e se não forem pagas poderão ser executadas na via judicial.
Caso o profissional venha a ser inadimplente, corre o risco de ter seu registro 
profissional cancelado não podendo exercer sua profissão.
Isso quer dizer que nós pagamos para sermos fiscalizados, pois como vimos acima 
o COFFITO tem a função de proteger a sociedade do mau fisioterapeuta e mau 
terapeuta ocupacional e do exercício ilegal da profissão de fisioterapia e terapia ocupacional.
Conselhos Regionais de Fisioterapia e Terapia Ocupacional – CREFITOSs
Os conselhos de fisioterapia e terapia ocupacional são encabeçados pelo órgão de nível federal (COFFITO) e atuam em todo o território nacional por meio de representações regionais (CREFITOs).
Tanto o COFFITO quanto os CREFITOs são autarquias – ou seja, órgãos da administração pública com autonomia administrativa. O sistema COFFITO/CREFITO foi criado pela lei federal 6.316, em 1975 (visto na aula anterior) e tem como atribuições principais: regular, orientar e fiscalizar o exercício profissional de fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais.
Exerce controle ético-social da Fisioterapia e da Terapia Ocupacional, protegendo a sociedade contra o exercício ilegal e/ou irresponsável dessas profissões.
Cabe ao CREFITO:Expedir registros profissionais, julgar infrações e aplicar penalidade prevista pela legislação brasileira.
Já o COFFITO deve, entre outras atribuições, aprovar resoluções e julgar recursos relacionados a procedimentos éticos e administrativos.
Temos, atualmente, 16 CREFITOs e cada Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional, respaldado na Lei 6316 de 17 de dezembro 
de 1975, tem como finalidade precípua a fiscalização do exercício profissional de fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais em sua área de jurisdição.
Veja, a seguir, a área de jurisdição de cada CREFITO. De qual CREFITO você fará parte como fisioterapeuta:
Associações e Sindicatos
As associações são sociedades de cunho científico, criadas com o objetivo de auxiliar os profissionais e estudantes com atividades que agreguem valor aos seus currículos, como cursos, palestras, congressos e jornadas, encontros, simpósios e demais eventos científicos.
Elas devem cuidar da reciclagem dos conhecimentos técnico-científicos dos profissionais, tendo como objetivo atualizá-los diante de uma sociedade que exige cada vez mais qualidade, especialização, excelência e competência. Também oferecem apoio ao profissional que é proprietário de um serviço, com ferramentas de gestão que melhorem a desempenho de suas atividades.
Já os sindicatos têm como missão principal a luta pela melhoria das condições de trabalho, da remuneração dos profissionais, das relações entre proprietários de empresas privadas, públicas e colaboradores, e à defesa da classe, entre outras atividades.
Eles têm como atribuição específica verificar jornada ideal de trabalho do profissional, piso salarial, acordos anuais, fazendo prevalecer todos os direitos trabalhistas garantidos pela CLT.
Exemplo
AFB - Associação de Fisioterapeutas do Brasil
Site: http://www.afb.org.br
ABENFISIO - Associação Brasileira de Ensino em Fisioterapia
Site: http://www.abenfisio.com.br
ABRAFIDEF - Associação Brasileira de Dermato-Funcional
ABRAFIN - Associação Brasileira de Fisioterapia Neurofuncional
Site: http://www.abrafin.org.br
ABRAFIT - Associação Brasileira de Fisioterapia do Trabalho
Site: http://www.abrafit.fst.br/
ABRAFISM - Associação Brasileira de Fisioterapia em Saúde da Mulher
Site: http://www.abrafism.org.br
ASSOBRAFIR – Associação Brasileira de Fisioterapia Cardiorrespiratória e Fisioterapia em Terapia Intensiva
Site: http://www.assobrafir.com.br
SOBRAFISA - Sociedade Brasileira de Fisioterapeutas Acupunturistas
SONAFERS - Sociedade Brasileira de Fisioterapia Esportiva
SULBRAFITO - Sociedade Sulbrasileira de Fisioterapia Traumato-Ortopédica
Diferença entre COFFITO e Associações Classistas
Como já dito, os Conselhos profissionais foram criadas como prolongamento do Estado para o atendimento do interesse público. É preciso afastar a compreensão de que os conselhos profissionais existem para defender interesses de seus integrantes, o que não corresponde ao papel institucional que lhes foi atribuído pelo Estado.
Os conselhos profissionais não são entidades sindicais ou associativas que representam os interesses de seus filiados ou associados. O dever legal dos conselhos profissionais é o de zelar pelo interesse público, efetuando, para tanto, nos respectivos campos profissionais, a supervisão qualitativa, técnica e ética do exercício das profissões liberais.
Nesse contexto, é nítida a enorme responsabilidade social que os conselhos profissionais possuem. Com efeito, as entidades de fiscalização profissional, no exercício do poder de polícia, devem zelar pela preservação de dois aspectos essenciais, que são a ética e a habilitação técnica adequada para o exercício profissional.
A polícia das profissões, exercida pelos conselhos profissionais, visa conferir à sociedade confiança e tranquilidade em sua relação com profissionais das mais diversas espécies.
Convém referir que a finalidade de vincular o exercício da profissão à inscrição ou ao registro no conselho profissional correspondente é sempre a proteção da coletividade.
Atenção
Você, após se formar, não poderá exercer a fisioterapia sem a inscrição ou registro no CREFITO de sua região. É pela inscrição que se tem as condições e a habilitação para o exercício da profissão e se sujeita o inscrito à fiscalização técnica e ética, dentro dos padrões da regulamentação da profissão.
O sindicato tem a função de defender a classe profissional, junto as entidades associativas. São entidades fundadas para a defesa comum dos interesses de seus aderentes. Eles visam o aprimoramento e melhores condições de trabalho para sua categoria.
Essa é a grande diferença entre o COFFITO e o SINFITO (Sindicato de Fisioterapia e Terapia Ocupacional). Um defende a sociedade e o outro defende

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.