A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
10 pág.
Aula SERVIÇOS PÚBLICOS   primeira parte

Pré-visualização | Página 2 de 2

especialmente aos serviços públicos.
Princípio da Generalidade
Os serviços públicos devem beneficiar o maior número possível de administrados. 
Além disso, os usuários do serviço público não podem sofrer discriminação, em razão da impessoalidade talhada no art. 37 da CRFB.
Princípio da continuidade
Já estudado... mas vamos revê-lo.
Aqui a idéia é que ao prestação de serviço públicos não pode parar. Expresso na Lei 8987/95 e implícito no texto constitucional, deste princípio decorrem alguns questionamentos importantes; vejamos:
1º) O servidor público tem direito de greve?
Inicialmente, cumpre esclarecer que os militares não têm direito de greve nem de sindicalização, por expressa vedação constitucional.
O servidor público em sentido estrito, sim, nos termos de “lei específica”. A propósito, o STF considera que o direito de greve é norma de eficácia limitada: o exercício do direito fica limitado à edição de lei específica.
No que tange aos servidores civis, o STF, ao julgar Mandado de Injunção referente à matéria, que, enquanto não houver lei específica a regulamentar a greve dos servidores públicos, será utilizada a lei geral de greve (Lei 7783/89) para o exercício deste direito.
2º) É possível interromper a prestação de um serviço público em virtude do inadimplemento por parte do usuário?
A lei 8987/95, em seu art. 6º, §3º, diz que é possível interrupção nos seguintes termos:
§ 3º - Não se caracteriza como descontinuidade do serviço a sua interrupção em situação de emergência ou após prévio aviso, quando:
I – motivada por razões de ordem técnica ou de segurança das instalações; e,
II – por inadimplemento do usuário, considerando o interesse da coletividade. 
Acerca da interrupção por motivos de ordem técnica, não há discussão. No que tange ao inadimplemento, a interrupção é constitucional, desde que avisado previamente. Situação mais controvertida... é quando o inadimplente é por exemplo um hospital. Majoritariamente, entende-se que não pode interromper, pois se trata de um serviço essencial à coletividade.
O mesmo raciocínio foi utilizado no EREsp 845982/RJ em que o inadimplente era um município e o serviço prestado era de fornecimento de energia elétrica.
3º) A exceção de contrato não cumprido pode ser aplicada em contratos com a administração?
Exceptio non adimpleti contractus é o direito de suspender a execução do contrato em face do inadimplemento da outra parte. Segundo a Lei 8666/93, art. 78, XV, o particular tem direito de invocar a exceção do contrato não cumprido, desde que a administração seja inadimplente por mais de 90 dias (de qualquer forma, precisa ser realizada junto ao judiciário).
Princípio da eficiência 
Este princípio foi acrescentado pela EC 19/98, e também tem como escopo melhorar a qualidade dos serviços prestados aos indivíduos.
HELY LOPES MEIRELLES afirma que este princípio sinaliza que a atividade administrativa deve ser pautada na presteza, perfeição e rendimento funcional. Seria o dever da boa administração, da doutrina italiana.
Este dispositivo foi acrescentado para que no futuro sejam criadas regras mais palpáveis de reclamação da sociedade para a melhoria dos serviços prestados pelo Estado e pelos concessionários e permissionários de serviço público.
Este princípio também denota que a atuação do Estado seja efetuada com a utilização racional e moderna dos mecanismos que dêem melhor resultado nas obras e nos serviços públicos. Isto se aproximaria da obra e dos serviços com o melhor custo-benefício possível.
Princípio da Modicidade
Os serviços públicos devem ser remunerados por preços módicos, isto é, os preços cobrados não devem ser utilizados para o lucro do Estado, mas apenas devem remunerar as necessidades de manutenção do serviço. Em outras palavras, garantir a remuneração de quem investiu no serviço, com uma tarifa justa.
Princípio da Atualidade
Estabelece que o serviço público deve ser prestado de dentro das técnicas mais modernas possíveis. O Art. 6º, §2º da lei 8987/95 esclarece esse princípio.
Princípio da Cortesia
De modo algum significa que o serviço público deva ser oferecido “de graça”. A idéia aqui é que o serviço tem que ser prestado de forma educada, com cortesia, de forma polida.
Princípio da Economicidade
A economicidade está vinculada a prestação de serviço público de forma eficiente, com resultados positivos para sociedade com gastos dentro dos limites da razoabilidade.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.