PSICOLOGIA: UMA PROFISSÃO DE MUITAS E DIFERENTES MULHERES
270 pág.

PSICOLOGIA: UMA PROFISSÃO DE MUITAS E DIFERENTES MULHERES


DisciplinaPsicologia, Diversidade e Inclusão Social6 materiais81 seguidores
Pré-visualização50 páginas
CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA
CONSELHOS REGIONAIS DE PSICOLOGIA
PSICOLOGIA: UMA PROFISSÃO DE MUITAS 
E DIFERENTES MULHERES
Organizadora
Louise A.Lhullier
Conselho Editorial
Clara Goldman
Cristina Silva
Marcos Ribeiro Ferreira
Marcus Vinícius Oliveira
Marilda Castelar
Marisa Sanábria
Roseli Goffman
Brasília, Setembro/2013
1ª Edição
É permitida a reprodução desta publicação, desde que sem 
alterações e citada a fonte. Disponível também em: www.cfp.org.br
1ª edição \u2013 2013
Projeto Gráfico e Diagramação \u2013 Pablo Emílio de Mattos
Revisão \u2013 Conselho Federal de Psicologia
Coordenação Geral/ CFP
Yvone Magalhães Duarte
Coordenação de Comunicação Social
Fernanda de Araújo Mendes
André Almeida (Editoração)
Equipe Técnica
Gabriela Rossetto Demeneck \u2013 Analista Técnica \u2013 Divisão de 
Referências Técnicas
Natasha Ramos Reis da Fonseca \u2013 Chefe de Divisão \u2013 Centro de Referência
Técnica em Psicologia e Políticas Públicas (Crepop)
Cibele Cristina Tavares de Oliveira \u2013 Analista Técnica - Centro de 
Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas (Crepop)
Preparação de texto
Eveline Bouteiller
Referências bibliográficas conforme ABNT NBR 
Direitos para esta edição \u2013 Conselho Federal de Psicologia: SAF/SUL 
Quadra 2,Bloco B, Edifício Via Office, térreo, sala 104, 70070-600, Brasília-DF
(61) 2109-0107 /E-mail: ascom@cfp.org.br / www.cfp.org.br
Impresso no Brasil \u2013 Dezembro de 2013
Catalogação na publicação
Fundação Biblioteca Nacional
Biblioteca Miguel Cervantes
Fundação Biblioteca Nacional
 
Conselho Federal de Psicologia
PSICOLOGIA: UMA PROFISSÃO DE MUITAS E DIFERENTES MULHERES / Conselho 
Federal de Psicologia. - Brasília: CFP, 2013.
 250p.
ISBN: 978-85-89208-64-2
1. Psicólogas 2. Mulher 3. Trabalho
Plenário responsável pela publicação
Conselho Federal de Psicologia
XV Plenário \u2013 Gestão 2011-2013
DIRETORIA
Aluízio Lopes de Brito \u2013 Presidente
Humberto Cota Verona \u2013 Presidente Licenciado
Monalisa Nascimento dos Santos Barros \u2013 Tesoureira
Deise Maria do Nascimento \u2013 Secretária
PSICóLOGAS CONVIDADAS
Angela Maria Pires Caniato
Márcia Mansur Saadallah
CONSELHEIROS SUPLENTES
Celso Francisco Tondin
Henrique José Leal Ferreira Rodrigues 
Marilda Castelar
Roseli Goffman
Sandra Maria Francisco de Amorim
Tânia Suely Azevedo Brasileiro
CONSELHEIRAS EFETIVAS
Ana Luiza de Souza Castro 
Secretária Região Sul
Clara Goldman Ribemboim
Secretária Região Nordeste
Flávia Cristina Silveira Lemos 
Secretária Região Norte
Heloiza Helena Mendonça A. Massanaro 
Secretária Região Centro-Oeste
Marilene Proença Rebello de Souza 
Secretária Região Sudeste
APRESENTAÇÃO
 
Reconhecer que a Psicologia brasileira é composta por uma maioria 
de mulheres (89%) passa também por reconhecer a sua diversidade. 
Esta foi uma das pautas prioritárias do CFP na gestão 2011-2013. Nessa 
perspectiva, a investigação de como o feminino pode influenciar no 
exercício profissional nos leva à necessidade da compreensão de como 
as psicólogas vivem, o que pensam e como atuam.
A pesquisa \u201cEfeitos do feminino no exercício da Psicologia no Brasil\u201d 
realizou-se em duas etapas, uma de viés mais quantitativo, lançada 
em maio de 2013 na publicação \u201cQuem é a psicóloga brasileira?\u201d; e 
agora apresentamos a outra, de abordagem qualitativa: \u201cPsicologia: 
uma profissão de muitas e diferentes mulheres\u201d.
Vale lembrar que o CFP desde 1988 investiga o perfil da 
categoria, e teve como marco inicial a pesquisa que originou a 
publicação \u201cQuem é o Psicólogo brasileiro?\u201d, com sua terceira 
edição publicada em 2001, além de outras pesquisas quantitativas 
sobre o perfil dos profissionais de Psicologia que originaram 
relatórios publicados em 2001 e 2004.
 Na presente publicação, apresentamos uma produção que 
se propõe a dar conta de uma dimensão subjetiva da profissão 
perpassando as questões sobre o feminino dentro da categoria. 
Ela possibilita um avanço nas práticas profissionais a partir da 
reflexão sobre as questões de gênero, além da oportunidade de 
produzir debates sobre a Psicologia no Brasil na atualidade. Não 
há como se voltar para o cuidado de outras (os) sem que haja 
uma rigorosa contemplação de si, que inclua uma crítica sócio-
histórica e uma profunda análise contextual de nossa inserção na 
sociedade. Podemos libertar e podemos oprimir, na medida em 
que aquilo que está em questão é a autonomia e o conceito de 
liberdade que subsidia nossas práticas.
Após 50 anos da profissão de Psicologia regulamentada no país, 
torna-se imprescindível refletir de forma crítica sobre as dimensões 
subjetivas que caracterizam as muitas e diferentes mulheres que 
compõem essa categoria e que conquistam cada vez mais seu 
espaço na sociedade.
Passar pelos capítulos desse livro é entrar em contato com 
dúvidas, ideologias, preconceitos, alienações, e ver de perto o 
quanto ainda temos que construir em conjunto com a sociedade 
e o movimento de mulheres brasileiras:
\u2022 Promover a autonomia das mulheres, reduzir as disparidades 
sexistas no mundo do trabalho e consolidar a presença 
proporcional de mulheres nos espaços de poder e de decisão;
\u2022 Fomentar políticas públicas que reformulem a divisão sexual 
do trabalho, visando superar a desigualdade do uso do tempo 
destinado pelas mulheres às tarefas domésticas.
\u2022 No campo da violência de gênero e raça, garantir políticas 
de enfrentamento às violências contra todas as mulheres e a 
qualidade do atendimento integral às vítimas de violências;
\u2022 Avançar na luta dos direitos sexuais e reprodutivos, com 
livre exercício da sexualidade, planejamento reprodutivo, 
na integralidade da atenção à mulher no atendimento 
humanizado ao pré-natal, parto, puerpério e ao abortamento.
Dessa forma, entendemos esta publicação como um dispositivo 
de luta, e agradecemos em nome das que integraram esta pesquisa 
como participantes, como equipe de trabalho, como autoras, a todas 
as psicólogas brasileiras que no trabalho de cada dia interferem 
decisivamente na transformação social.
Temos a expectativa de que novas pesquisas sejam realizadas, 
visando o surgimento de concepções teóricas e críticas para o avanço 
da Psicologia como ciência e profissão e que contribuam para a 
superação das desigualdades.
 
 
Brasília, 12 de dezembro de 2013.
Aluízio Lopes de Brito
Presidente do Conselho Federal de Psicologia
SumáRiO
INTRODUÇÃO: A PESQUISA, SEUS ANTECEDENTES
E A PROPOSTA QUE A ORIENTOU
A DIFERENÇA SEXUAL INFLACIONADA E O 
IMPERATIVO DO FEMININO EM PSICOLOGIA 
GÊNERO E SEXUALIDADE NA FORMAÇÃO
E PRÁTICA PROFISSIONAL EM PSICOLOGIA
AS PSICóLOGAS E AS CONFIGURAÇÕES 
FAMILIARES: LIMITES E TRÂNSITOS ENTRE 
SER E ESTAR PSICóLOGA DENTRO E FORA DE CASA
AS PSICóLOGAS E A HOMOSSEXUALIDADE: 
NOÇÕES, PRINCÍPIOS E EXERCÍCIO PROFISSIONAL 
RACIONALIDADES EM PSICOLOGIA: ARTICULAÇÕES 
ENTRE FEMININO E CUIDADO
SOBRE MULHERES, PSICOLOGIA, PROFISSÃO 
E A INSISTENTE AUSÊNCIA DAS QUESTÕES RACIAIS
INVISIBILIDADES: AS POLÍTICAS PÚBLICAS
COMO POTÊNCIA DE VARIAÇÃO 
NAS PRÁTICAS EM PSICOLOGIA
ESCUTANDO MULHERES, INTERROGANDO O FEMININO: 
A PSICANÁLISE ALÉM DO ÉDIPO COM FREUD E LACAN
SOBRE AS AUTORAS
11
21
51
77
121
149
173
201
223
267
10
11PSICOLOGIA: Uma pro\ufffd ssão de muitas e diferentes mulheres
iNTROduÇÃO: A PESQuiSA, SEuS ANTECEdENTES E A 
PROPOSTA QuE A ORiENTOu
Louise Amaral Lhullier
Rita Flores Müller
Bruna Camillo Bonassi
Geni Daniela Nuñez Longhini
No primeiro semestre de 2012, o Conselho Federal de Psicologia 
conduziu uma pesquisa quantitativa sobre psicólogas e psicólogos 
brasileiras/os. Na sequência, publicou uma coletânea de textos que 
focalizaram especifi camente as psicólogas (LHULLIER, 2012). 
Aquela pesquisa confi rmou, em primeiro lugar, a hegemonia 
das mulheres no universo de profi ssionais