Associação Criminosa
6 pág.

Associação Criminosa

Disciplina:Proteção Penal Inter Sociais27 materiais51 seguidores
Pré-visualização2 páginas
PROTEÇÃO PENAL AOS INTERESSES SOCIAIS

5
CRIMES CONTRA A PAZ PÚBLICA
_______________________________________________

ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA

Art. 288. Associarem-se 3 (três) ou mais pessoas, para o fim específico de cometer crimes:

Pena – reclusão, de 1 (um) a 3 (três) anos.

Parágrafo único. A pena aumenta-se até a metade se a associação é armada ou se houver a participação de criança ou adolescente. ______________________________________________________________________

1. Objeto jurídico: a paz pública.

2. Sujeito ativo: qualquer pessoa.

3. Sujeito passivo: a coletividade (crime vago, que não possui sujeito passivo determinado).

4. Conduta típica: consiste na associação de, no mínimo, três pessoas, com o fim específico de cometimento de crimes.

5. Crimes visados: O fim dos componentes da associação deve ser o de cometer delitos, da mesma espécie ou não. Inclusive a receptação. Há crime ainda que se reúnam para a prática de furtos ligados pelo nexo de continuidade (crime continuado). Existem decisões em sentido contrário quanto ao crime continuado.

6. Acordo momentâneo: não configura o crime a associação momentânea para o fim de cometer delitos, o que consiste em coautoria ou participação (CP, art. 29). Desse modo, não há crime na associação que visa à prática de um só delito. Exige-se a estabilidade e a permanência da associação, sendo desnecessário, entretanto, que a associação seja organizada formalmente, bastando a organização de fato.

7. Crime formal: consuma-se independentemente da concretização do fim visado.

8. Crime permanente. Exige permanência e estabilidade.

9. Publicidade e notoriedade da associação criminosa: não é exigida.

10. Diferença entre associação criminosa e concurso de pessoas (art. 29 do CP): a) na associação criminosa os seus membros associam-se de forma estável e permanente, enquanto na codelinquência a associação é momentânea; b) na associação criminosa os membros se associam para a prática de número indeterminado de delitos, enquanto na codelinquência os participantes associam-se para a prática de determinado crime.

11. Associação para a prática de contravenções: inexistência do crime do art. 288 do CP.

12. Elementos subjetivos do tipo: são dois: 1) dolo: vontade de associarem-se mais de duas pessoas, em associação criminosa; 2) especial fim de agir: “o fim específico de cometer crimes”.

13. Causa de aumento de pena (parágrafo único). A arma pode ser própria (aquela concebida para o fim específico de ataque ou defesa, como o revólver) ou imprópria (objetivo concebido para outros fins que não a defesa ou ataque, mas que podem servir para tanto, dada a sua idoneidade ofensiva, como a faca, etc). Não importa se a arma é portada ostensivamente ou não. Exige-se que, no caso concreto, a associação esteja armada. Não é necessário que todos estejam portando armas. Para verificar se estão armados é necessário ter presentes as circunstâncias do caso concreto. Se, pelo número de pessoas armadas, ainda que uma só, o Juiz concluir que a associação apresentava maior periculosidade, é de reconhecer-se a causa de aumento de pena. O que importa é que a associação demonstre maior periculosidade e possa causar maior temor em face do emprego de arma. Trata-se de crime hediondo, aplicando-se a Lei n. 8.072/90.

14. Causa de aumento de pena e crime de porte ilegal de arma (concurso de crimes): Evidenciado, na hipótese, que os crimes de porte ilegal de armas e de associação para criminosa, qualificado pelo uso de armas, se afiguram absolutamente autônomos, inexistindo qualquer relação de subordinação entre as condutas, resta inviabilizada a aplicação do princípio da consunção, devendo o réu responder por ambas as condutas.

15. Participação de criança ou adolescente na associação (parágrafo único): razão para o agravamento da pena (aumenta-se até a metade): maior dano social do fato. Aplica-se a agravante ainda que o menor ou adolescente tenha participado momentaneamente da associação.

16. Momento consumativo: ocorre no instante em que mais de duas pessoas se associam para a prática de crimes, ou no momento em que alguém ingressa na associação criminosa antes organizada.

17. Autonomia: a associação criminosa é crime independente dos delitos que venham a ser praticados. Para a consumação, não é necessário que a associação tenha cometido algum crime. O abandono da associação por algum de seus elementos não exclui o crime nem implica desistência voluntária. Se aquela já chegou a se formar, o crime já está consumado.

18. Tentativa: é admissível, vez que o legislador pune atos preparatórios.

19. Concurso de crimes: os componentes da associação criminosa respondem pelo delito independentemente da prática, ou não, de algum delito.
Se, todavia, a associação praticar algum delito, responderão por este os membros que de qualquer forma concorrerem para ele, em concurso material com o crime do art. 288.
Respondem pelo crime cometido pela associação os componentes que tenham tido condutas relevantes no processo de causalidade que deu origem ao resultado antijurídico.
Os membros da associação delitiva não respondem pelo crime cometido pela sociedade pelo só fato de pertencer a esta.

20. Crime de perigo presumido: não é necessário que se prove, no caso concreto, que a coletividade ficou exposta à eventualidade de dano.

21. Crime permanente: a associação de protrai no tempo.

22. Crimes especiais. Drogas e associação delitiva: consultar art. 35 da Lei n. 11.343/2006. Crime político: consultar art. 16 da Lei de Segurança Nacional. Genocídio: consultar art. 2º da Lei n. 2.889, de 1º de out. de 1956.

23. Associação criminosa para fins específicos. Se a associação criminosa é formada para a prática de determinados crimes, especificados pela legislação, como os hediondos, de tortura ou terrorismo, aplica-se, em combinação com o art. 288 do Código Penal, o art. 8º da Lei n. 8.072, de 25 de julho de 1990 (que dispõe sobre os crimes hediondos), que tem a seguinte redação: “Será de três a seis anos de reclusão a pena prevista no art. 288 do Código Penal, quando se tratar de crimes hediondos, prática de tortura, tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins ou terrorismo”. Desse modo, se a finalidade da associação delitiva se projeta sobre delitos indeterminados, incide o art. 288 do CP. Se, todavia, dirige-se aos delitos previstos no art. 8º da Lei n. 8.072/90, como os hediondos, indicados no art. 1º da mesma lei, que são o estupro, o estupro de vulnerável, o latrocínio, a extorsão qualificada pela morte, a extorsão mediante sequestro etc., ou a tortura e o terrorismo, incide o art. 288 do CP com a pena da lei especial (art. 8º), de três a seis anos de reclusão, sem prejuízo da qualificadora do parágrafo único do art. 288 (associação delitiva armada) e do delito efetivamente cometido.

23. Associação criminosa para fins específicos. Para a prática de determinados crimes: estupro, estupro de vulnerável, latrocínio, extorsão qualificada pela morte, extorsão mediante sequestro, tortura e terrorismo. Nesses casos incide o art. 288 do CP com a pena da lei especial (art. 8º da Lei n. 8.72/90, dos crimes hediondos), de 3 (três) a 6 (seis) anos de reclusão, sem prejuízo da qualificadora do parágrafo único do art. 288 (associação delitiva armada) e do delito efetivamente cometido.

24. Associação criminosa formada para fim de cometer crimes de tráfico de tóxicos. Lei n. 11.343/2006). Art. 35. “Associarem-se duas ou mais pessoas para o fim de praticar, reiteradamente ou não, qualquer dos crimes previstos nos arts. 33, caput e § 1º e 34 desta lei: Pena – reclusão de 3 (três) a 10 (dez) anos, e pagamento de 700 a 1.200 dias-multa. O parágrafo único do dispositivo estipula que: “Nas mesmas penas do caput deste artigo incorre quem se associa para a prática reiterada do crime definido no art. 36 desta Lei” (Art. 36. Financiar ou custear a prática de qualquer dos crimes previstos nos arts. 33, caput e § 1º, e 34 desta Lei: Pena