A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
438 pág.
A Hidrovia Paraguai Paraná e seu significado par a diplomacia sul americana do brasil

Pré-visualização | Página 1 de 50

A Hidrovia Paraguai-Paraná e seu
Significado para a Diplomacia
Sul-Americana do Brasil
MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES
Ministro de Estado Embaixador Celso Amorim
Secretário-Geral Embaixador Samuel Pinheiro Guimarães
FUNDAÇÃO ALEXANDRE DE GUSMÃO
Presidente Maria Stela Pompeu Brasil Frota
INSTITUTO RIO BRANCO (IRBr)
Diretor Embaixador Fernando Guimarães Reis
A Fundação Alexandre de Gusmão (Funag), instituída em 1971, é uma fundação pública vinculada ao
Ministério das Relações Exteriores e tem a finalidade de levar à sociedade civil informações sobre a
realidade internacional e sobre aspectos da pauta diplomática brasileira. Sua missão é promover a
sensibilização da opinião pública nacional para os temas de relações internacionais e para a política
externa brasileira.
Ministério das Relações Exteriores
Esplanada dos Ministérios, Bloco H
Anexo II, Térreo, Sala 1
70170-900 Brasília, DF
Telefones: (61) 3411 6033/6034/6847
Fax: (61) 3322 2931, 3322 2188
Site: www.funag.gov.br
O Instituto Rio Branco (IRBr), criado em abril de 1945, é o órgão do Ministério das Relações Exteriores
(MRE) e tem como finalidade o recrutamento, a formação e o aperfeiçoamento dos diplomatas
brasileiros. O IRBr organiza, regularmente, o Concurso de Admissão à Carreira de Diplomata, e
mantém o Curso de Formação, o Curso de Aperfeiçoamento de Diplomatas (CAD) e o Curso de
Altos Estudos (CAE).
Setor de Administração Federal Sul
Quadra 5, Lote 2/3
70170-900 Brasília, DF
Telefones: (61) 3325 7000 /5/6
Site: www.mre.gov.br/irbr
Conselheira Eliana Zugaib
XLVIII Curso de Altos Estudos
A Hidrovia Paraguai-Paraná e seu
Significado para a Diplomacia
Sul-Americana do Brasil
Brasília 2006
INSTITUTO RIO BRANCO
Direitos de publicação reservados à
Fundação Alexandre de Gusmão (Funag)
Ministério das Relações Exteriores
Esplanada dos Ministérios, Bloco H
Anexo II, Térreo
70170-900 Brasília – DF
Telefones: (61) 3411 6033/6034/6847/6028
Fax: (61) 3322 2931, 3322 2188
Site: www.funag.gov.br
E-mail: pub1icacoes@funag.gov.br
Impresso no Brasil 2006
FOTO DA CAPA: Momommom
Momomom momoommmoom
Equipe Técnica
Coordenação:
CLAUDIO TEIXEIRA
ELIANE MIRANDA PAIVA
Assistente de Coordenação e Produção:
ARAPUÃ DE SOUZA BRITO
Programação Visual e Diagramação:
PAULO PEDERSOLLI
CLÁUDIA CAPELLA
Depósito Legal na Fundação Biblioteca Nacional conforme Decreto n° 1.825 de 20.12.1907
Zugaib, Eliana.
A hidrovia Paraguai-Paraná e seu significado para a diplomacia sul-
americana do Brasil / Eliana Zugaib. – Brasília : Funag, 2006.
438p. : il. ; 23 cm. – (Cursos de Altos Estudos, n. 98)
Anexo.
ISBN:
1. Diplomacia política – Brasil – América do Sul. 2. Política – América do
Sul. 3. Hidrovia – Paraguai - Paraná. I. Fundação Alexandre Gusmão. II. Instituto
Rio Branco. III. Título. IV. Série.
CDD : 341.171
Sumário
INTRODUÇÃO ............................................................................... 15
CAPÍTULO I
A VISÃO ESTRATÉGICA DA INFRA-ESTRUTURA FÍSICA DA
AMÉRICA DO SUL ........................................................................ 31
1. Antecedentes da valorização do espaço sul-americano ................ 33
2. Organização do espaço físico sul-americano integrado:
moldura político-diplomática ............................................................ 43
3. A IIRSA e o novo paradigma da infra-estrutura sul-americana ......... 45
3.1. Eixos de integração e desenvolvimento: conceito e antecedentes ... 49
3.2. A HPP na conformação dos eixos nacionais e na integração regional ..52
3.3. O velho e o novo paradigma da infra-estrutura regional ................ 55
4. A prioridade atribuída à integração sul-americana no Governo Lula .... 58
CAPÍTULO I I
A NAVEGAÇÃO NOS RIOS DA BACIA DO PRATA: ANTECEDENTES
HISTÓRICOS E CONSIDERAÇÕES GEOPOLÍTICAS ....................... 73
1. Modos tradicionais de utilização dos rios da Bacia do Prata .......... 73
2. Antecedentes da livre navegação na Bacia do Prata ..................... 76
3. Modelo geopolítico de confrontação: características eruptura ........ 89
3.1. Causas do antagonismo geopolítico brasileiro-argentino ............ 89
3.2 Os atores das disputas na região e seu comportamento externo .... 94
3.3. Características do modelo geopolítico na Bacia do
Prata nas décadas 60 e 70 ................................................... 98
4. O Processo da Bacia do Prata ...........................................104
4.1. O surgimento da aliança integradora:
cooperação e conflito na Bacia do Prata ........................... 104
4.2. Duelo entre a Desembocadura e a Nascente ............ 108
4.2.1. Aproveitamento dos rios internacionais:
consulta prévia versus acordo bilateral ................................111
4.2.2. A diplomacia das palavras versus a diplomacia
dos fatos: consulta prévia versus informação prévia ........ 114
4.2.3. Novo determinismo geopolítico transversal:
corredores de exportação ...................................................... 119
4.2.4. A ruptura do equilíbrio de poder:
expansão brasileira e retrocesso argentino ....................... 121
5. Superação relativa do modelo geopolítico:
primeiros passos rumo à cooperação .................................. 124
CAPÍTULO III
A HIDROVIA PARAGUAI-PARANÁ (HPP):
SITUAÇÃO GEOGRÁFICA, CARACTERÍSTICAS DA
NAVEGAÇÃO E ZONAS DE INFLUÊNCIA ........................ 133
1. Inserção da HPP no âmbito da Bacia do Prata ........... 133
1.1. Principais características geomorfológicas dos rios
Paraguai e Paraná e suas implicações para as
condições naturais de navegabilidade e
intervenções de melhoria ...................................................... 137
1.2. Características do rio Paraguai ..................................... 139
1.2.1. Características do Canal Tamengo ............................ 141
1.3. Características do rio Paraná ........................................ 142
1.4. Breve descrição do Pantanal Mato-Grossense e
de sua função reguladora ...................................................... 143
2. A relevância da HPP como via de integração física
e econômica dos países platinos ......................................... 145
2.1. Área de influência: aspectos econômicos
e sociais relevantes .................................................................145
2.2. Vantagens comparativas do transporte fluvial ........... 148
2.3. Particularidades do Porto de Nova Palmira e do
Rio da Prata ..............................................................................152
CAPÍTULO IV
APRESENTAÇÃO DO PROJETO HIDROVIA
PARAGUAI-PARANÁ ............................................................ 163
1. As motivações e as origens .............................................. 163
1.1. O contexto das motivações ............................................ 163
1.2. A motivação econômico-comercial: a fronteira
agrícola no Centro-Oeste brasileiro ...................................... 165
1.3. O enquadramento político-diplomático ........................ 167
1.3.1. Gênese do projeto HPP: processo institucional
rumo à integração ................................................................... 170
2. Projeto Hidrovia: antecedentes, objetivos e
instrumentos de consecução ................................................ 176
2.1. Antecedente remoto ........................................................ 176
2.2 O projeto Hidrovia: concepção e objetivos .................. 178
2.3. O enquadramento institucional ..................................... 181
2.4. O enquadramento jurídico-legal e normativo ............. 183
2.5. O significado para os países beneficiados ................. 187
2.5.1. Argentina ....................................................................... 188
2.5.2. Bolívia ............................................................................