A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
12 pág.
AULA BACILOS GRAM NEGATIVOS

Pré-visualização | Página 1 de 3

24/4/2011
1
Família Enterobacteriaceae
?Escherichia coli
?Klebsiella pneumoniae
?P i bili P l i
Importância Médica
?Proteus mirabilis e P. vulgaris
?Enterobacter spp
?Salmonella typhi e S. paratyphi A e B
?Salmonella enteritidis e S. cholerae suis
?Shigella spp
?Yersinia pestis e Y. enterocolitica
?Citrobacter spp
Profa Débora Rama – IFRJ Campus Realengo
?Representa a maior e mais heterogênea coleção de bacilos
gram-negativos de importância clínica;
?Foram descritos 32 gêneros e 130 espécies;
?São ubíquos;
Família Família EnterobacteriaceaeEnterobacteriaceae
Profa Débora Rama – IFRJ Campus Realengo
?São ubíquos;
?Fazem parte da microbiota normal intestinal (animais e homem);
?Encontrados no solo, na água, na vegetação;
?Produzem uma variedade de doenças humanas, incluindo:
30 a 35 % de todos os casos de septicemia
Mais de 70 % das infecções das vias urinárias 
Muitas infecções intestinais
Locais de infecções por membros
comuns das Enterobactérias
Profa Débora Rama – IFRJ Campus Realengo
? São bacilos Gram-Negativos
? Tamanho: de 0,3 a 6,0 μm
?Anaeróbios Facultativos
?Fermentam Glicose
?Reduzem Nitrato
FAMÍLIA FAMÍLIA 
ENTEROBACTERIACEAEENTEROBACTERIACEAE
CARACTERIZAÇÃO
?Podem ser móveis ou imóveis
?Com flagelos peritríquios
?Não formam esporos
?Oxidase negativos
?São catalase positivos
Profa Débora Rama – IFRJ Campus Realengo
Prof. Déb
ora Ram
a 
IFRJ - Ca
mpus Re
alengo 
 
 
Prof. Déb
ora Ram
a 
IFRJ - Ca
mpus Re
alengo 
 
 
Prof. Déb
ora Ram
a 
IFRJ - Ca
mpus Re
alengo 
 
 
Prof. Déb
ora Ram
a 
IFRJ - Ca
mpus Re
alengo
24/4/2011
2
Estrutura Antigênica e Classificação Sorológica 
da Família Enterobacteriaceae
J C
am
pu
s 
Re
al
en
go
Pr
of
a
D
éb
or
a
Ra
m
a 
–
IF
RJ
Classificação Sorológica
- Antigénio somático O polissacarídico
- Polissacárido do core (comum a todas)
Lipolissacarídeo (LPS)
- Polissacarídios O somáticos
- Antígenos K capsulares
- Proteínas H flagelares (antígeno H)
( )
- Lípidio A
03 grupos principais de antígenos:
Pr
of
a
D
éb
or
a
Ra
m
a 
–
IF
RJ
 C
am
pu
s 
Re
al
en
go
Estrutura A
1. Antígenos O
? Constituem a parte mais externa do LPS da parede celular;
? Estão associados à virulência;
? São resistentes ao calor e ao álcool;
? Os anticorpos predominantes contra o Ag O são da classe IgM.
2. Antígenos K
? Antígeno capsular que confere resistência à fagocitose;
? São externos aos Ag O em algumas bactérias entéricas Antigênica
? São externos aos Ag O em algumas bactérias entéricas.
? Podem ser polissacarídeos (E.coli ) ou proteínas;
? Os Ag K da E.coli promovem a fixação da bactéria a células do TGITGI ee TUTU.
3. Antígenos H
? Localizam‐se nos flagelos, responsáveis pela motilidade.
? São desnaturados ou removidos pelo calor ou álcool.
? Os anticorpos predominantes contra o Ag H são da classe IgG.
Profa Débora Rama – IFRJ Campus Realengo
ADERÊNCIA X INVASÃO
Prof Débora Rama – IFRJ Campus Realengo
ÊN
ES
E
Prof D
ébora
Ram
a
PA
TO
G  –IFRJ Cam
pus Realengo
Prof. Déb
ora Ram
a 
IFRJ - Ca
mpus Re
alengo 
 
 
Prof. Déb
ora Ram
a 
IFRJ - Ca
mpus Re
alengo 
 
 
Prof. Déb
ora Ram
a 
IFRJ - Ca
mpus Re
alengo 
 
 
Prof. Déb
ora Ram
a 
IFRJ - Ca
mpus Re
alengo
24/4/2011
3
PRINCIPAIS GÊNEROS PRINCIPAIS GÊNEROS PRINCIPAIS GÊNEROS PRINCIPAIS GÊNEROS 
PATOGÊNICOS PATOGÊNICOS 
Profa Débora Rama – IFRJ Campus Realengo
EscherichiaEscherichia
Profa Débora Rama – IFRJ Campus Realengo
Escherichia
? O gênero Escherichia consiste em 5 espécies.
? A E. coli é a mais comum e clinicamente importante.
? Está associada a uma variedade de doenças, incluindo meningite,
gastroenterite, infecção das vias urinárias e sepse.
OBS d di id d ti ê iOBS: grande diversidade antigênica
Adesinas
?Intiminas
?Pili P
?Proteína Ipa
?Fímbrias Dr
?Toxina shiga
?Toxinas termoestáveis
?Toxinas termolábeis
?Hemolisinas
Exotoxinas
Profa Débora Rama – IFRJ Campus Realengo
?Escherichia coli
Síndromes Clínicas
?Septicemia (se origina de infecções dos tratos urinário e gastrointestinal)
?Infecção Urinária (forte participação das adesinas e hemolisinas)
?Meningite Neonatal (Estreptococos do grupo B)
?G t t it
Profa Débora Rama – IFRJ Campus Realengo
?Gastroenterite (Subdivididas em 6 grupos):
1. Enterotoxigênica (ETEC)
2. Enteropatogênica (EPEC)
3. Enteroinvasiva (EIEC)
4. Entero-hemorrágica (EHEC)
5. Enteroagregativa (EAEC)
6. Uropatogênica (UPEC)
Prof. Déb
ora Ram
a 
IFRJ - Ca
mpus Re
alengo 
 
 
Prof. Déb
ora Ram
a 
IFRJ - Ca
mpus Re
alengo 
 
 
Prof. Déb
ora Ram
a 
IFRJ - Ca
mpus Re
alengo 
 
 
Prof. Déb
ora Ram
a 
IFRJ - Ca
mpus Re
alengo
24/4/2011
4
EscherichiaEscherichia colicoli
? Transmissão por contato pessoal;
? Formando microcolônias na superfície das células epiteliais intestinais
provocando lesão nas microvilosidade.
Profa Débora Rama – IFRJ Campus Realengo
ENTEROPATOGÊNICA - EPEC
Escherichia coliEscherichia coli
ENTEROTOXIGÊNICA - ETEC
? Diarréia do viajante;
? Produzem as chamadas enterotoxinas LT (termolábil) e
ST (termoestável);
ê á í
Profa Débora Rama – IFRJ Campus Realengo
? Virulência máxima esta associada a uma fímbria adesiva e
fatores de colonização;
? Período de incubação de 1 a 2 dias;
? Aderem às células da mucosa do intestino delgado sem
provocar qualquer alteração nas microvilosidades não
penetrando no epitélio intestinal.
Escherichia coliEscherichia coli
ENTEROINVASORA - EIEC
?Capazes de invadir e destruir o epitélio do cólon;
?Febre e cólicas, com sangue e leucócitos;
Profa Débora Rama – IFRJ Campus Realengo
?São estreitamente relacionadas à Shigella;
?Transmissão: ingestão de água e alimentos
contaminados e contato pessoal.
Escherichia coliEscherichia coli
ENTEROHEMORRÁGICA - EHEC
?Produção de verotoxina;
?Intoxicação alimentar decorrentes da ingestão de
hambúrgueres contaminados;
Profa Débora Rama – IFRJ Campus Realengo
hambúrgueres contaminados;
?Mais prevalentes em meses quentes do ano;
?Colite hemorrágica, com dor abdominal intensa,
diarréia sanguinolenta e pequena ou nenhuma febre.
Gastroenterites causadas por Escherichia coli
Profa Débora Rama – IFRJ Campus Realengo
Escherichia coli
Tratamento, Prevenção e Controle 
?O tratamento é orientado pelos teste de 
susceptibilidade in vitro.
Profa Débora Rama – IFRJ Campus Realengo
?A prevenção e o controle se dão com:
?O uso de práticas apropriadas de controle de infecção
(reduzir risco de infeções nosocomiais);
?Manutenção de altos padrões de higiene;
?Cozimento adequado dos produtos derivados de carne.
Prof. Déb
ora Ram
a 
IFRJ - Ca
mpus Re
alengo 
 
 
Prof. Déb
ora Ram
a 
IFRJ - Ca
mpus Re
alengo 
 
 
Prof. Déb
ora Ram
a 
IFRJ - Ca
mpus Re
alengo 
 
 
Prof. Déb
ora Ram
a 
IFRJ - Ca
mpus Re
alengo
24/4/2011
5
Salmonella
Profa Débora Rama – IFRJ Campus Realengo
Salmonella
Salmonella
?São bacilos gram-negativos
?Anaeróbicos facultativos
?Fermentadores
?Oxidade negativa
Profa Débora Rama – IFRJ Campus Realengo
?Oxidade negativa
?A maioria das infecções resulta:
- Ingestão de alimentos contaminados (aves domésticas ou
ovos) e inadequadamente cozidos.
- Em crianças: disseminação fecal oral direta.
Salmonella
? Existem mais de 2500 sorotipos descritos.
Salmonella Typhi.
Profa Débora Rama – IFRJ Campus Realengo
? São encontradas em praticamente todos os animais (aves
domésticas, répteis, animais de granja, roedores, passáros
e seres humanos).
? Os sorotipos