LEITE HUMANO
5 pág.

LEITE HUMANO


DisciplinaMatérias-primas de Origem Animal23 materiais95 seguidores
Pré-visualização1 página
UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ \u2013 UFC
CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE ALIMENTOS
MATÉRIAS PRIMAS DE ORIGEM ANIMAL
PROF.º JULIANE DOERING
CARACTERÍSTICAS E COMPOSIÇÃO DO LEITE HUMANO
	
JULIANA MARIA MAIA FREIRE - 389079
MARYANA MELO FROTA \u2013 385089
MICAEL SOARES E SILVA - 392020
FORTALEZA-CE
LEITE HUMANO
 	A primeira alimentação humana é o leite proveniente de mães saudáveis, é fonte de nutrientes para as funções biológicas, apontado como o melhor alimento para crianças, tendo um papel muito importante na proteção imunológica contra doenças infecciosas, na adequação nutricional e no desenvolvimento afetivo e psicológico.
 	A lactação é de extrema importância, pois promove, protege e apoia a saúde de crianças, sendo uma prática recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelo Ministério da Saúde (MS) às crianças durante os primeiros seis meses de vida de modo exclusivo. Depois dos seis meses até os dois anos de idade, a criança deve receber o leite materno juntamente com alimentação complementar. Tendo vários benefícios para o recém-nascido como proteção contra doenças no início da vida, minimiza o risco de doenças crônicas, como as autoimunes, diabetes e alergia alimentar. Dessa forma, fortalece a imunidade, mantém o crescimento e desenvolvimento normais, melhora o processo digestivo no sistema gastrointestinal, favorece o vínculo mãe-filho e facilita o desenvolvimento emocional, cognitivo e do sistema nervoso. 
De acordo com Calil e Falcão (2003)
O leite humano possui uma composição nutricional balanceada, que inclui todos os nutrientes essenciais, além de um grande número dos condicionalmente essenciais e de aproximadamente 45 tipos diferentes de fatores bioativos; muitos desses fatores parecem contribuir para o crescimento e desenvolvimento do recém-nascido, bem como para a maturação de seu trato gastrintestinal. Dentre eles destacam-se fatores antimicrobianos, agentes anti-inflamatórios, enzimas digestivas, vários tipos de hormônios e fatores de crescimento.
COMPOSIÇÃO DO LEITE
 	A composição do leite humano, especialmente em relação a quantidade de micronutrientes, é muito variada e sofre influência de diversos fatores como a individualidade genética, a nutrição materna e o período de lactação, bem como, variações entre grupos étnicos e entre mulheres. Para uma mesma mulher, são registradas variações durante todo o período de amamentação, ao longo do dia e durante uma mesma mamada, havendo alterações na concentração dos macro e dos micronutrientes. 
 	O leite humano contém de 3 a 5% de lipídios, no qual 98% são de triacilgliceróis, 1% de fosfolipídios e 0,5% de esteróis. Um pouco mais de 50% do valor calórico total do leite humano é proveniente da gordura, que é fonte de colesterol, ácidos graxos essenciais e vitaminas lipossolúveis. O teor de ácidos graxos insaturados no leite humano é mais elevado que no de leite de vaca. As proteínas do leite humano são qualitativamente diferentes das do leite de vaca. Cerca de 80% do conteúdo protéico no leite humano é lactoalbumina, enquanto que no leite de vaca essa proporção é de caseína. Desse modo, o baixo teor de caseína no leite humano tem como efeito a formação de coalho gástrico mais leve, com flóculos de mais fácil digestão e com reduzido tempo de esvaziamento gástrico. Diferentemente do leite de vaca o leite humano contém maiores concentrações de aminoácidos essenciais de alto valor biológico (cistina e taurina) que são fundamentais ao desenvolvimento do sistema nervoso central. Isso é crucial para o prematuro, devido a dificuldade de sintetizá-los a partir de outros aminoácidos por deficiência enzimática.
 	Na tabela 1 é apresentada a composição média do colostro, que é como o leite humano é chamado nos primeiros dias em comparação com o leite maduro, ou seja, o leite secretado a partir do sétimo ao décimo dia pós-parto.
FONTE: Silva et al. (2007)
	Na tabela 2 estão apresentados os valores energéticos do colostro e do leite maduro.
 FONTE: Silva et al. (2007)
 	Na tabela 3 os resultados apresentados são do leite humano nas três fases e do leite de vaca com relação aos minerais presentes.
Tabela 3 \u2013 Composição mineral do leite humano em suas três fases e do leite de vaca.
FONTE: (CALIL et al., 1992)
CONCLUSÃO
 	Este alimento é o ideal para nutrir de forma adequada os recém-nascidos e os lactentes. A sua composição protéica, lipídica e de carboidratos está na proporção certa para suprir as necessidades das crianças, principalmente nos seus primeiros meses de vida, estimulando um crescimento saudável. Além disso, vale lembrar as diversas vantagens do leite humano em relação às suas propriedade imunológicas, anti-infecciosas e o sua função preventiva de doenças futuras como as doenças cardiovasculares, por exemplo.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
CALIL, Valdenise Martins Laurindo Tuma; FALCÃO, Mário Cícero. Composição do leite humano: o alimento ideal. 2003. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/revistadc/article/view/62475/65272>. Acesso em: 14 mar. 2018.
CALIL, Valdenise Martins Laurindo Tuma et al. Composição nutricional do colostro de mães de recémnascidos de termo adequados e pequenos para a idade gestacional. II - Composição nutricional do leite humano nos diversos estágios da lactação. Vantagens em relação ao leite de vaca*. 1992. Disponível em: <https://s3.amazonaws.com/academia.edu.documents/35251773/83.pdf?AWSAccessKeyId=AKIAIWOWYYGZ2Y53UL3A&Expires=1521081217&Signature=cBEE//kSK+fVYLHbekbBxLSmGbc=&response-content-disposition=inline; filename=Composicao_nutricional_do_colostro_de_ma.pdf>. Acesso em: 14 mar. 2018.
SAÚDE DA CRIANÇA: NUTRIÇÃO INFANTIL: Aleitamento Materno e Alimentação Complementar. Brasília: Ministério da Saúde, v. 23, 2009. Mensal. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_crianca_nutricao_aleitamento_alimentacao.pdf>. Acesso em: 14 mar. 2018.
SILVA, Roberta Claro da et al. COMPOSIÇÃO CENTESIMAL DO LEITE HUMANO E CARACTERIZAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICOQUÍMICAS DE SUA GORDURA. 2007. Disponível em: <http://submission.quimicanova.sbq.org.br/qn/qnol/2007/vol30n7/06-AR06224.pdf>. Acesso em: 14 mar. 2018.