Questões Direito Penal  FOLHA DIRIGIDA
7 pág.

Questões Direito Penal FOLHA DIRIGIDA

Disciplina:<strong>matemática</strong>36 materiais
Pré-visualização3 páginas
FOLHA DIRIGIDA Online

DIREITO PENAL

01. Com relação aos crimes contra a Administração Pública, é correto afirmar:
s) peculato ocorre quando o funcionário público se apropria de dinheiro, valor ou qualquer outro
bem móvel, exclusivamente público, de que tem a posse em razão do cargo, ou desviá-lo, em
proveito próprio ou alheio.
b) condescendência criminosa consiste em exigir, para si ou para outrem, direta ou indiretamente,
ainda que fora da função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida.
c) corrupção passiva consiste em solicitar ou receber, para si ou para outrem, direta ou
indiretamente, somente fora da função, mas em razão dela, vantagem indevida, ou ainda aceitar
promessa de tal vantagem.
d) prevaricação consiste em retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou praticá-
lo contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal.
e) concussão ocorre quando o funcionário, por indulgência, deixa de responsabilizar subordinado
que cometeu infração no exercício do cargo ou, quando lhe falte competência, não levar o fato ao
conhecimento da autoridade competente.

02. Acerca dos crimes contra a administração pública, é correto afirmar:
a) Responderá como partícipe de contrabando e descaminho o funcionário público que, violando
dever funcional, auxiliar terceiro na prática dos citados crimes.
b) Segundo a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, a concussão é crime de natureza formal.
c) No peculato culposo, a reparação do dano antes da sentença irrecorrível reduz à metade a pena
que for imposta.
d) Comete crime de inserção de dados falsos em sistema de informações o funcionário público que
invade o sistema informatizado de outro órgão e insere dados falsos com o fim de obter vantagem
indevida para si.

03. Os crimes contra a administração pública têm a capacidade de chocar o cidadão médio em um
país carente de recursos como o Brasil. Desta forma, o Poder Legislativo Federal aprovou
modificação recente do Código Penal (Decreto-Lei nº 2.848, de 07 de dezembro de 1940) para
melhorar a efetividade da punição, que foi o estabelecimento
a) de cumprimento da pena em regime fechado, sem direito a progressão, nos crimes de
reponsabilidade fiscal em que o réu der às verbas ou rendas públicas aplicação diversa da prevista
em lei.
b) de pena para quem altera, falsifica ou faz uso indevido de marcas, logotipos, siglas ou quaisquer
outros símbolos utilizados ou identificadores de órgãos ou entidades da Administração Pública,
somente visando ao seu próprio lucro ou vantagem.
c) de pena para quem extraviar livro oficial ou qualquer documento de que tem a guarda em razão
do cargo, bem como sonegá-lo ou inutilizá-lo, total ou parcialmente, somente para realização de
interesse público.
d) da perda de cargo, função pública ou mandato eletivo, quando a pena for privativa de liberdade
em tempo igual ou superior a dois anos, nos crimes praticados com abuso de poder ou violação de
dever para com a Administração Pública.
e) da necessária devolução do produto do ilícito praticado, com os acréscimos legais, ou a reparação
do dano, como requisito para progressão de regime do cumprimento da pena privativa de liberdade.

04. O funcionário que apropriar-se de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel público ou
particular de que tem a posse em razão do cargo, ou desviá-lo, em proveito próprio ou alheio,
comete crime de:
a) peculato;
b) excesso de exação;
c) concussão;
d) corrupção passiva;
e) condescendência criminosa.

05. Quando o funcionário público exige, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que
fora da função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida, ele estará cometendo
crime de:
a) estelionato;
b) peculato;
c) corrupção;
d) concussão;
e) prevaricação.

06. Sobre os crimes contra a Administração Pública, é correto afirmar que:
a) o abandono de cargo público fora das hipóteses previstas em lei configura crime previsto no
Código Penal.
b) para efeitos penais só se consideram funcionários públicos aqueles que chegaram ao cargo
através de concurso público.
c) somente se o funcionário público possuir inscrição na Ordem dos Advogados do Brasil poderá
valer-se de seu cargo para patrocinar os interesses de seus clientes junto à Administração.
d) a lei penal exige, para a configuração do peculato, que o funcionário público receba efetivamente
a vantagem indevida, caso contrário não haveria a materialidade do
delito.
e) o crime de contrabando ou descaminho só se configura quando a mercadoria importada for ilícita,
como, por exemplo, drogas.

07. Pedro, funcionário público municipal responsável pela emissão gratuita de certidões da
Prefeitura de que é servidor, exige que Paulo lhe pague R$ 2.000,00 (dois mil reais) para que, só
assim, receba um documento solicitado àquele. No caso hipotético acima apresentado, há a
configuração do seguinte tipo penal:
a) Corrupção ativa.
b) Corrupção passiva.
c) Concussão.
d) Peculato.
e) Prevaricação.

08. Sobre Fato Típico, e elementos conceituais do crime, assinale a alternativa INCORRETA:
a) Fato material é aquele que existe independente de se enquadrar ou não ao descritivo legal. A
tipicidade, porém, é essencial à existência do fato material.
b) Fato típico é o fato material que se amolda perfeitamente aos elementos constantes do modelo
previsto na lei penal.

c) Conduta é a ação ou omissão humana, consciente e voluntária, dirigida a uma finalidade. O
pensamento, enquanto permanecer encastelado na consciência, não representa absolutamente nada
ao Direito Penal.
d) São quatro os elementos do fato típico: conduta dolosa ou culposa, tipicidade, nexo causal e
resultado, sendo estes dois últimos elementos presentes apenas em crimes materiais.
e) As formas de conduta são comissivas e omissivas. Enquanto as condutas comissivas desatendem
a preceitos proibitivos, as condutas omissivas desatendem mandamentos imperativos.

09. O concurso de pessoas é também conhecido por co-delinqüência, concurso de agentes ou
concurso de delinqüentes. Com a reforma penal de 1984, passou-se a adotar, no Título IV, a
denominação "concurso de pessoas", no lugar de "co-autoria" visto que se trata de expressão
"decerto mais abrangente, já que a co-autoria não esgota as hipóteses de concursus delinquentium"
(CP, Exposição de Motivos).

Com base no texto acima, é correto afirmar:
a) Existem algumas teorias a respeito da natureza do concurso de pessoas, dentre elas a teoria
monista, unitária ou igualitária, considerada uma teoria moderna sobre a natureza do concurso de
pessoas. Segundo a concepção da teorista monista, o crime, ainda quando tenha sido praticado em
concurso por várias categorias de pessoas, permanece único e indivisível, distinguindo-se apenas as
várias categorias de pessoas (autor, partícipe, instigador, cúmplice etc), sendo todos autores do
crime.
b) Para que ocorra o concurso de pessoas, são indispensáveis os seguintes requisitos: pluralidade de
condutas, relevância causal de cada uma das ações, liame subjetivo entre os agentes e produção do
resultado.
c) O concurso necessário refere-se aos crimes plurissubjetivos, os quais exigem o concurso de pelo
menos duas pessoas. A co-autoria é obrigatória, assim como a participação de terceiros. Aqui, a
norma incriminadora, no seu preceito primário, reclama, como conditio sine qua non do tipo, a
existência de mais de um autor, de maneira que a conduta não pode ser praticada por uma só pessoa.
d) O concurso eventual refere-se aos crimes monosubjetivos, que podem ser praticados por um ou
mais agentes. Quando cometidos por duas ou mais pessoas em concurso, haverá co-autoria ou
participação, dependendo da forma como os agentes concorrerem para a prática