A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
16 pág.
Testes de Conhecimento   Aula 10

Pré-visualização | Página 7 de 9

tributária, haja vista que no caso de ser autuado pela fiscalização tributária, o contribuinte pode defender-se, inicialmente, na instância administrativa, isto é, junto aos órgãos fiscalizadores, e, caso não logre êxito, poderá recorrer ao Poder Judiciário.
	 6a Questão
	
	
	
	
	A simulação fiscal consiste:
		
	
	Na divergência dolosa entre a vontade real e a vontade declarada pelos contraentes de um negócio jurídico, com o objetivo da administração tributária auferir mais imposto;
	
	Na divergência culposa entre a vontade real e a vontade declarada pelos contraentes de um negócio jurídico, com o objetivo da administração tributária auferir mais imposto;
	 
	Na divergência culposa entre a vontade real e a vontade declarada pelos contraentes de um negócio jurídico, com o objetivo da administração tributária auferir menos ou nenhum imposto;
	
	Na divergência dolosa entre a vontade real e a vontade declarada pelos contraentes de um negócio jurídico, com o objetivo da administração tributária auferir mais ou nenhum imposto.
	 
	Na divergência dolosa entre a vontade real e a vontade declarada pelos contraentes de um negócio jurídico, com o objetivo da administração tributária auferir menos ou nenhum imposto;
	
Explicação:
A palavra simulação tem sua origem no latim simulatio, que significa fingimento.
Assim como a sonegação e a fraude, a simulação fiscal é um ato voluntário e consciente que tem como objetivo ocultar ou esconder o fato gerador da obrigação tributária, ou seja, o fato demonstrado não é o realmente determinado pelo fisco, apesar de possuir aparência legal.
A legislação tributária não define nem caracteriza com precisão o ato de simulação. Assim, para analisar simulação é necessário recorrer ao Direito Privado, especialmente ao Direito Civil.
	
	
	 7a Questão
	
	
	
	
	Os crimes fiscais ou a evasão fiscal estão previstos na Lei 8.137/90, que regula os Crimes contra a Ordem Tributária, Econômica e Contra as Relações de Consumo. Analise as assertivas abaixo e identifique a alternativa correta: (I) Constitui crime contra a ordem tributária fornecer, quando obrigatório, nota fiscal ou documento equivalente, relativa à venda de mercadoria ou prestação de serviço, efetivamente realizada. (II) A legislação tributária considera como crimes fiscais a sonegação, a fraude, a simulação e o conluio. (III) Fraude é toda ação ou omissão voluntária e consciente, realizada de forma dolosa, com o objetivo de inviabilizar a ocorrência do fato gerador da obrigação tributária principal, ou de retardar seu conhecimento por parte do ente público responsável. (IV) Sonegação consiste num ato ilícito, voluntário e consciente, praticado pelo contribuinte com a finalidade de se eximir da obrigação tributária. (V) Conluio consiste no ajuste realizado pelos contribuintes com o objetivo de obter economia fiscal ilícita, ou seja, é quando duas ou mais pessoas realizam ajustes visando à sonegação fiscal ou a fraude fiscal. Estão corretas as assertivas:
		
	
	I e II
	
	III e IV
	 
	IV e V
	 
	II e V
	
	I e IV
	
Explicação:
A afirmativa I está errada porque, de acordo com o Art 1º, da refeirda Lei, constitui crime contra a ordem tributária negar ou deixar de fornecer, quando obrigatório, nota fiscal ou documento equivalente, relativa à venda de mercadoria ou prestação de serviço, efetivamente realizada. 
A afirmativa III está errada, porque a definição de fraude encontra-se no art. 72 da Lei 4.502/64. segundo o qual Fraude é toda ação ou omissão dolosa tendente a impedir ou retardar, total ou parcialmente, a ocorrência do fato gerador da obrigação tributária principal, ou a excluir ou modificar as suas características essenciais, de modo a reduzir o montante do imposto devido e evitar ou diferir o seu pagamento.
Por fim, a afirmativa IV está errada porque conforme estabelece o Art. 71 da Lei 4.502/64, Sonegação é toda ação ou omissão dolosa tendente a impedir ou retardar, total ou parcialmente, o conhecimento por parte da autoridade fazendária da ocorrência do fato gerador da obrigação tributária principal, sua natureza ou circunstâncias materiais; das condições pessoais de contribuinte, suscetíveis de afetar a obrigação tributária principal ou o crédito tributário correspondente.
	
	
	 8a Questão
	
	
	
	
	Observe as assertivas abaixo sobre contencioso fiscal  e marque a alternativa correta.
		
	
	No contencioso fiscal, de acordo com a legislação tributária vigente, o sujeito passivo da obrigação tributária somente terá o direito de reclamar ou de recorrer dos atos praticados pela administração tributária mediante a contratação de um advogado.
	
	No caso de ser autuado pela fiscalização tributária, ao contribuinte não é dado o direito de defender-se na instância administrativa, isto é, ele será obrigado a recorrer de imediato ao poder judiciário.
	 
	É vedado ao contribuinte que não lograr êxito no processo na esfera administrativa recorrer ao Poder Judiciário.
	
	Os atos praticados pelos órgãos fiscalizadores não podem ser impugnados pelo contribuinte, mediante defesa administrativa de fato e de direito, com todas as provas que possam anular a cobrança dos tributos.
	 
	Contencioso Fiscal pode ser definido como sendo a situação em que o sujeito passivo da obrigação tributária encontra-se em litígio com a administração fiscal, em virtude de dúvidas ou controvérsias.
	
Explicação:
De acordo com a legislação tributária, o contencioso fiscal permite aos sujeitos passivos da obrigação tributária o direito de reclamar ou de recorrer dos atos praticados pela administração tributária, inicialmente na esfera administrativa.
No caso de ser autuado pela fiscalização tributária, ao contribuinte é dado o direito de defender-se na instância administrativa, isto é, ele será obrigado a recorrer de imediato ao poder judiciário.
Os atos praticados pelos órgãos fiscalizadores podem ser impugnados pelo contribuinte, mediante defesa administrativa de fato e de direito, com todas as provas que possam anular a cobrança dos tributos.
O contribuinte que não lograr êxito no processo na esfera administrativa poderá recorrer ao Poder Judiciário.
	
	1a Questão
	
	
	
	Quanto ao contencioso fiscal, assinale a alternativa FALSA:
		
	
	Contencioso fiscal pode ser definido como a situação em que o sujeito passivo da obrigação tributária encontra-se em litígio com a administração fiscal em virtude de dúvidas ou discordâncias.
	 
	Conforme determina a legislação vigente, o contencioso fiscal permite aos sujeitos passivos da obrigação tributária o direito de reclamar ou de recorrer dos atos praticados pela administração tributária.
	
	O contribuinte que não lograr êxito no processo na esfera administrativa poderá recorrer ao Poder Judiciário.
	 
	Quando autuado pela fiscalização tributária, o contribuinte não tem o direito de defender-se na instância administrativa, ou seja, ele será obrigado a recorrer de imediato ao poder judiciário.
	
	Mediante defesa administrativa de fato e de direito, com todas as provas que possam anular a cobrança dos tributos, o contribuinte poderá impugnar os atos praticados pelos órgãos fiscalizadores.
	
Explicação:
Especificamente no que diz respeito ao direito de defesa, convém destacar o art. 5º, LV, da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, segundo o qual aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados em geral são assegurados o contraditório e ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes.
Assim, o contencioso fiscal permite aos sujeitos passivos da obrigação tributária o direito de reclamar ou de recorrer dos atos praticados pela administração tributária, haja vista que no caso de ser autuado pela fiscalização tributária, é dado ao contribuinte o direito de defender-se, inicialmente, na instância administrativa, isto é, junto aos

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.