A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
41 pág.
MOBILIZAÇÃO DO SISTEMA NERVOSO

Pré-visualização | Página 8 de 8

paciente 
Colocação das mãos: 
 Com a mão cefálica estabiliza o processo espinhoso do nível correspondente a ser trabalhado e 
com a mão caudal fixa a pelve, repousando o antebraço na face lateral da coxa do paciente. 
Técnica: 
 Realizar oscilações com deslizamento caudal da pelve. 
Progressão: Extensão de joelho e flexão de quadril. 
 
 
 
MOBILIZAÇÃO DE RAÍZES EM DECÚBITO DORSAL 
Posição do paciente: 
Paciente em decúbito dorsal, quadril e joelho a 90º, e membros inferiores cruzados. 
Posição do Terapeuta: 
 Terapeuta em finta anterior, contralateralmente ao membro a ser mobilizado. 
Colocação das mãos: 
 Com a mão externa estabiliza a espinha ilíaca ântero-superior contralateral e com a mão interna 
faz contato com a face dorsal da perna contralateral. 
35 
Técnica: 
Realizar oscilações em flexão lateral da coluna lombar e adução do quadril. 
Progressão: Extensão de joelho e flexão cervical. 
 
 
 
 
 
MOBILIZAÇÃO EM FLEXÃO DE QUADRIL + FLEXÃO DE JOELHO EM DECUBITO 
LATERAL 
Posição do paciente: 
 Paciente em decúbito lateral, com o membro a ser tratado para cima e joelhos em semi-flexão. 
 Posição do Terapeuta: 
 Terapeuta em finta dupla, de frente ao corpo do paciente. 
Colocação das mãos: 
 Com a mão cefálica estabiliza-se o joelho e com a mão caudal faz-se o contato na face plantar 
do pé do paciente. 
Técnica: 
 A técnica consiste em o terapeuta realizar flexão passiva do quadril e joelho do paciente. 
Progressão: Flexão de quadril e extensão de joelho. 
 
 
 
 
 
 
 
36 
TRATAMENTO MEMBROS INFERIORES 
(PERDA DA COMPLACÊNCIA) 
 
MOBILIZAÇÃO NERVO ISQUIÁTICO EM DORSIFLEXÃO DE TORNOZELO 
Posição do paciente: 
Paciente em decúbito dorsal. 
Posição do Terapeuta: 
 Terapeuta em finta anterior, contralateralmente ao membro a ser mobilizado. 
Colocação das mãos: 
 Com uma mão estabilizar o tornozelo e a outra no pé. 
Técnica: 
Realizar oscilações em dorsiflexão de tornozelo 
 Progressão: Flexão de quadril. 
 
 
 
MOBILIZAÇÃO NERVO ISQUIÁTICO EM ADUÇÃO 
Posição do paciente: 
Paciente em decúbito dorsal. 
Posição do Terapeuta: 
 Terapeuta em finta anterior, contralateralmente ao membro a ser mobilizado. 
Colocação das mãos: 
 Com uma mão estabilizar o tornozelo e a outra no pé. 
Técnica: 
Realizar oscilações em adução do quadril. 
 Progressão: Flexão de quadril. 
 
 
37 
MOBILIZAÇÃO RAIZES LOMBARE ALTAS 
Posição do paciente: 
Paciente em decúbito ventral com flexão de joelho. 
Posição do Terapeuta: 
 Terapeuta em finta anterior, contralateralmente ao membro a ser mobilizado. 
Colocação das mãos: 
 Com a mão externa estabilizar o quadril e com a mão interna contato com o joelho do paciente. 
Técnica: 
Realizar oscilações em adução do quadril. 
 Progressão: Flexão de joelho e extensão de quadril. 
 
 
 
MOBILIZAÇÃO NERVO FEMORAL E RAIZES LOMBARES ALTAS 
Posição do paciente: 
Paciente em decúbito lateral, com o lado a ser mobilizado para cima. 
Posição do Terapeuta: 
 Terapeuta em finta dupla, atrás do paciente. 
Colocação das mãos: 
 Com a mão cefálica estabilizar o quadril e a mão caudal estabilizar a face anterior do joelho do 
paciente. 
Técnica: 
Realizar oscilações em flexão de joelho. 
 Progressão: Extensão de quadril e flexão cervical. 
 
 
 
 
 
 
38 
TRATAMENTO MEMBROS INFERIORES 
(COMPRESSÃO) 
 
PAs DE MAITLAND 
Posição do paciente: 
Deitado de decubito ventral, com dois travesseiros embaixo do abdômen. 
Posição do Terapeuta: 
 Terapeuta em finta anterior, contralateral ao lado a ser tratado. 
Colocação das mãos: 
 Terapeuta realiza com a mão caudal o contato pisiforme na faceta articular a ser mobilizada e 
com a mão cefálica reforça o contato. 
Técnica: 
 Realizar de forma oscilatória pressões no sentido cranial. 
 
 
 
TÉCNICA DE INCLINAÇÃO LATERAL 
Posição do paciente: 
Deitado de decúbito lateral, com o lado a ser trabalhado para baixo. 
Posição do Terapeuta: 
 Terapeuta em finta dupla. 
Colocação das mãos: 
 Terapeuta realiza o contato com o polegar da mão cefálica no processo espinhoso da vértebra 
superior do nível a ser trabalhado e com a mão caudal faz contato com a região do quadril contralateral 
do paciente. 
Técnica: 
 Realizar de forma oscilatória latero-flexão contralateral ao lado da lesão. 
 
 
 
39 
TRATAMENTO MEMBROS INFERIORES 
(AUTOMOBILIZAÇAO) 
 
Deve ser iniciada em uma fase onde os sintomas do paciente já estão mais amenos. A duração 
da automobilização deverá ser de 5 a 10 repetições / 3 x ao dia. 
 Obs: Instruir o paciente que se trata de uma mobilização e não um alongamento, sendo que a 
amplitude que ele irá realizar a automobilização não poderá reproduzir sintomas. 
 
POSIÇÃO 1: SLUMP 
Posição do paciente: 
Paciente sentado de forma que os pés não encostem o chão, braços entrelaçados na região 
posterior (lombar). 
Técnica: 
 A técnica consiste em o paciente realizar oscilações em extensão de joelho + extensão cervical e 
flexão de joelho + cervical neutra. 
 
 
 
POSIÇÃO 2: DECÚBITO DORSAL 
Posição do paciente: 
 Paciente em decúbito dorsal com flexão de quadril e joelho, e com as duas mãos entrelaçadas na 
região posterior da coxa. 
Técnica: 
A técnica consiste em o paciente realizar oscilações em flexo-extensão de joelho, até a 
amplitude onde não apareçam os sintomas. 
 
 
40 
 
POSIÇÃO 3: EM PÉ COM O PÉ NA CADEIRA 
Posição do paciente: 
 Paciente em pé, coloca o pé em cima de uma cadeira. 
Técnica: 
A técnica consiste em o paciente realizar flexão da coluna lombar e quadril, tentando colocar a 
ponta dos dedos no chão. 
 
 
 
POSIÇÃO 4: EM PÉ COM O JOELHO NA CADEIRA 
Posição do paciente: 
 Paciente em pé, coloca o joelho em cima de uma cadeira. 
Técnica: 
A técnica consiste em o paciente realizar latero-flexão contralateral da coluna lombar. 
 Progressão: Flexão do joelho e extensão de quadril. 
 
 
 
 
 
 
 
 
41 
CONTRA-INDICAÇÕES 
 
Devemos estar atentos sempre às contra-indicações, para não agravarmos os sintomas. As 
principais contra-indicações são: 
 
• Doenças degenerativas, inflamatórias e malígnas do S.N. 
• Estenoses extremas (ex: cauda equina, mielopatias, etc) 
• Sinais neurológicos com início abrupto ou com progressão 
• Adesão congênita ou adquirida do tecido nervoso 
• Uso de anticoagulantes 
• Problemas cognitivos e incapacidade de comunicação 
• Diagnóstico incerto 
• Crença pessoal 
 
 
 
BIBLIOGRAFIA 
 
 BUTLER, D. Mobilização do Sistema Nervoso. Barueri, SP: Manole, 2003. 
 CLAY, J. H.;POUNDS D. M. Massoterapia clinica: Integrando Anatomia e Tratamento. 
Barueri, SP: Manole, 2003. 
 FIELD, D. Anatomia Palpatória. 2ª ed. Barueri, SP: Manole, 2001. 
 GROSS J.; FETTO J.; ROSEN E. Exame Músculoesquelético. 2ª ed. Porto Alegre, RS: 
Artmed, 2005. 
 MACHADO, A. Neuroanatomia Funcional. 2ª ed. São Paulo,SP: Atheneu, 2001. 
 NETTER, F. H. Atlas interativo de anatomia humana. 3ª ed. São Paulo,SP: Artmed, 1999. 
 Manual dos Pontos Gatilhos. 
 RICARD, F. Tratamento Osteopático das Lombalgias e Ciáticas. Rio de Janeiro, RJ: 
Atlântica, 2001. 
 SIMONS D. G.;TRAVELL, J. G. Dor e Disfunção Miofascial: Manual dos pontos-gatilhos 
– Membros Superiores. v.1. 2ª ed. Porto Alegre, RS: Artmed, 2005. 
 SIMONS D. G.;TRAVELL, J. G. Dor e Disfunção Miofascial: Manual dos pontos-gatilhos 
– Membros Inferiores. v.2. Porto Alegre, RS: Artmed, 2006.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.