Direito Administrativo   FULL
80 pág.

Direito Administrativo FULL


Disciplina<strong>direito do Trabalho</strong> Rural5 materiais2 seguidores
Pré-visualização19 páginas
Rafael Barreto Ramos 
 © 2014 
1 
 
Direito Administrativo 
Professora: Suelen 
\uf0d8 Atividades Avaliativas 
- Trabalhos \u2013 10 pontos - 13 e 14/03; 15 e 16/05; 
- Prova \u2013 28/03 \u2013 20 pontos; 
- Prova \u2013 25/04 \u2013 20 pontos; 
- Exercícios \u2013 10 pontos; 
- Frequência \u2013 10 pontos; 
- Prova final \u2013 06/06 - 30 pontos. 
\uf0d8 Bibliografia 
- Curso de Direito Administrativo \u2013 Celso Antônio Bandeira de Melo (Ótimo para concursos); 
- Maria Sylvia Zanella Di Pietro 
 
Rafael Barreto Ramos 
 © 2014 
2 
 
07/02/14 
\uf0d8 Noções Introdutórias - Conceito 
1. Helly Lopes Meireles 
É o conjunto de princípios e regras que disciplinam a administração pública no âmbito de 
qualquer dos poderes. Para ele, a administração pública é o objeto do Direito Administrativo. 
2. Cretella Júnior 
É o conjunto de princípios e regras que disciplina uma atividade administrativa, bem como os 
sujeitos/agentes encarregados de prestá-la. 
3. Maria Sylvia Zanella Di Pietro 
É o ramo do Direito Público que tem por objeto os órgãos, agentes e pessoas jurídicas 
administrativas que integram a Administração Pública, a atividade jurídica não contenciosa que 
exerce e os bens de que se utiliza para a consecução de seus fins de natureza pública. 
\uf0d8 Competência Legislativa 
1. Considerações Iniciais 
1.1. Direito PUC 
Todos os entes da federação têm competência para legislar sobre Direito Administrativo. 
Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do 
Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos: 
Art. 18. A organização político-administrativa da República Federativa do Brasil compreende a União, os 
Estados, o Distrito Federal e os Municípios, todos autônomos, nos termos desta Constituição. 
Lembrando que a União tem soberania e, os estados, autonomia. 
A União pode legislar duas vezes sobre a mesma norma. Num primeiro momento, elaborará 
normas gerais válidas para todo o país. Posteriormente, elaborará uma norma específica 
Art. 22. Compete privativamente à União legislar sobre: 
XXVII - normas gerais de licitação e contratação, em todas as modalidades, para as administrações 
públicas diretas, autárquicas e fundacionais da União, Estados, Distrito Federal e Municípios, obedecido 
o disposto no art. 37, XXI, e para as empresas públicas e sociedades de economia mista, nos termos do 
art. 173, § 1°, III; 
 
Rafael Barreto Ramos 
 © 2014 
3 
 
1.2. Orvile Carneiro 
1.2.1. Art. 1º - CF 
Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do 
Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito... 
- Interpretação: 
O Brasil é formado pela união¹ dos Estados (DF) + municípios. 
(1) União: Sinônimo de junção. 
1.2.2. Art. 18 \u2013 CF 
Art. 18. A organização político-administrativa da República Federativa do Brasil compreende a União, os 
Estados, o Distrito Federal e os Municípios, todos autônomos, nos termos desta Constituição. 
- Interpretação: 
O Brasil é administrado pela: União¹, Estado (DF)² e Município³. 
(1) União: Estrutura de administração pública federal. Competência prevista no art. 21 da CF, sendo aquilo 
que afetar a própria União, etc. 
(2) Estado (DF): Administração Pública Estadual. Competência prevista no art. 25, sendo esta residual em 
relação às demais. 
(3) Município: Administração Pública Municipal. Competência prevista no art. 30 da CF, sendo esta as 
matérias de interesse local. 
IMPORTANTE: 
Municípios, Estados e União são pessoas jurídicas independentes. 
As estruturas internas das pessoas jurídicas são chamadas de ÓRGÃOS. 
As relações hierárquicas (verticais) dentro da pessoa jurídica são de subordinação. 
As relações horizontais dentro da pessoa jurídica são de coordenação. 
A relação da Administração Pública Direta com a Indireta se dá por meio de vinculação que, por 
sua vez, não confere poder de anular, revogar, todavia, confere o poder de fiscalização (controle 
finalístico). 
 
 
Rafael Barreto Ramos 
 © 2014 
4 
 
2. Características 
1.1. Autoconstituição 
Os entes federativos têm autonomia para se autoconstituir. 
1.2. Autogoverno 
Os entes federativos se autogovernam dentro de sua esfera de competência. É entendido como 
próprias eleições, ou seja, a possibilidade de eleger seus próprios governantes. 
- Estado \u2013 Governador do Estado; 
- Municípios \u2013 Prefeito. 
1.3. Autoadministração (Art. 22, CR) 
Os entes federativos definem sua própria administração. 
\uf0d8 Fontes 
1. Primárias 
a) A Lei no sentido amplo \u2013 Constituição Federal. 
b) A Lei no sentido estrito (Art. 59/CF) 
Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: 
I - emendas à Constituição; 
II - leis complementares; 
III - leis ordinárias; 
IV - leis delegadas; 
V - medidas provisórias; 
VI - decretos legislativos; 
VII - resoluções. 
Parágrafo único. Lei complementar disporá sobre a elaboração, redação, alteração e consolidação das 
leis. 
2. Secundárias 
a) Doutrina 
b) Jurisprudência 
c) Princípios Gerais do Direito (Princípio da Supremacia do Interesse Público Sobre o Particular¹) 
(1) Princípio da Supremacia do Interesse Público Sobre o Particular: Nas situações em que o interesse 
público conflitar com o interesse particular, prevalecer-se-á o interesse público. 
 
Rafael Barreto Ramos 
 © 2014 
5 
 
(Orvile Carneiro) 
1. Lei 
Toda norma jurídica escrita, abstrata, genérica, emanada pelo Estado garantido pelo poder público e 
aplicável por órgãos do Estado enquanto não revogada. 
Constituição como a norma maior do Estado. Todas as demais leis infraconstitucionais devem estar de 
acordo com seus preceitos. 
2. Doutrina 
Ciência do Direito, trabalho produzido pelos juristas. 
Ex. Comentar a lei, problematizar o direito, etc. 
3. Jurisprudência 
Decisões estáveis e não estáveis dos tribunais. 
4. Costumes 
São as práticas sociais reiteradas que possuem carga jurídica. Também conhecido como FONTE 
INORGANIZADA DO DIREITO. 
Ex. Cheque pós-datado 
Nota: 
- Sistemas Jurídicos: 
a) Common Law: baseado nos costumes e na jurisprudência. Principal fonte são os costumes. Também 
conhecido como Direito Consuetudinário. 
Ex. Canadá, Inglaterra 
b) Civil Law: eminentemente legislado. Principal fonte é a lei. 
Ex. Brasil 
\uf0d8 Codificação 
No Brasil, o Direito Administrativo não foi codificado. 
 
Rafael Barreto Ramos 
 © 2014 
6 
 
\uf0d8 Sistemas Administrativos (Art. 5º, XXXV \u2013 CR) 
- Sistema Francês 
Existe a dualidade de jurisdição, que também pode ser chamado de contencioso administrativo. 
Ou seja, existem dois órgãos que aplicam a lei no caso concreto e resolvem o conflito com força de coisa 
julgada. 
O Conselho de Estado tem competência para julgar litígios que envolvem administrado e administração 
pública. 
O Poder Judiciário, por outro lado, tem competência para julgar litígios que envolvem particulares. 
- Sistema Inglês 
Apenas um órgão exerce atividade jurisdicional de forma típica, sendo este o Poder Judiciário. 
No Brasil adota-se o SISTEMA INGLÊS. 
Art. 5º (...) XXXV - a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito; 
\uf0d8 Governo vs. Administração Pública 
Governo Administração Pública 
 
É estudado pelo Direito Constitucional; 
 
Os atos de governo são praticados com fundamento na 
Constituição Federal; 
 
O controle sobre os atos de governo é chamado de controle 
político e deriva da teoria dos pesos e contrapesos¹; 
 
Não há relação de hierarquia e subordinação entre os órgãos 
 
É estudada pelo Direito