A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
48 pág.
POP material diatico UFSJ

Pré-visualização | Página 5 de 9

a 
ferida. Cobertura secundária é a cobertura seca colocada sobre a 
cobertura primária. 
� O uso da irrigação sob pressão é o procedimento mais adequado para 
realizar a limpeza da lesão e pode ser alcançado com o uso de uma 
23 
 
seringa de 20 ml e uma agulha 40 x 12, ou frascos de soro de 100 ml ou 
250 ml perfurados com a agulha grossa. 
� Deve-se aquecer a solução salina até temperatura de aproximadamente 
36º para evitar resfriamento da ferida e proporcionar maior conforto ao 
paciente. 
 
Registro de Enfermagem 
Deverá ser anotado: 
� Data, hora, descrição da técnica utilizada. 
� Material utilizado. 
� Aspectos da lesão: local, tamanho, condições das margens, secreção 
(quantidade e aspecto). 
� Presença e localização de drenos. 
� Reações do paciente ao procedimento. 
� Possíveis intercorrências e condutas. 
� Nome, função, assinatura e nº de Coren. 
 
 
 
CUIDADOS COM COLOSTOMIA E ILEOSTOMIA 
Material 
• par de luvas de procedimento 
• sistema com bolsa 
• clamp de fechamento (grampo) 
• pasta para estoma (quando a drenagem for aquosa ou pastosa ou o 
estoma secretar muco em excesso) 
• guia de medida da ostomia 
• pasta de barreira para ostomia (opcional). 
• pacotes de gazes 
• cuba com água morna 
• tesoura 
• caneta 
• comadre 
24 
 
• toalha ou barreira impermeável. 
• máscara, óculos e avental, se indicado. 
 
Procedimento 
• Lavar as mãos e reunir o material. 
• Explicar o procedimento ao paciente. 
• Oferecer privacidade e apoio emocional. 
• Sempre observar o estoma com relação à cor, inchaço, trauma e 
cicatrização – o estoma normalmente é úmido e de cor vermelho rosada. 
• Avaliar a pele em torno do estoma, observando pregas, ruptura na pele. 
 
Ajuste da bolsa e da barreira de pele: 
1. Para uma bolsa com barreira da pele acoplada, medir o estoma com o guia 
de medida. Escolher o tamanho de orifício que combine com o estoma. 
2. No caso de bolsa com parte posterior aderente, com barreira de pele 
separada, medir o estoma com o guia de medida e escolher o orifício que 
combine com o estoma. Desenhar o tamanho escolhido do orifício no papel 
que encobre o lado aderente da barreira de pele. 
3. Cortar o orifício. Se a bolsa apresentar aberturas pré-cortadas, o que pode 
ser útil no caso de estoma redondo, escolher um orifício que seja 0,3cm 
maior que o estoma. Se a bolsa vier sem um orifício, cortá-lo a 0,3cm maior 
que o desenho medido. Não cortar o orifício muito grande, pois isso pode 
expor a pele a material fecal e umidade. O sistema que não tem aberturas 
pré-cortadas funciona melhor em estoma de forma irregular. 
Aplicação ou troca de bolsa: 
� Posicione o paciente em pé ou deitado. 
� Coloque a toalha ou a barreira impermeável sob o paciente. 
� Retirar e descartar a bolsa usada. Limpar estoma com água morna e a 
pele periostomal de maneira delicada usando gazes. 
� Com cuidado secar a pele ostomal, com toques leves. Secá-la bem. 
Examinar a pele periostomal e o estoma. 
25 
 
� Retirar o papel da porção posterior do lado aderente do sistema de bolsa 
e centralizar o orifício da bolsa sobre o estoma. Comprimir 
delicadamente para firmar. 
� Mantenha uma pressão gentil dos dedos em torno da barreira por 1 a 2 
minutos. 
� Estimular o paciente a ficar quieto na posição durante uns cinco minutos 
para melhorar a aderência. O calor do corpo do paciente também ajuda 
a aumentar a aderência. 
� Aplicar clamp de fechamento, conforme tipo de bolsa utilizado e 
instruções do fabricante. 
� Quando necessário, aplicar micropore em formato de moldura de quadro 
às margens da bolsa para proteção adicional. 
� Remova as luvas e faça a higiene das mãos. 
� Pergunte ao paciente sobre desconforto em torno do estoma. 
 
Esvaziamento da bolsa 
1. Calçar as luvas. 
2. Inclinar a porção inferior da bolsa para cima e retirar o clamp de 
fechamento. 
3. Esvaziar a bolsa em vaso sanitário ou comadre. 
4. Limpar a porção inferior da bolsa com água fria de torneira. Não 
direcionar a água para perto da porção superior da bolsa, pois isso poderá 
afrouxar o lacre na pele. 
5. Jamais fazer perfuração na bolsa para liberar gases. Isso destrói o lacre 
à prova de odor. 
6. Retirar e descartar as luvas. 
 
Observações 
26 
 
� Opções de sistemas de bolsa: 
� Bolsa de uma peça com barreira de pele já ligada; 
� Bolsa pré-cortada e barreira de pele; 
� Sistema de bolsa de duas peças, que consiste em bolsa que se 
desconecta da barreira de pele e permanece em torno do estoma do 
cliente por vários dias. 
� O uso da pasta de barreira aumenta a selagem e previne o vazamento. 
É utilizada caso ocorra uma prega próximo ao estoma, para 
preenchimento. Deixar secar por 1 a 2 minutos. 
� Troque a bolsa quando o paciente estiver confortável, antes da refeição 
é melhor. 
� Evite comprimir demais a bolsa, pois o estoma não tem receptores de 
dor. Um orifício que comprime pode causar lesão ao estoma ou ao 
tecido epitelial sem que o paciente sinta desconforto de alerta. 
� Embora muitas bolsas de ostomia sejam à prova de odores, alguns 
enfermeiros gostam de colocar uma pequena quantidade de 
desodorante de ostomia dentro da bolsa. Não use “remédios caseiros”, 
como aspirina, para controlar odor da ostomia. 
 
 
Registro de Enfermagem 
Deverá ser anotado: Data, hora, descrição da técnica utilizada. Material 
utilizado. Aspectos do estoma e da pele circundante. Reações do paciente ao 
procedimento. Possíveis intercorrências e condutas. Nome, função, assinatura 
e nº de Coren. 
 
 
 
 
 
 
27 
 
CATETERISMO VESICAL FEMININO 
Material 
• Sonda vesical de número apropriado para cateterismo de demora ou alivio 
(números 14,16,18) 
• Pacote de cateterismo vesical esterilizado contendo: 
• cuba rim 
• cuba redonda com gazes dobradas 
• campo fenestrado 
• pinça longa 
• frasco com solução antisséptica 
• pacote de gaze (se necessário) 
• luva estéril 
• gel anestésico (uso único) 
• biombo 
• fita adesiva hipoalergênica 
• seringa de 10 ou de 20 ml 
• agulha 40 x 12 
• 02 ampolas de água estéril 
• bolsa coletora de urina para sistema de drenagem aberta 
• foco de luz ou lanterna 
• saco plástico para lixo 
 
Material para higiene íntima 
• Balde 
• Água aquecida 
• Sabonete 
• Pano limpo 
• Toalha de banho 
 
 
Procedimento: 
 
1. Verificar prescrição do procedimento no prontuário. 
28 
 
2. Lavar as mãos. 
3. Reunir todo material a ser utilizado. 
4. Explicar o procedimento à paciente e a sua finalidade. 
5. Promover a privacidade da paciente colocando biombos em volta do 
leito, fechando cortinas e portas. 
6. Indagar a paciente a respeito de alergias ao iodo, antes de começar o 
procedimento. 
7. Fornecer boa iluminação. 
8. Verificar necessidade de higiene íntima prévia – providenciar para que a 
região- providenciar para que a região perineal da paciente esteja limpa 
com água e sabão. 
9. Ajudar a paciente a assumir a posição ginecológica ou com as pernas 
afastadas a uns 60 cm de distância. 
10. Manter a paciente coberta, expondo apenas o períneo. 
11. Colocar o pacote cateterismo vesical entre as pernas da paciente 
abrindo-o de forma asséptica. 
12. Calçar as luvas. O auxiliar irá abrir os pacotes com os materiais estéreis 
para que você, já com as luvas estéreis, coloque-os no campo e 
organize o campo. Posicionar o campo sob as nádegas da paciente sem 
se contaminar. 
13. O auxiliar deverá colocar a solução anti-séptica na cuba redonda. 
14. O auxiliar irá abrir e oferecer a água destilada de forma que facilite a 
aspiração. 
15. O auxiliar irá desprezar uma quantidade do gel anestésico no canto da 
cuba rim. 
16. Testar o balão do cateter com a seringa com ar. Se o balão insuflar 
como pretendido, retirar o ar