A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
48 pág.
POP material diatico UFSJ

Pré-visualização | Página 8 de 9

paciente a partir 
da máscara. 
39 
 
� Um fluxo de oxigênio acima de 8L/min não aumenta a concentração de 
oxigênio ofertada ao paciente. 
 
Registro de Enfermagem 
Deverá ser anotado: 
Tipo de dispositivo utilizado. Freqüência respiratória, ausculta pulmonar, 
padrão respiratório e saturação de oxigênio anteriormente ao procedimento. 
Fluxo de oxigênio fornecido conforme prescrição médica. Descrição das 
alterações na freqüência respiratória, ausculta pulmonar, padrão respiratório e 
saturação de oxigênio posteriormente ao procedimento. Concentração de 
oxigênio fornecida ao paciente. Nome, função, assinatura e nº do Coren. 
 
 
MÁSCARA FACIAL COM RESERVATÓRIO DE OXIGÊNIO 
 
Material 
• máscara com reservatório de oxigênio 
• extensão de latex 
• frasco umidificador 
• água destilada esterilizada 
• fonte de oxigênio 
• fluxômetro de oxigênio 
 
Procedimento 
1. Lavar as mãos. 
2. Reunir todo o material. 
3. Explicar o procedimento e a finalidade ao paciente. 
4. Conectar o fluxômetro à fonte de oxigênio. 
5. Colocar água destilada no frasco umidificador até o nível indicado. 
6. Conectar o frasco umidificador ao fluxômetro. 
7. Conectar a máscara facial à extensão de latex e a outra ponta da 
extensão à saída do umidificador. 
40 
 
8. Inflar a bolsa reservatório com oxigênio antes de colocar a máscara no 
paciente. 
9. Acoplar a máscara junto à face do paciente. 
10. Abrir a válvula do fluxômetro, controlando o fluxo de 8 a 12 L/min, 
conforme prescrição médica. 
11. Colocar a data e o horário de instalação no frasco umidificador. 
12. Recompor a unidade e o paciente. 
13. Lavar as mãos. 
14. Realizar o registro de enfermagem no prontuário. 
 
Observações 
• A bolsa reservatório não pode estar colabada, deve permanecer pelo 
menos 2/3 cheia para que o oxigênio suplementar seja suficiente e esteja 
disponível para cada respiração. 
 
Registro de Enfermagem 
Deverá ser anotado: Tipo de dispositivo utilizado. Freqüência respiratória, 
ausculta pulmonar, padrão respiratório e saturação de oxigênio anteriormente 
ao procedimento. Fluxo de oxigênio fornecido conforme prescrição médica. 
Descrição das alterações na freqüência respiratória, ausculta pulmonar, padrão 
respiratório e saturação de oxigênio posteriormente ao procedimento. 
Concentração de oxigênio fornecida ao paciente. 
• Nome, função, assinatura e nº do Coren. 
 
 
MÁSCARA SISTEMA VENTURI 
Material 
 
• Kit máscara de venturi: máscara facial; traquéia; extensão para conexão 
no umidificador, adaptador para umidificação/inalação, 6 válvulas 
coloridas. 
• frasco umidificador 
• água destilada esterilizada 
41 
 
• fonte de oxigênio 
• fluxômetro de oxigênio 
 
Procedimento 
 
1. Lavar as mãos. 
2. Reunir todo o material. 
3. Explicar o procedimento e a finalidade ao paciente. 
4. Conectar o fluxômetro à fonte de oxigênio. 
5. Colocar água destilada no frasco umidificador até o nível indicado. 
6. Conectar o frasco umidificador ao fluxômetro. 
7. Conectar a máscara facial à traquéia; acoplar a válvula (24%, 28%, 
35%, 40% ou 50%) no interior da extremidade da traquéia; ajustar o 
adaptador de umidificação na válvula instalada na traquéia. 
8. Adaptar a extensão de conexão na válvula e a outra extremidade no 
umidificador ou fluxômetro. 
9. Acoplar a máscara junto à face do paciente. 
10. Abrir a válvula do fluxômetro, controlando o fluxo de 4 a 15L/min ou 
conforme indicado no “copinho”. 
11. Colocar a data e o horário de instalação no frasco umidificador. 
12. Recompor a unidade e o paciente. 
13. Lavar as mãos. 
14. Realizar o registro de enfermagem no prontuário. 
 
Observações 
Deve-se fornecer a quantidade exata de fluxo de oxigênio determinada na 
válvula, caso contrário, a porcentagem de oxigênio fornecida ao paciente torna-
se irreal. 
Manter o paciente em um decúbito de 30-45º a fim de facilitar a oxigenação. 
 
Registro de enfermagem 
Deve conter: Tipo de dispositivo utilizado. Frequência respiratória, ausculta 
pulmonar, padrão respiratório e saturação de oxigênio anteriormente ao 
procedimento. Fluxo de oxigênio fornecido conforme prescrição médica. 
42 
 
Descrição das alterações na freqüência respiratória, ausculta pulmonar, padrão 
respiratório e saturação de oxigênio posteriormente ao procedimento. 
Concentração de oxigênio fornecida ao paciente. Nome, função, assinatura e 
nº do Coren. 
 
 
ASPIRAÇÃO DE VIAS AÉREAS SUPERIORES 
 
Material 
 
• Luva estéril 
• Cuba rim esterelizada 
• Sonda de aspiração. 
• Aspirador 
• Extensão de silicone ou látex 
• Água destilada ou soro fisiológico estéril (100mL) 
• Gaze estéril 
• Saco lixo 
• Óculos 
• Máscara 
• Biombos 
• Talha de rosto ou papel toalha 
 
Procedimento 
 
1. Lavar as mãos. 
2. Reunir todo o material e colocar em uma bandeja. 
3. Dispor a bandeja sobre a mesa de cabeceira. 
4. Explicar o procedimento e a finalidade ao paciente. 
5. Colocar biombos em caso de enfermaria para preservar a 
individualidade do paciente. 
6. Posicionar o paciente (cabeceira ligeiramente elevada e hiperextensão 
da cabeça). 
43 
 
7. Dispor o lixo em local de fácil acesso. 
8. Proteger o tórax do paciente com a toalha ou papel toalha. 
9. Colocar óculos e máscara de proteção. 
10. Desembrulhar a cuba estéril e enchê-la com aproximadamente 100 ml 
de soro fisiológico estéril ou água destilada estéril. 
11. Abrir sonda de aspiração e colocá-la sobre o campo aberto. 
12. Abrir pacote de gaze estéril e colocar sobre o campo aberto. 
13. Abrir o invólucro da extensão de látex e manusear de modo a se manter 
um das extremidades estéril e outra já deixar conectada no aspirador. 
14. Calçar luva estéril. 
15. Conectar sonda de aspiração com a extensão de látex, mantendo sonda 
estéril. 
16. Com uma mão que será contaminada ligar aspirador, testá-lo com a 
água destilada/Soro fisiológico da cuba e ajuste a pressão negativa (80 
a 120 mmHg se preso à parede; 7 a 15 mmHg se portátil). 
17. Retirar sistema de oxigenoterapia do paciente com a mão contaminada. 
18. Pinçar a sonda com a mão contaminada. 
19. Introduzir a sonda de aspiração em uma das narinas. 
20. Desfazer a pinça da sonda de aspiração. 
21. Aspirar a secreção fazendo movimentos rotatórios com a sonda por até 
15 segundos 
22. Recolocar sistema de oxigenoterapia em uso. 
23. Lavar a sonda em água destilada estéril ou soro fisiológico da cuba rim. 
24. Se muita secreção na parte externa da sonda, pegar com mão não 
contaminada gaze e limpar em movimento único. 
25. Repetir os passos com a outra narina e depois orofaringe. 
26. Ao finalizar procedimento, aspirar uma maior quantidade de água para 
facilitar a limpeza. 
27. Desligar aspirador. 
28. Desprezar material contaminado. 
29. Retirar as luvas. 
30. Lavar as mãos . 
31. Realizar anotações de enfermagem. 
 
44 
 
Observações 
 
� Aspiração nasofaríngea: inserir sonda cerca de 16 cm. 
� Aspiração nasotraqueal: 16 a 20 cm. 
� Durante todo o procedimento deve ser monitorado a saturação de 
oxigênio. 
� Ordem de aspiração: traqueostomia, narinas, cavidade oral. 
� Com intuito de fluidificar a secreção, pode ser necessário instilar com 
seringa uma pequena quantidade (3 a 5 mL) de água destilada no 
local que está sendo aspirado. 
 
Registro de enfermagem 
Deve conter: Quantidade, consistência, cor e odor das secreções. Freqüência 
respiratória, ausculta pulmonar, padrão respiratório e saturação de oxigênio 
anteriormente ao procedimento. Descrição das alterações na freqüência 
respiratória, ausculta pulmonar, padrão respiratório e saturação de oxigênio 
posteriormente ao procedimento. Nome, função, assinatura e nº do Coren. 
 
PREPARO DO CORPO PÓS-ÓBITO 
Material 
• hamper 
• bandeja de inox limpa 
• saco plástico para resíduos 
• aventais