A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
120 pág.
Novo Acordo Ortográfico SESI PR - PORTUGUÊS REVISÃO GRAMATICAL E REDAÇÃO OFICIAL

Pré-visualização | Página 1 de 42

EEssccoollaa SSuuppeerriioorr ddaa MMaaggiissttrraattuurraa TTooccaannttiinneennssee 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
PPOORRTTUUGGUUÊÊSS:: RREEVVIISSÃÃOO 
GGRRAAMMAATTIICCAALL EE RREEDDAAÇÇÃÃOO OOFFIICCIIAALL 
UUNNIIDDAADDEE II 
 
PPRROOFFªª.. MMAARRIIAA ÂÂNNGGEELLAA BBAARRBBOOSSAA 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
PPAALLMMAASS 
22001144 
 
Escola Superior da Magistratura Tocantinense 
Curso Português: Revisão Gramatical e Redação Oficial 
Profª Maria Ângela Barbosa 
 
 2 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
“Os limites da minha linguagem são também os limites 
do meu pensamento”. 
(LudwigWittgenstein) 
 
Escola Superior da Magistratura Tocantinense 
Curso Português: Revisão Gramatical e Redação Oficial 
Profª Maria Ângela Barbosa 
 
 3 
 
MMÓÓDDUULLOO II –– OORRTTOOGGRRAAFFIIAA 
 
 
 
 
 
Ortografia (do grego ortographia, escrita correta) é a parte da gramática que trata do emprego correto 
das letras e dos sinais gráficos na língua escrita. Na maioria das vezes, a melhor forma de saber a escrita 
correta das palavras é enriquecendo nosso vocabulário, pois muitas delas não têm regra fácil de ser 
assimilada. O nosso sistema ortográfico atual sofreu pequenas mudanças conforme o Acordo 
Ortográfico da Língua Portuguesa, assinado em Lisboa, em 16 de dezembro de 1990, por Portugal, 
Brasil, Angola, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique e, posteriormente, por 
Timor Leste. No Brasil, o Acordo foi aprovado pelo Decreto Legislativo nº 54, de 18 de abril de 1995. As 
novas regras, que começaram a valer a partir de janeiro de 2009, são um passo importante para a 
unificação da nossa língua. 
 
Unidade 1: O acordo ortográfico 
Desde 1º de janeiro de 2009, estão em vigor no Brasil as regras do novo Acordo Ortográfico da Língua 
Portuguesa. 
Assinado em Lisboa, em 16 de dezembro de 1990, o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa tem o 
objetivo primordial de unificar a ortografia nos países que têm o português como língua oficial. 
Ao fazê-lo, pretende garantir maior status à língua portuguesa no plano internacional, facilitando o 
intercâmbio cultural, comercial e jurídico-institucional entre os países da Comunidade dos Países de 
Língua Portuguesa (CPLP). 
Assim, incrementando o prestígio internacional do português, habilita-o a ingressar no rol dos idiomas 
oficiais utilizados na Organização das Nações Unidas (ONU). 
Tais medidas, entretanto, não têm aplicabilidade imediata. O decreto legislativo assinado pelo 
Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, prevê um período de transição para a aplicação das novas regras: de 
1º de janeiro de 2009 a 31 de dezembro de 2015. 
Escola Superior da Magistratura Tocantinense 
Curso Português: Revisão Gramatical e Redação Oficial 
Profª Maria Ângela Barbosa 
 
 4 
Nesse período, as duas grafias são reconhecidas como oficiais. No entanto, a partir de 1º de janeiro de 
2016, a ortografia oficial vigente será aquela assentada nas bases do Acordo Ortográfico. 
 
Unidade 2: A presença da língua portuguesa no mundo 
Estima-se que mais de 240 milhões de pessoas falem português, o que faz da nossa, a quinta língua mais 
falada no mundo e a terceira no Ocidente. Ainda assim, o português ostentava (ou ostenta) o título de 
ser o único idioma no mundo a ter duas ortografias oficiais, a do Brasil e a de Portugal. 
Países e regiões onde se fala português. 
Ocorre que, do ponto de vista das relações internacionais, a dupla grafia oficial implica flagrantes 
desvantagens ao País, pois dificulta a afirmação do idioma no âmbito das Nações Unidas, bem 
como limita a possibilidade de compartilhamento, entre países lusófonos, de conteúdos no plano 
cultural, comercial e político. 
Com vistas a mudar essa realidade, um dos propósitos fundamentais do Acordo, como vimos, é 
congregar em torno do mesmo sistema ortográfico, todos os Estados signatários (as chamadas partes), a 
saber: Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-
Leste. 
Ressalte-se que as partes, na formulação do Acordo, mesmo buscando o consenso entre as ortografias 
brasileira e portuguesa, optaram, em alguns casos, por manter duas redações oficiais. 
Exercícios 
1. Com relação ao processo de unificação da ortografia da língua portuguesa julgue os itens a 
seguir: 
a) Em 1931 a Academia de Ciências de Lisboa e a Academia Brasileira de Letras assinaram acordo 
para unificar a ortografia dos dois países. 
b) Por meio do Decreto Presidencial nº 6.583, de 29 de setembro de 2008, o Estado brasileiro 
determinou a implementação do Acordo Ortográfico a partir de 1º de janeiro de 2009 e 
estabeleceu o período de transição de 1º de janeiro de 2009 a 31 de dezembro de 2012. 
c) Durante a elaboração do novo acordo ortográfico, o Brasil foi o único país que demonstrou 
interesse em unificar a ortografia. 
2. De acordo com estudado no módulo I, julgue as assertivas abaixo em verdadeiro ou falso: 
a) Durante o período de transição para aplicação das novas regras, serão consideradas 
válidas as duas ortografias. 
b) O Estado brasileiro é o único que tem como idioma oficial o português. 
 
c) O Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa tem o objetivo primordial unificar a 
ortografia dos países que têm o português como língua oficial. 
 
Unidade 3: Como fica o nosso dicionário? 
Do ponto de vista do léxico da língua portuguesa, estima-se que o número de palavras cuja ortografia foi 
alterada com a celebração do Acordo, segundo dados da Academia de Ciências de Lisboa, é de pouco 
mais de duas mil num universo de cerca de 110.000. Com isso, unifica-se a ortografia de 
aproximadamente 98% do total de palavras da língua portuguesa. 
Escola Superior da Magistratura Tocantinense 
Curso Português: Revisão Gramatical e Redação Oficial 
Profª Maria Ângela Barbosa 
 
 5 
No caso brasileiro, calcula-se que as modificações atingiram aproximadamente 0,5% das palavras. Já no 
caso do português de Portugal, a estimativa é de que 1,6% dos vocábulos foi alterado com a entrada em 
vigor do novo Acordo. 
Observamos que, nesse levantamento, não foram contabilizadas, à época, as alterações decorrentes das 
novas regras de uso do hífen, bem como aquelas resultantes da supressão do trema. 
 
Unidade 4: Breve histórico do acordo ortográfico 
Pelo quadro abaixo, pode-se acompanhar, no tempo, como evoluiu o processo de unificação da 
ortografia da língua portuguesa. 
BREVE HISTÓRICO DO ACORDO ORTOGRÁFICO 
1904 
O foneticista Gonçalves Viana (1840-1914) publica, em Lisboa, a maior obra sobre 
ortografia da língua portuguesa, a Ortografia Nacional, que foi adotada pelo governo 
português como oficial em 1911. Nela, o estudioso apresenta proposta de simplificar 
a ortografia: 
• eliminação dos fonemas gregos /th/ (theatro), /ph/ (philosofia), /ch/ (com som de < 
k >, como em chimica), /rh/ (rheumatismo) e /y/ (lyrio); 
• eliminação das consoantes dobradas, com exceção de < rr > e < ss >: ‘cabello’ 
(=cabelo); ‘communicar’ (=comunicar); ‘ecclesiastico’ (=eclesiástico); ‘sâbbado’ 
(=sábado). 
• eliminação das consoantes nulas, quando não influenciam na pronúncia da vogal 
que as precede: ‘licção’ (=lição); ‘dacta’ (=data); ‘posthumo’ (=póstumo); ‘innundar’ 
(=inundar); ‘chrystal’ (=cristal); 
• regularização da acentuação gráfica. 
1907 A partir de uma proposta do jornalista, professor, político e escritor Medeiros e 
Albuquerque, a Academia Brasileira de Letras (ABL) elabora projeto de reformulação 
ortográfica com base nas propostas de Gonçalves Viana. 
1911 Portugal oficializa, com pequenas modificações, o sistema de Gonçalves Viana. 
1915 A ABL aprova a proposta do professor, filólogo