Aula Nota 10 (Parte 1) - Doug Lemov
183 pág.

Aula Nota 10 (Parte 1) - Doug Lemov


DisciplinaPedagogia55.175 materiais490.197 seguidores
Pré-visualização50 páginas
as pessoas a pensar por si mesmas. No entanto, um pouco
de contexto deve deixar claro que todos nós exercemos controle sobre as ações de
outras pessoas e que o fazemos porque essa é a coisa certa a fazer, especialmente
para professores. Em muitos casos, o controle bem-intencionado e esclarecedor é
bom: graças ao controle, um professor pode levar seus alunos a se perguntar o por-
quê e o como de fatos históricos, conseguir torná-los desconfiados de afirmações
não apoiadas em fatos e consistentemente ensiná-los a se esforçar ao máximo, a
aprender valores importantes e a respeitar seus colegas.
Com efeito, minha definição de controle é "a capacidade de levar alguém
a fazer o que você pede, independentemente das consequências". Não implica
falta de subjetividade nas pessoas que fazem o que lhes é pedido. Elas esco-
lhem. Controlar envolve simplesmente pedir de um jeito que aumente a proba-
bilidade de que concordem em fazer o que você pediu. Se você já leu alguma
coisa na emergente área da economia comportamental - o popular e fasci-
nante Nudge (Cutucada), por exemplo, de Cass Sunstein e Richard Thaler -,
reconhecerá que não existem escolhas completamente neutras. Olhar alguém
nos olhos e falar com firmeza é claramente um exercício de controle. Manter
os olhos baixos e usar um tom de súplica não é. Mas não há maneira de pe-
dir alguma coisa que não caia em algum ponto entre esses dois extremos. É
importante notar que, neste capítulo, controle refere-se a uma estreita faixa
de interações comportamentais e sociais dentro da sala de aula, como sentar
quando solicitado a sentar.
O maior paradoxo na questão do controle é que ele vai além de ser um mal
necessário. O_controle, em geral, garante a liberdade. Sei disso como pai. Eu
posso dar liberdade aos meus filhos para correr à minha frente, quando passea-
mos pela calçada, e explorar por conta própria se consegui ensiná-los bem as
Criar uma forte cultura escolar 1 69
regras para atravessar a rua (ou seja,
eu os "disciplinei" para saber parar na Professores que exercem
esquina). Mas, quando se aproximam Um forte controle dão certo
de uma garagem onde um carro está porque entendem O podei da
inesperadamente dando ré e eu peço iinguag\u20acm e das relações: eles
que parem, também preciso ter certeza ,.
pedem com respeito, firmezade que eles vão parar imediatamente,
f ,, A , - f e confiança, mas também
sem falha. Alem de minhas outras fer-
ramentas, também preciso ter controle com CMUdaqe Q, geralmente,
tanto para proteger meus filhos como com delicadeza. Eles expressam
para lhes dar oportunidade de cresci- sua fé nos alunos.
mento - do contrário, não posso ser .
um pai eficaz. Quanto mais poder eu
tiver para exercer um controle responsável, mais liberdade posso dar aos meus
filhos, de preferência uma liberdade realmente relevante.
Professores que exercem um forte controle dão certo porque entendem o
poder da linguagem e das relações: eles pedem com respeito, firmeza e confian-
ça, mas também com civilidade e, geralmente, com delicadeza. Eles expressam
sua fé nos alunos.
Substituem vagos comandos de juízo como "Acalmem-se!" por comandos
específicos e úteis, como "Por favor, voltem a seus lugares e comecem a escre-
ver em seus cadernos". Estas ações denotam clareza, firmeza de propósito,
determinação e cuidado. Se você conseguir levar os alunos a fazer aquilo que
lhe foi delegado, ajudando-os a alcançar o sucesso escolar, você estará fazendo
seu trabalho e também economizando consequências para quando mais preci-
sar delas. Portanto, acostumar-se corn a responsabilidade de exercer controle é
parte da preparação para o sucesso de seu trabalho.
Influência
No mundo ideal, todos os professores conectam-se com seus alunos e os inspi-
ram a desejar para si o que é proposto para o trabalho em classe. Influenciar os
alunos é inspirá-los a acreditar, a querer dar certo e a querer estudar por razões
intrínsecas às tarefas diante deles. É o próximo passo, para além do controle. O
controle leva-os a fazer as coisas que você sugere; a influência leva-os a querer
internalizar as coisas que você sugere. Embora seja menos visível do que fazer
as crianças se comportarem, fazê-los acreditar - querer comportar-se de forma
positiva - é o maior fator de realização e sucesso, porque ocorre quando as
próprias crianças querem e quando é real. Acontece na sua ausência, sem a sua
170 Aula nota 10
gestão direta. A crença, como demonstra a história de toda ideia poderosa, da
democracia à fé, é um motivador poderoso e perene. Se a influência é o proces-
so de instilar crença, maximizá-la deveria ser o objetivo deliberado da cultura
escolar de todo professor.
Engajamento
Professores excelentes oferecem aos alunos muitas oportunidades de dizer "sim",
de se envolver, de mergulhar em um tema. Engajam seus alunos intensamente em
tarefas positivas e produtivas, desviando sua atenção do que é contraproducente
e concentrando suas energias no que é interessante e relevante.
Não importa o que eles estejam pensando, mas o que estão fazendo é po-
sitivo. Isso tem um poderoso efeito colateral. Urna das ideias mais difíceis e
mais perceptivas de Karl Marx é a teoria da infra-superestrutura: a ideia de
que as crenças e valores das pessoas (a "superestrutura" da sociedade) são um
produto da "infraestrutura" fas realidades cotidianas da vida). O que você faz
o dia todo acaba definindo suas crenças, e não vice-versa. Isso se aplica ao
papel cotidiano de seus alunos na escola. São proprietários? Burros de carga?
Servos? Artesãos? Empreendedores felizes? A aparência prosaica de suas inte-
rações diárias define aquilo em que acreditam e o que valorizam em sua vida
escolar, mais do que o contrário. As pessoas agem (ou são levadas a agir) de
certa maneira e, depois, explicam seus atos com ideologia.
Outros críticos sociais defenderam
"ÀS vezes, você tem de mudar de esse mesmo ponto de vista, mas de for-
foro paro dentro!" ma mais sucinta. Por exemplo, no fil-
me Meu Pequeno Paraíso, de 1990, um
ex-mafioso (Steve Martin) ensina um policial comportadinho (Rick Morani)
a encontrar prazer e verve em sua vida diária. Martin empurra Morani para
dentro do provador de uma loja, para experimentar um terno chique que ele
convenceu o outro a comprar, e, enquanto o policial se troca, diz: "Às vezes,
você tem de mudar de fora para dentro!".
É muito comum que as crianças mudem de fora para dentro. Eles se vêem
entusiasmados e começam a se sentir entusiasmados. Eles se vêem concentra-
dos em seu trabalho e começam a pensar que são bons alunos, que são cida-
dãos conscientes e, então, começam a pensar e agir mais de acordo com essas
ideias. Professores excelentes mantêm seus alunos positivamente engajados
não apenas para eliminar as oportunidades para fazer bagunça, mas porque,
depois de um tempo, eles começam a pensar sobre si mesmos como pessoas
positivamente engajadas. É por isso que o engajamento é importante.
'SOSEO sunSjE uig 'Euod Bp opEj OE o3oj ES9UI EU9nb9d Eiun ap SIBU
opuE§9d o BJES ui9 opuejjug SOUUJB só uioo EUBÒ9Úioo~iE9pT Bunoj BUifi
9s soun(B só ojirenbus 9 OEôBpnBS Bp siodsp 'EUIB Bp oò
-9UIOO ou ui9q opnjss tuoq op 3 9pBpiAijnpoJd Ep 'Epugpip Ep ojiqEii o JBUO ap
vpmtud dp vwwtf 'ojuguiepoduioo 9p SBAijEpsdxa 9 srauou 9p
9 E|ES EU SOUH[E SOp EpEJJUO E 31U3UIEJETp3lUT 3p309jd 9t\b '(^
9p 9JU3UI31U9I3JIQ 'OEU HO (9JU9UI|EUOpU91UI 'EUIJOJ 9p 3^ 9) OSSTp BI
-UOO 3p 9S 90OA I9t\ EUTJOJ EUin 3 E1S9 'SEJjnO SE SEpOJ OUIO^ -EJHE 9p BJBS EU
SÓ OIUOO E 3S-3J9J9J JE(OOS9 EJU^UO E EJ9JE 3Rb BUIJOJ EJI9UIIJd y
sp oi^noo oiuauiEpunj o OES anb SBUTJOJ SE 9 sEtugjSTS só 9 Euijdiosip E
9nb 9SEnb EZTJEOOJ ojnjidEO 9iS9p ojsgj o '(^pu9nyui Bi
9 'ospdÀd oi$oj% 'pp Eoiuogj^ B ojuEnbug 'g^ojiuoo ui9
-UOD oiiTiui 9 'opumuoD dp ZOA *8£ ^Díuo?JL B 'ojdui9X9 aod) soidiouud sgssgp sói
-mui no uin 9p opEiJEA osn EÒEJ OJATJ 9JS9U SEOiuogj s^p EUOIEUI B ^aoquig
\u2022opn;s9