A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
311 pág.
ENEM   Banco de Questões   HISTÓRIA

Pré-visualização | Página 18 de 50

cidade de Mans revoltaram-se contra o duque
da Normandia. O bispo fugiu e relatou: “Fizeram então uma associação a que chamam comuna,
uniram-se por um juramento e forçaram os senhores dos campos circundantes a jurar fidelidade
à comuna. Cheios de audácia, começaram a cometer inúmeros crimes. Até queimaram os caste-
los da região durante a Quaresma e, o que é pior, durante a Semana Santa”. (Adaptado de GOFF
J. Le. A Civilização do Ocidente Medieval. Lisboa: Estampa, 1984, vol. 2, p. 57.)
a) Qual é o conflito social que está representado nesse texto?
b) Relacione esse conflito ao renascimento das cidades a partir do século XII.
c) Por que a Igreja costumava se opor à associação das comunas?
HISTÓRIA – A alta e a baixa idade média
IM
PR
IM
IR
Voltar
GA
BA
RI
TO
Avançar
11
32. PUC-DF Observe a ilustração abaixo:
As características arquitetônicas da igreja apresenta nessa figura permitem reconhecê-la
representante do estilo:
a) jônico. d) romântico.
b) gótico. e) moderno.
c) pós-moderno.
33. UnB-DF A passagem do segundo para o terceiro milênio da Era Cristã, como ocorreu
na transição do primeiro para o segundo milênio, é objeto de grande efervescência espi-
ritual e material. Com relação aos aspectos que permitem associar e distinguir as transi-
ções entre os milênios, julgue os itens seguintes; colocando V ou F nas questões.
( ) Os contextos históricos materiais que ambientam as duas transições são substancial-
mente diferentes uma vez que os sistemas produtivos e as formações sociais muda-
ram radicalmente ao longo desse segundo milênio.
( ) o nascimento do segundo milênio ocorreu, na Europa Ocidental, sob o manto de
poderes políticos ainda bastante descentralizados, de economias fortemente agrári-
as, de homens e mulheres tementes a Deus e de sociedades estruturadas em cama-
das pouco móveis.
( ) A emergência do terceiro milênio faz-se sob a égide da globalização planetária, do
fim do Estado nacional, da incorporação de todas as populações mundiais ao cir-
cuito da modernidade e da descrença absoluta nos valores espirituais.
( ) O feudalismo, sistema econômico dominante na Europa na transição do primeiro
para o segundo milênio, ainda subiste no final deste, não como um sistema de
produção dominante, mas sob a forma de resquícios que permanecem em socieda-
des pouco desenvolvidas economicamente nas periferias do processo de globaliza-
ção e em áreas de pouco contato com a modernidade capitalista.
34. UFPB Sobre a transição da Antigüidade para a Idade Média Ocidental (séc. III-VII), é
correto afirmar que se caracterizou pelo encontro cultural entre:
a) o Império Romano em declínio e as comunidades primitivas germânicas em desagre-
gação;
b) o Islão em expansão e os cristãos descontentes com a perseguição do Império Romano;
c) o Cristianismo em ascensão no Império Romano e os budistas hegemônicos no Orien-
te Médio;
d) o Classicismo Ocidental Romano e as correntes localistas pré-históricas dos celtas;
e) os bárbaros romanos e os civilizados eupátridas da Grécia.
35. UFPE Sobre o sistema feudal europeu, é incorreto afirmar que:
a) o feudo constituía sua unidade básica de produção;
b) a economia era baseada no comércio, devido à alta produção de excedentes agrícolas;
c) neste regime, os servos eram obrigados a prestar serviços gratuitos e ceder a maior
parte da produção ao senhor feudal e, em troca, recebiam do senhor feudal proteção
militar;
d) as duas principais camadas sociais eram a dos senhores feudais e a dos servos da gleba;
e) cada feudo representava uma unidade politicamente autônoma.
Fonte: VICENTINO, Cláudio - História Geral. SP, Scipione, 1997.
HISTÓRIA – A alta e a baixa idade média
IM
PR
IM
IR
Voltar
GA
BA
RI
TO
Avançar
12
36. UFR-RJ O modo de Produção Feudal, começou a desestruturar-se a partir do século
XIV, na Europa, por alguns fatores. Dentre estes fatores as Revoltas Camponesas têm
uma importância vital para entendermos a estrutura de dominação que se abatia sobre
estes mesmos camponeses.
a) Explique uma causa das Revoltas Camponesas.
b) Cite outro fator, além das revoltas camponesas, que tenha contribuído para a crise
feudal do século XIV.
37. U. Católica Dom Bosco-MS O feudalismo, sistema socioeconômico e político, adota
na Europa, durante o período medieval, caracterizou-se.
a) pela falta de unidade nacional.
b) pela centralização administrativa.
c) pelo uso da mão-de-obra assalariada.
d) pelo poder absoluto exercido pelo rei.
e) pelo desenvolvimento das atividades mercantis.
38. UFPB Sobre a organização social feudal que se estabeleceu no ocidente europeu, a par-
tir dos séculos X e XI, é correto afirmar que:
a) sua produção era baseada no trabalho escravo, na crença religiosa cristã e nos laços de
fidelidade entre Estado e cidadãos;
b) a economia, a sociedade e a política baseavam-se nas relações de suserania-vassala-
gem dentro do grupo dos senhores, e nas relações de dominação entre senhores e
servos;
c) seu sistema jurídico-político fundamentava-se na propriedade privada da terra e na
dominação dos escravos que produziam a riqueza do Estado e dos senhores;
d) sua economia baseava-se na livre iniciativa, no livre-cambismo, no trabalho assalari-
ado e na democracia direta;
e) a religião pregava o celibato como obrigação, o politeísmo como crença e a ditadura
religiosa no lugar do Estado.
39. UFSE Considere a figura e o texto apresentados abaixo:
“(...) Nessa moradia fortificada (...), o senhor (...) vivia com
sua família, empregados e funcionários que administravam a
sua propriedade.
Pastos, prados, bosques eram usados em comum, mas a ter-
ra arável se dividia em duas partes. Uma, de modo geral a
terça parte do total, pertencia ao senhor e era chamada seus
‘domínios’, a outra ficava em poder dos camponeses que en-
tão, trabalhavam a terra.”
Adaptado de HUBERMAN, Leo. História da Riqueza do Homem.
 Rio de Janeiro: Zahar 1982 p. 119.
A figura e o texto identificam uma unidade de produ-
ção típica:
a) das comunidades primitivas;
b) das sociedades escravistas;
c) do capitalismo contemporâneo;
d) do final da Idade Moderna;
e) da Idade Média feudal.
40. U.F. São Carlos-SP O crescimento populacional na Europa ocidental, a partir do século
XI, implicou dificuldades sociais, devido à
a) mentalidade teocêntrica típica da Idade Média, que condenava o trabalho produtivo.
b) descentralização política feudal, que impedia a livre circulação da mão-de-obra.
c) população exígua das cidades medievais, comprimidas no interior de muralhas.
d) regulamentação das Corporações de Ofício, que proibia a formação de artesãos.
e) baixa produtividade da economia medieval e a sua limitada possibilidade de expansão.
HISTÓRIA – A alta e a baixa idade média
IM
PR
IM
IR
Voltar
GA
BA
RI
TO
Avançar
13
41. UFPR Sobre a Europa no período medieval, é correto afirmar:
( ) Nas regiões de economia agrícola predominava o trabalho livre, enquanto que a
servidão era mais comum nas áreas manufatureiras.
( ) No feudo ou senhorio rural havia comumente três formas de posse da terra: bos-
ques e pastos, constituída de áreas de posse coletiva; reserva ou manso senhorial,
de propriedade do senhor; e manso servil, formada por terras em regime de co-
propriedade (senhor e camponeses).
( ) Com o desenvolvimento do comércio internacional, desapareceu a atividade de
artesão e extinguiram-se as corporações de ofício no século XIII.
( ) Os burgos sempre se organizavam fora dos domínios do senhor feudal, e seus habi-
tantes exerciam atividades agrárias que concorriam com as do domínio senhorial.
( ) O regime de trabalho servil baseava-se, entre outras, nas obrigações devidas pelo
servo de prestar serviços e entregar parte de sua produção ao senhor.
42. UFSC
“A vida das tribos do deserto era muito dura. A produção de um oásis – tâmaras e trigo – era
muito