A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
16 pág.
05.4   Tendência à sobreapreciação da taxa de câmbio

Pré-visualização | Página 1 de 1

Tendência à sobreapreciação da 
taxa de câmbio 
BRESSER-PEREIRA, L. C. A tendência à 
sobreapreciação da taxa de câmbio. São 
Paulo: FGV/EESP, Texto para Discussão 
nº 183, 2009 
Apreciação cambial 
Fonte: Ipeadata, elaboração própria 
1,000
1,500
2,000
2,500
3,000
3,500
4,000
60,0
80,0
100,0
120,0
140,0
160,0
180,0
20
00
.0
1
20
00
.0
5
20
00
.0
9
20
01
.0
1
20
01
.0
5
20
01
.0
9
20
02
.0
1
20
02
.0
5
20
02
.0
9
20
03
.0
1
20
03
.0
5
20
03
.0
9
20
04
.0
1
20
04
.0
5
20
04
.0
9
20
05
.0
1
20
05
.0
5
20
05
.0
9
20
06
.0
1
20
06
.0
5
20
06
.0
9
20
07
.0
1
20
07
.0
5
20
07
.0
9
20
08
.0
1
20
08
.0
5
20
08
.0
9
20
09
.0
1
20
09
.0
5
20
09
.0
9
20
10
.0
1
20
10
.0
5
20
10
.0
9
20
11
.0
1
20
11
.0
5
20
11
.0
9
20
12
.0
1
20
12
.0
5
20
12
.0
9
20
13
.0
1
20
13
.0
5
20
13
.0
9
Taxa de câmbio efetiva real (eixo esquerdo) e taxa de câmbio nominal (eixo 
direito)
taxa de câmbio efetiva real (índice, média 2005 = 100) taxa de câmbio nominal
Fonte: Ipeadata, elaboração própria 
0
0,02
0,04
0,06
0,08
0,1
0,12
0,14
0,16
199419951996199719981999200020012002200320042005200620072008200920102011
Volatilidade (coeficiente de variação) da taxa de câmbio efetiva real no 
Brasil
Fonte: IPEA (2010) Brasil em Desenvolvimento, vol 1, p. 164 
Fonte: IPEA (2010) Brasil em Desenvolvimento, vol 1, p. 165 
Taxa de câmbio e crescimento 
• Recentemente, a política cambial passou a 
constituir objeto de estudo entre os 
economias preocupados com o crescimento 
– Estudos levaram à conclusão de que os padrões 
de crescimento asiático e latino-americano após a 
década de 1990 têm, entre outras diferenças, a 
trajetória da taxa de câmbio 
Taxas de câmbio competitivas X 
desvalorizadas 
• Bresser: 
– Doença holandesa e taxas de lucro e juros 
elevadas nos países em desenvolvimento são 
causa da tendência à apreciação cambial 
– Neutralizar esta tendência é necessário para o 
crescimento econômico dos países de renda 
média 
– A taxa de câmbio resultante não deve ser apenas 
depreciada, mas competitiva 
Relação entre taxa de câmbio e 
crescimento 
• Crescimento depende da taxa de investimento 
e da produtividade do capital 
• Investimento depende da existência de 
oportunidades de lucro 
– Somente uma taxa de câmbio competitiva 
estimulará os investimentos orientados para a 
exportação 
Doença holandesa 
• Natureza estrutural: países exportadores de 
commodities produzem uma taxa de câmbio 
compatível com o equilíbrio da conta 
corrente, mas incompatível com a 
competitividade dos setores de alta 
intensidade tecnológica 
Ingresso de capitais 
• Estratégia de crescimento com “poupança 
externa” 
• Estratégia de sobrevalorização cambial para 
promover estabilidade dos preços 
• “Populismo cambial” 
Populismo cambial 
• O câmbio sobrevalorizado tende a agradar: 
– Aos trabalhadores, porque significa aumento do 
poder de compra do salário; 
– Aos membros do governo, porque satisfaz os 
eleitores; e 
– Aos economistas do governo, porque ajuda a 
manter a inflação sob controle. 
Crises de balanço de pagamentos 
• Tendência à sobrevalorização cambial leva a 
crises periódicas do balanço de pagamentos 
Crises de balanço de pagamentos 
Fonte: Bresser-Pereira (2009: 21) 
Desvalorizar a taxa de câmbio é suficiente para 
solucionar os problemas supra-citados? 
• Taxa de câmbio desvalorizada X taxa de 
câmbio competitiva 
 
• Magnitude da desvalorização necessária à 
obtenção de um câmbio competitivo pode 
induzir a aceleração inflacionária 
Doença holandesa e industrialização 
• A industrialização é necessária? 
– Desenvolvimento como processo de aumento da 
produtividade da indústria 
• Transferência da mão de obra de setores de baixa 
produtividade para setores de alta produtividade 
– Pessimismo das elasticidades (Cepal) 
 
Doença holandesa e industrialização 
– É necessário aumentar as exportações para 
sustentar a demanda agregada? O país não 
poderia sustentá-la administrando o consumo e o 
investimento? 
• Em economias fechadas isto é difícil: inflação 
• Por que abrir mão da demanda externa?

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.