A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
trabalho direito civil.

Pré-visualização | Página 1 de 2

Estudo dirigido dos bens
1 - Explique a diferença entre bens e coisas abordando e esclarecendo acerca da teoria do patrimônio mínimo.
Seguindo a corrente doutrinária adotado pelo Código Civil de Silvio Rodrigues que defende a tese que coisa é gênero e bens é espécie. Bens é tudo aquilo que tem relevância para o direito porque tem valor econômico, agora todo o resto que existe no mundo (exceto os humanos) que não tem interesse para o direito é chamado de coisas. Porém existe uma segunda linha de raciocínio de Orlando Gomes e Caio Mário que define que bem é tudo aquilo que existe no mundo, com exceção das pessoas, coisas são todos os bens que interessam ao direito, pois existem bens que não têm valorização econômica e, portanto, não podem ser considerados coisas. E diante dessa briga surgiu uma terceira corrente doutrinária por Rosa Maria de Andrade que afirma que as expressões são utilizas em mais de um sentido, podendo, portanto, serem tratadas como sinônimos.
Já o patrimônio mínimo que se refere a um dos pilares do ordenamento jurídico: dignidade da pessoa humana, e junto essa tese disse-se que deve assegurar a pessoa o mínimo de direito patrimoniais para que ela viva com dignidade. Compreende-se como fundamento da dignidade humana, o espaço --das coisas que, embora possam se prestar ao uso, ao empréstimo, jamais poderão ser alienadas, porque é fundamental aos preceitos de uma vida digna da pessoa no seio social.
2 - A respeito da classificação dos bens segundo o Direito Civil brasileiro, esclareça as definições de bens móveis, imóveis, fungíveis e infungíveis, abordando suas eventuais subdivisões.__
Bens móveis: São aqueles que podem ser movidos de um local para o outro sem que cause uma destruição do Bem ou do local. são bens suscetíveis de movimento próprio, ou de remoção por força alheia sem alteração da substância ou da destinação econômica social. Ex: carro, bicicleta.
Art. 82. São móveis os bens suscetíveis de movimento próprio, ou de remoção por força alheia, sem alteração da substância ou da destinação econômico-social.
Subdivisões
- Bens imóveis por natureza ou por essência: são bens que podem ser transportados sem qualquer dano. São ditos bens móveis semoventes aqueles que podem ser movidos de um local para outro, por força própria, como por exemplo, os animais; e os bens móveis propriamente ditos são os materiais destinados à construção, enquanto não utilizados, segundo o art. 84, do CC;
- Bens móveis por antecipação: Bens móveis por antecipação são bens imóveis que a vontade humana mobiliza em função da finalidade econômica; ex: árvores, frutos, pedras e metais, aderentes ao imóvel, são imóveis; separados, para fins humanos, tornam-se móveis; ex: são móveis por antecipação árvores convertidas em lenha.
- Bens móveis por determinação legal: Os bens móveis por determinação legal são os direitos reais sobre objetos móveis e as ações correspondentes, os direitos de obrigação e as ações respectivas e os direitos de autor. Estão classificados por força legal no art. 83 de CC, que assim dispõe:
“Art. 83. Consideram-se móveis para os efeitos legais:
I - as energias que tenham valor econômico;
II - os direitos reais sobre objetos móveis e as ações correspondentes;
III - os direitos pessoais de caráter patrimonial e respectivas ações.”
Bens imóveis: Compreende pode ser transportado de um local para o outro sem que haja destruição do local em que se encontra ou do bem. são bens imóveis o solo e tudo que se lhe incorporar naturalmente ou artificialmente. Ex: árvore, casa.
Art. 79. São bens imóveis o solo e tudo quanto se lhe incorporar natural ou artificialmente.
Subdivisões
-Bens imóveis por natureza ou por essência: encontram previsão no art. 79, do Código Civil e como a própria nomenclatura propõe, trata-se de bens formados pelo solo e tudo quanto se lhe incorporar naturalmente. Nesta subclassificação se inclui o solo com sua superfície, o subsolo e o espaço aéreo. Destaca-se que tudo o que se incorpora é dito “imóvel por acessão”, como uma árvore que nasce de maneira natural;
-Bens imóveis por acessão física: “são bens que o homem incorpora permanentemente ao solo” (FIUZA, 2004, p.173) Ex: construções, sementes lançadas à terra.
-Bens imóveis por acessão física intelectual: “são os bens que o proprietário intencionalmente destina e mantém no imóvel para exploração industrial, aformoseamento ou comodidade (art 43, III, do CC-16)” (STOLZE, 2007, p.262). Como visto são bens imóveis por destinação do proprietário, ou seja,  são todos os bens que o proprietário mantiver intencionalmente empregado.
-Bens imóveis por disposição legal: estão previstos no art. 80, do CC e tais bens são tidos como imóveis pela lei, a fim de que recebam melhor proteção jurídica.
Bens fungíveis: São bens móveis que podem ser substituídos por outros da mesma espécie, qualidade e quantidade. EX: AGUA, DINHEIRO.
Bens infungíveis: Ao contrário dos bens fungíveis, são aqueles que não podem ser substituídos por outros em razão de determinadas características individuais especiais e específicas. Ex: relógio que meu avô usou na segunda guerra mundial. 
Bens consumíveis:
a) cujo uso importa na distribuição imediata da própria imediata da substância;
b) os destinados a alienação; 
Bens divisíveis 	
Alteração na sua substância 
Diminuição considerável de valor 
Prejuízo do uso a que se destinam 
Bens indivisíveis: os bens naturalmente divisíveis podem tornar-se indivisíveis por:
Determinação da lei
Vontade das partes
Bens singulares: são os bens que embora reunidos se consideram de per si, independente dos demais. Ex: livro na biblioteca.
Bens coletivo: são os resultantes da união de diferentes objetos, em um só todo, sem que desapareça a condição particular de cada um.
Universalidade de fato
É a pluralidade de bens singulares que, pertinentes à mesma pessoa, tenham destinação unitária, com por exemplo, um rebanho, uma biblioteca, etc. (art. 90 – CC).
Universalidade de direito
É o complexo de relações jurídicas de uma pessoa, dotadas de valor econômico, como por exemplo, a herança, o patrimônio, fundo de comércio, etc.). (GONÇALVES, 2012)
Bens reciprocamente considerados 
Bem principal: existe sobre si mesmo, desenvolve sua função e utilidade independente de outro vem. 
Bem acessório: existe em razão de um bem principal serve para ser utilizado em um bem principal.
3 - Disserte sobre os conceitos clássico e contemporâneo de patrimônio, abordando a classificação dos bens quanto a sua divisibilidade.
Para a doutrina clássica, patrimônio é a representação econômica da pessoa, segundo os ensinamentos de Silvio Rodrigues patrimônio é representado pela quantidade de bens, conversíveis em dinheiro. Assim como afirma que patrimônio é a ‘’expressão do poder jurídico em que toda pessoa está investida como tal’’ já que concluem que o patrimônio foi ligado, primeiramente, à personalidade. 
Já para a doutrina contemporânea, a coesão patrimonial é explicada pelo vinculo objetivo, concluindo-se que patrimônio é o conjunto de bens coesos pela afetação a fim econômico determinado, ou seja, é uma universalidade de direitos, com a destinação que lhe der seu titular. E, na clássica definição de Clóvis Beviláqua: "o complexo das relações jurídicas de uma pessoa, que tiverem valor econômico". 
Por fim cumpre salientar que o patrimônio pode ser ativo ou passivo, respectivamente, direitos e obrigações, líquido ou bruto, o primeiro é o conjunto de créditos deduzidos os débitos e o último somente os créditos sem dedução dos débitos.
De acordo com o disposto no artigo 87 do Novo Código Civil, “bens divisíveis são os que se podem fracionar sem alteração na sua substância, diminuição considerável de valor, ou prejuízo do uso a que se destinam”
A indivisibilidade pode resultar: natural, legal, convencional.
Natural: pela própria natureza do bem. Ex: um animal.
Legal: é aquela que a lei vai dizer que um bem é indivisível. Ex: herança que é considerada indivisível até a partilha entre os herdeiros.