Síndrome paraneoplásica pele.pdf
4 pág.

Síndrome paraneoplásica pele.pdf


DisciplinaOncologia1.819 materiais6.855 seguidores
Pré-visualização1 página
A pele é muito generosa nos caso de neoplasias, mais de 50 condições dermatológicas são
conhecidas como marcadores de malignidade. Os acometimentos podem ser diretos, por
metástases, ou indiretos (causados por fatores inflamatórios, proliferativos ou metabólicos), as
paraneoplasias dermatológicas. Para avaliar a relação causal entre alterações cutâneas e potencial de
malignidade dispomos dos critérios de Curth, sendo essencial 1, 2 e 6: 1, 2, 3
RIVITTI, 2018 (Modificado)
Abaixo temos um quadrinho que relaciona algumas sinais dermatológicas e as neoplasias que mais
comumente a causam:
SILVA & CO, 2013
Destacarei aqui três tipos, todos de pesquisa obrigatória, ao contrário da provável dermatomiosite
do senhor Onofre. A acanthosis nigricans maligna ocorre de forma igualitária em ambos os
sexos e não há predileção racial apenas etária, por volta da quinta década de vida.2, 3 Tem início
súbito atingindo grandes extensões e simétricas (especialmente axilas, fossa cubital,
submamária, e região inguinal), segue atingindo áreas atípicas como interdigitais, articulares,
pálpebras, periorais. As lesões tornam-se levemente infiltradas, com placas hiperqueratóticas
aveludadas. Podem ser acompanhadas de prurido generalizado, pachydermatoglifia adquirida
(acometimento da região palmoplantar) e/ou sinal de Leser-Trélat (queratose seborreica). A
acanthosis nigricans maligna está associada a 90% de todos os cânceres abdominais, nas
neoplasias de pulmão costuma ser mais branda.1, 3
CACCAVALE, 2018
O eritema gyratum repens é raro, mas está entre as mais \u201cclaras\u201d que nós possamos ver entre
estas síndromes paraneoplásicas. É mais comum entre 60 e 70 anos e entre homens. É
disseminado e ondulado, aumenta muito rápido, causa prurido e descamação. Ao contrário da
dermatomiosite costuma poupar mãos, pés e rosto. Nunca, em hipótese alguma, devemos ignorar
um paciente com este quadro, 82% deles estão associados a neoplasia, a maior parte deles
câncer de pulmão.1, 3
SILVA & CO, 2013
Por último, temos o eritema acantolítico migratório que pode ser confundido com os achados do
senhor Onofre a olhos não treinados. É comumente associado a intolerância à glicose e
hiperglucagonemia, devido a um tumor de células alfa pancreáticas. É mais comum em
mulheres após os 45 anos e costuma se adiantar uma média de três anos até a detecção do
tumor. Inicia-se com rash maculopapular rosado, irregular e proeminente em áreas de
contato. Podem ser pruriginosas, dolorosas e associadas a sintomas neuropsiquiátricos, além
disso a perda de peso é muito prevalente. Algumas vezes formam bolhas que rompem e podem
ser complicadas por Staphylococcus aureus.1, 2, 3
SILVA & CO, 2013
Referências:
1. SILVA, Josenilson Antônio da et al. Paraneoplastic Cutaneous Manifestations: Concepts and
Updates. Anais Brasileiros de Dermatologia, Rio de Janeiro, v. 88, n. 01, p. 09-22, 2013.
Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3699944/>. Acesso em: 18 set
2018. (Fator de impacto 0,63 em 2015, semelhante ao Qualis B2).
2. RIVITTI, Evandro A. Dermatologia de Sampaio e Rivitti. 4ª ed. São Paulo: Artes Médicas,
2018. Cap. 81.
3. CACCAVALE, Stefano et al. Obligate and Facultative Paraneoplastic Dermatoses: an Overview.
Dermatology Practical & Conceptual, [S.I.], v. 08, n. 03, p. 191-197, 2018. Disponível em:
<https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6092071/>. Acesso em: 18 set 2018. (Revista não
avaliada com fator de impacto, o que não impede o artigo de ser muito coerente, bem escrito, com
excelente metodologia).