A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
393 pág.
Max Freedom Long   O MILAGRE DA CIENCIA SECRETA

Pré-visualização | Página 1 de 50

�PAGE �
�PAGE �392�
MAX FREEDOM LONG
O MILAGRE DA CIÊNCIA SECRETA
Outros livros de Max Freedom Long
CIÊNCIA SECRETA EM AÇÃO (no prelo)
(Secret Science at Word)
TÍTULO DO ORIGINAL, INGLÊS
“SECRET SCIENCE BEHIND MIRACLES”
COPYRIGHT 1961 DE
MAX FREEDOM LONG
CAPA DE ENG. HENRY R. DOUX
REPRODUÇÃO PARCIAL OU TOTAL SOMENTE
COM PERMISSÃO POR ESCRITO DO EDITOR
DIREITOS PARA A LÍNGUA PORTUGUESA ADQUIRIDOS 
PELO: GRUPO EDITORIAL MONISMO LTDA. 
 PÇA. 22 DE JANEIRO, 531, (CALXA POSTAL 69) 
SÃO VICENTE — EST. SAO PAULO — BRASIL
Índice
10CAPITULO I	�
35CAPITULO II	�
66CAPITULO III	�
87CAPITULO IV	�
105CAPITULO V	�
124CAPITULO VI	�
133CAPITULO VII	�
144CAPITULO VIII	�
162CAPITULO IX	�
171CAPITULO X	�
187CAPITULO XI	�
198CAPITULO XII	�
219CAPITULO XIII	�
237CAPITULO XIV	�
252CAPITULO XV	�
261CAPÍTULO XVI	�
287CAPITULO XVII	�
303CAPITULO XVIII	�
321CAPITULO XIX	�
341CAPITULO XXI	�
349CAPITULO XXII	�
376APÊNDICE	�
�
PREFÁCIO
A literatura mundial possui já muitos livros que falam sobre assuntos espirituais, metafísicos e parapsicológicos, porém até hoje ainda não foi publicado um livro que apresentasse os mistérios ocultos de maneira tão plausível, que não pudesse ser atacado pelos argumentos da ciência moderna.
O tremendo trabalho do autor, Sr. Max Freedom Long, que escreveu este volume "Milagres da Ciência Secreta", foi reconhecido por todos os especialistas do assunto. Seu tratado é considerado como uma verdadeira bíblia da antiga Sabedoria.
A importância dos assuntos apresentados pelo autor não está somente no fato de que ele explicou os credos da religião kahuna, mas, principalmente, porque as suas informações têm aplicação prática no que diz respeito aos antigos Mistérios. A religião kahuna é uma ciência oculta mais velha que todos os segredos da antiga Babilônia e do antigo Egito. A base dos credos dos antigos kahunas era a preponderância do pensamento humano sobre a matéria. Os "segredos" das escolas antigas de filosofia passaram por uma série de deturpações. Primeiro os sacerdotes usaram-nos para fins próprios, pessoais, depois caíram no campo da magia negra. O princípio dos credos dos kahunas consistia em "não fazer mal a ninguém". Protegida por este grande preceito moral, a antiga religião foi de um certo modo preservada até os nossos tempos sem se desviar na direção do mal.
Na ciência dos kahunas inclue-se o conhecimento profundo das leis da natureza e da psicologia humana. Em termos deste conhecimento temos explicado todos os fenômenos da parapsicologia moderna, que constituem grandes enigmas para nossos cientistas modernos.
O Sr. Max Freedom Long, escrevendo este volume, deu uma explicação perfeita de todos os fenômenos da mediunidade e da metafísica, e também como funcionam as leis da natureza em relação ao homem. Neste livro o autor apresenta os métodos que se podem aplicar à vida prática do homem moderno, chegando até ao ponto da possibilidade de mudança do seu próprio destino. O conhecimento deste assunto inspirou ao Sr. Max Freedom Long a organização de uma associação na América do Norte com o objetivo de aplicar os métodos dos kahunas. A associação se chamou "Huna Research Association" e os sócios desta organização existem em quase todos os países do mundo. Seus associados, aplicando as informações incluídas neste volume estão fazendo um trabalho prático com surpreendentes resultados.
Outra organização que está trabalhando com finalidade semelhante àquela é o Núcleo Ubaldiano de Metafísica, organizado no Brasil, com o objetivo de divulgação das obras do Prof. Pietro Ubaldi. Durante as reuniões semanais dos seus associados realizam-se trabalhos práticos para o desenvolvimento da sensibilidade extra-sensorial, da intuição e das forças do pensamento.
A finalidade deste trabalho prático é preparar os sócios desta organização para praticar o bem em favor da humanidade.
Graças aos esforços do Núcleo Ubaldiano de Metafísica, temos a possibilidade de apresentar hoje ao público brasileiro este magnífico trabalho que é um grande passo para compreender que as ciências ocultas não são nem mistérios, nem ritos de alguma magia negra, mas sim o estudo e o conhecimento das leis da natureza que serão a nova base da ciência do Terceiro Milênio.
 CAPITULO I
A descoberta que pode modificar o mundo
Estranhas histórias dos kahunas (guardiães do segredo).
Historia da magia polinésia.
Chegada do homem branco.
Fracasso da magia do homem branco e proibição
Da magia dos kahunas.
Cristianismo versus huna.
Dr. William Tufts Brigham, conservador do “Bishop Museum”.
40 anos de pesquisas por Dr. Brigham e seus resultados.
Três princípios básicos para compreender Huna.
A chave do segredo.
Unihipili e uhane, subconsciente e consciente.
Experiências de William Reginald Stewart na África.
As doze tribos da áfrica ligadas aos polinésios através dos seus ritos.
CAPITULO I
Esta narrativa reporta fatos inerentes a um antigo e secreto sistema de prática de magia, o qual, se pudermos conhecer, como conseguiram os mágicos nativos da Polinésia e da África do Norte, poderá modificar o mundo... desde que a bomba atômica não torne impossíveis todas as demais modificações.
Quando rapaz ainda jovem, fui Batista. Frequentei a Igreja Católica com um amigo de infância, muitas vezes. Mais tarde, estudei Ciência Cristã rapidamente, dei uma olhadela na Teosofia e terminei fazendo um exame de todas as religiões, cujas literaturas estivessem ao meu dispor.
Com esta bagagem de conhecimentos, tendo conseguido graduar-me em Psicologia, cheguei ao Havaí em 1917, e aceitei um emprego para lecionar, porque assim ficaria perto do vulcão Kileauea, que estava em atividade naquele tempo e eu me propunha visitá-lo tantas vezes quantas fossem possíveis.
Depois de uma viagem de três dias num pequeno vapor, fora de Honolulu, finalmente, cheguei à minha escola. Compunha-se esta de três salas e ficava num vale solitário, entre uma plantação de açúcar e um enorme sítio, onde trabalhavam havaianos, mas que era propriedade de um homem branco, o qual vivera a maior parte de sua vida em Havaí.
Os dois professores sob a minha direção eram havaianos e, assim, era natural que em breve começasse, a saber, mais e mais acerca dos seus amigos havaianos. Desde logo comecei a ouvir discretas referências aos mágicos nativos, os "kahunas", ou "donos do Segredo".
Minha curiosidade foi aumentando e passei a querer saber mais. Para minha surpresa, verifiquei que as perguntas não eram recebidas de bom grado. Atrás da vida nativa parecia existir ma região de segredo e atividades privadas, que não eram disponíveis para um estrangeiro curioso. Ademais, aprendi que os "kahunas" haviam sido postos fora da lei desde quando os missionários cristãos se tornaram os legisladores das Ilhas; por isso todas as atividades dos "Kahunas" e seus clientes eram estritamente ocultas, pelo menos quanto aos homens brancos.
As recusas só serviram para estimular meu apetite por este esquisito manjar com sabor de superstição negra, condimentado, porém, e constantemente, para queimar a língua, com o que parecia ser, conforme diziam testemunhas oculares, mesmo impossível, ou absurdo.
Os fantasmas passeavam escandalosamente e não eram apenas fantasmas restritos aos havaianos já mortos. Os deuses inferiores também passeavam e supunha-se que Pele, deusa dos vulcões, visitasse repetidas vezes os nativos, tanto de dia como de noite, disfarçada numa velha exótica, nunca vista naquelas paragens, sempre a pedir tabaco, o que lhe era dado, sem qualquer relutância.
Havia, então, os casos de cura através do uso da magia, as mortes mágicas de pessoas culpadas que feriram seus companheiros, e, o mais estranho para mim, o uso da magia para investigar o