A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
61 pág.
EQO088 2016 01 parte2

Pré-visualização | Página 1 de 23

EQO088 2016/1
Alexandre Leiras 1
Refino de Petróleo
Prof. Alexandre Leiras Gomes
Refino de Petróleo
Prof. Alexandre Leiras Gomes
1
Refino de Petróleo
Prof. Alexandre Leiras Gomes
Refino de Petróleo
Prof. Alexandre Leiras Gomes
2
⇒ O petróleo extraído no campo de produção é chamado
Óleo Cru;
21. NATUREZA DO PETRÓLEO
⇒ Por isso, existem petróleos
marrons, amarelados, verdes e
pretos;
⇒ Dependendo da Rocha-
reservatório de onde foi
extraído, variam o aspecto
visual e a constituição do óleo
cru;
Refino de Petróleo
Prof. Alexandre Leiras Gomes
Refino de Petróleo
Prof. Alexandre Leiras Gomes
3
1
HIdrogênio : H
Valência = 1 Valência = 4
1
2
3
4
Diferentes possibilidades de ligaçãoLigação Simples 
Carbono : C
HIDROCARBONETOS
Refino de Petróleo
Prof. Alexandre Leiras Gomes
Refino de Petróleo
Prof. Alexandre Leiras Gomes
4
CARBONO: Valência 4 & 
diferentes tipos de ligação
HiDROCARBONETOS 
têm diferentes 
tamanhos e formas.
Refino de Petróleo
Prof. Alexandre Leiras Gomes
Refino de Petróleo
Prof. Alexandre Leiras Gomes
5
ligação C – C dupla/tripla ou anel 
benzênico
Ligação C – C simples
SATURADOS NÃO SATURADOS
Parafinas
cadeia linear
Isoparafinas
cadeia ramificada
Naftênicos
Cíclicos
Aromáticos
Cíclicos
Benzénicos
Olefinas
Dupla e/ou tripla 
ligação
Refino de Petróleo
Prof. Alexandre Leiras Gomes
Refino de Petróleo
Prof. Alexandre Leiras Gomes
6
SÓLIDO
Hexadecano C16 C16H34 + 287 °C + 18 °C
C20H42Eicosano C20 + 344 °C + 36 °C
Tricontano C30 C30H62 + 450 °C + 66 °C
GÁS
LÍQUIDO
t°eb d154Fórmula Química t°fusão N
o C
Pentadecano C15 C15H32 + 271 °C 0,766_
Decano C10 C10H22 + 174 °C 0,727
_
Nonano C9 C9H20 + 151 °C 0,722
_
Octano C8 C8H18 + 126 °C 0,707_
Heptano C7 C7H16 + 98 °C 0,688_
Hexano C6 C6H14 + 69 °C 0,664_
Pentano C5 C5H12 + 36 °C 0,631_
Butano C4 C4H10 - 0,5 °C 0,585_
Propano C3 C3H8 - 42 °C 0,505_
Metano C1 C1H4 - 161,5 
°C
_
Etano C2 C2H6 - 89 °C
_
DIS
TR
IBU
IÇÃ
O P
RO
IBI
DA
!
EQO088 2016/1
Alexandre Leiras 2
Refino de Petróleo
Prof. Alexandre Leiras Gomes
Refino de Petróleo
Prof. Alexandre Leiras Gomes
7
⇒ Porém, qualquer petróleo
no seu estado natural é
sempre uma mistura
complexa de diversos tipos de
HC’s com proporções bem
menores de contaminantes.
Então, não se esqueça:
ÓLEO CRU = Hidrocarbonetos + Contaminantes
Refino de Petróleo
Prof. Alexandre Leiras Gomes
Refino de Petróleo
Prof. Alexandre Leiras Gomes
8
 
 
PetróleoPetróleoPetróleo
 
 
HidrocarbonetosHidrocarbonetosHidrocarbonetos Não-HidrocarbonetosNão-HidrocarbonetosNão-Hidrocarbonetos
Asfaltenos & ResinasAsfaltenos & ResinasAsfaltenos & Resinas ContaminantesContaminantesContaminantes
Características Necessárias 
nos Derivados
Características Necessárias 
nos Derivados
Características Necessárias 
nos Derivados
Óleo Combustível 
& Asfaltos
Óleo Combustível 
& Asfaltos
Óleo Combustível 
& Asfaltos
Efeitos Indesejáveis 
Nos Derivados
Efeitos Indesejáveis 
Nos Derivados
Efeitos Indesejáveis 
Nos Derivados
 
 
 
 
 
 
Constituição
 
 
Derivados Leves e 
Médios
Derivados Leves e 
Médios
Derivados Leves e 
Médios
Refino de Petróleo
Prof. Alexandre Leiras Gomes
Refino de Petróleo
Prof. Alexandre Leiras Gomes
9
♦ De acordo com a classificação de Tissot têm-se:
Resinas são compostos poli-aromáticos condensados, de massa molar entre 500 e 1.000 e
tamanho entre 8 a 15 Å;
Asfaltenos são resinas superpostas em até 5 camadas, formando partículas por associação
inter-molecular ou intramolecular, de massa molar entre 1.000 e 10.000 e tamanho 15 a 20 Å.
S = saturados 
AA = aromáticos + resinas + asfaltenos
P = parafinas
N = naftênicos
P > N e P > 40% Parafínicos
P ≤ 40% e N < 40% Parafínico-Naftênico
N > P e N > 40% Naftênicos
P > 10% Aromáticos Intermediários 
P < 10% e N < 25% Aromático Asfáltico 
P < 10% e N > 25% Aromático-Naftênicos 
Concentração em volume no resíduo do óleo cru acima de 210oC 
Tipo
S > 50% AA < 50%
S < 50% AA > 50%
Refino de Petróleo
Prof. Alexandre Leiras Gomes
Refino de Petróleo
Prof. Alexandre Leiras Gomes
10
Tipo de Óleo cru Exemplos
Parafínicos Óleos leves, de alto ponto de fluidez, densidade inferior a 0,85, resinas e asfaltenos 
menor do que 10%, viscosidade baixa. Benzotiofenos raros. Teor de enxofre baixo à 
muito baixo. Petróleos Paleozóicos da África do Norte, Estados Unidos e América do Sul, 
da plataforma continental do Atlântico Sul e alguns óleos da Líbia, Indonésia e Europa 
Central. Nacionais: baianos e grande número de petróleos nordestinos
Parafínico-Naftênicos Teor de resinas e asfaltenos: 5 e 15%. Baixo teor de enxofre. Teor de aromáticos: 25 e 
40%. Moderado teor de diben-zotiofenos. Densidade e a viscosidade maiores do que 
parafínica, mas moderados. Óleos Cretáceos de Alberta, Paleozóico da África do Norte e 
Estados Unidos, Terciários da Indonésia e da África Ocidental. No Brasil, inclue a maioria 
dos óleos da bacia de Campos
Naftênicos Poucos óleos, óleos Cretáceos da América do Sul, alguns da Rússia e do Mar do Norte e 
óleos biodegradados com menos do que 20% de parafinicos. Baixo teor de enxofre. 
Origem: alteração bioquímica de óleos parafínicos e parafínicos-naftênicos
Aromáticos Intermediários Oleos pesados, com 10 a 30% de asfaltenos e resinas. Teor de enxofre maior que 1%. 
Hidrocarbonetos monoaromáticos: baixo, teor de tiofeno e de dibenzotiofenos é 
elevado. Densidade elevada (maior do que 0,85). Óleos Cretáceos do Médio Oriente 
(Arábia Saudita, Qatar, Kuwait, Iraque, Síria e Turquia), outros Cretáceo Superior da 
África Ocidental e alguns óleos da Venezuela, Califórnia e Mediterrâneo (Sicília, Espanha 
e Grécia)Aromático Asfáltico Óleos de biodegradação hidrocarbonetos parafínicos oxidados, formam ácidos. Alto teor 
dos compostos ciclícos . Derivados dos óleos parafínicos e parafínicos-naftênicos. Até 
mais de 25% de resinas e asfaltenos. Teor de enxofre de 0,4 e 1% em peso. Óleos do 
tipo Cretáceo Inferior da África Ocidental
Aromático-Naftênicos Óleos oriundos de biodegradação avançada: condensação e oxidação dos 
monocicloalcanos. Óleos pesados, viscosos. Teor de asfaltenos e resinas: elevado (de 
30 a 60. Teor de enxofre: de 1 a 8% em peso. Óleos não-biodegradados da Venezuela, 
África Ocidental, Canadá Ocidental e do Sul da França
Refino de Petróleo
Prof. Alexandre Leiras Gomes
Refino de Petróleo
Prof. Alexandre Leiras Gomes
11
⇒ Infuência dos hidrocarbonetos nos derivados:
FAMÍLIAS PRODUTOS REQUISITO DE QUALIDADE CARACTERÍSTICAS
QAV Produzir chama clara, sem fuligem e resíduos Menor quantidade de energia necessária 
para a reação
Diesel Entrar em auto-ignição com menor retardo Menor temperatura de auto-ignição
Lubrificantes Garantir existência de película entre as 
partes metálicas a qualquer temperatura
Constância da viscosidade com temperatura
Parafinas Produto sólido cristalino Facilidade e forma de cristalização
Solventes e Nafta 
Petroquímica
Solubilização de substâncias, baixa toxidez e 
carga de processos de transformação
QAV Combustão e facilidade de escoamento
Lubrificantes Lubrificação e facilidade de escoamento
Gasolina Resistência à detonação Alta temperatura de auto-ignição
Solventes Solubilização de substâncias Caráter químico
Asfaltos Permeabilizantes e visco-elásticos Agregados moleculares
Coque Elevado teor de carbono
NAFTÊNICOS
PARAFÍNICOS
Solução entre quantidade e qualidade
AROMÁTICOS
Refino de Petróleo
Prof. Alexandre Leiras Gomes
Refino de Petróleo
Prof. Alexandre Leiras Gomes
12
⇒ Dependendo da constituição do petróleo o mesmo pode
ser, ainda, classificado das seguintes formas:
♦ Densidade -