DIREITO SUBSTANTIVO E DIREITO ADJETIVO
2 pág.

DIREITO SUBSTANTIVO E DIREITO ADJETIVO


DisciplinaIntrodução Estudo do Direito2.691 materiais7.747 seguidores
Pré-visualização1 página
DIREITO SUBSTANTIVO E DIREITO ADJETIVO 
O Direito Substantivo (Material) é o conjunto das regras criadas pelo Estado que normatiza a 
vida em sociedade definindo relações jurídicas, constitui o chamado direito material. O direito 
substantivo (material) é o que define as relações concretas das pessoas em sociedade e as 
submete à sua ação. 
O Direito Adjetivo (Processual) consiste nas regras de direito processual que regulam a 
existência dos processos, bem como o modo destes se iniciarem, se desenvolverem e 
terminarem. 
O direito formal ou "adjetivo" diz respeito à processualística, ou seja, à forma pela qual se 
aplica o direito material. Revela como efetivar, manter, tornar válidos ou recuperar os direitos 
previstos no direito substantivo (material). 
Há autonomia do direito adjetivo (processual) em relação ao direito substantivo (material). 
O direito material (substantivo) define as normas de conduta para a paz na convivência social, 
por isso dita as normas. 
Já o direito processual (adjetivo) visa assegurar o cumprimento das normas, ou seja, se 
preocupa em garantir a obediência das normas de direito material. 
Direito Objetivo e Direito Subjetivo 
O Direito Objetivo é um conjunto de normas que regem o comportamento humano, 
prescrevendo uma sanção (punição) em caso de sua violação. É a regra social obrigatória 
imposta a todos, quer seja sobre a forma de lei ou mesmo sob a forma de um costume, que 
deva ser obedecido, é a norma agendi, reguladora de todas as ações do ser humano, em suas 
múltiplas manifestações e de todas as atividades das instituições políticas, públicas e 
particulares. 
O direito objetivo é composto pelas normas jurídicas, as leis, que devem ser obedecidas 
rigorosamente por todos os seres humanos que vivem na sociedade que adota essas leis. O 
seu descumprimento, dá origem a sanções. 
O Direito Subjetivo é o poder de exigir uma determinada conduta de outrem, conferido pelo 
direito objetivo, pela norma jurídica. É o poder de ação assegurado legalmente a todas as 
pessoas para defesa e proteção de toda e qualquer espécie de bens materiais ou imateriais, do 
qual decorre a faculdade de exigir a prestação ou abstenção de atos, ou o cumprimento da 
obrigação, a que outrem esteja sujeito. 
O Direito subjetivo sempre nasce de um fato, que por estar inserido no ordenamento jurídico. 
Com a ocorrência do fato, a norma, colocada abstratamente no direito objetivo, se materializa, 
dando origem à pretensão. 
Relação entre Direito Positivo e Direito Objetivo 
Direito Objetivo é gênero do qual o direito positivo é espécie, assim como os costumes e, por 
exemplo, cláusulas contratuais entre particulares. 
São normas de direito objetivo positivo: a Constituição, a lei, o decreto, a circular, a portaria e 
outros tantos atos administrativos. 
Entretanto, são normas de direito objetivo: os costumes e as cláusulas de um contrato de 
locação, por exemplo. Embora jurídicas, não são normas de direito positivo, pois não emanam, 
diretamente, do Estado, mas sim da sociedade e da vontade dos particulares contratantes, 
respectivamente. 
O direito positivo é assim denominado porque é o que provém diretamente do Estado. Desse 
modo, todo direito positivo é direito objetivo, mas nem todo direito objetivo é direito positivo.