GESTÃO DAS INFORMAÇÕES ORGANIZACIONAIS
352 pág.

GESTÃO DAS INFORMAÇÕES ORGANIZACIONAIS


DisciplinaGestão das Informações Organizacionais20 materiais190 seguidores
Pré-visualização50 páginas
para se obter uma 
sequencia de preferências numa dada variável. Com esta 
modalidade o investigador pode obter a posição relativa dos itens 
uns em relação aos outros ampliando a qualidade informativa dos 
dados relativamente à escala ordinal simples que apenas nos 
 
mostra a preferência por uma só entre as várias opções 
possíveis. 
 
Quadro 11.4: Exemplo de Escala de ranking forçado 
Fala-se muito de insucesso escolar. De entre as 
causas possíveis abaixo apresentadas escolha as 
que considera mais importantes e ordene-as da 
seguinte forma: 1= mais importante; 2= 
segunda mais importante, 3= terceira mais 
importante e assim sucessivamente. 
____Programas inadequados 
 ____Excessiva exigência por parte dos pais 
 ____Excessiva exigência por parte dos 
professores 
 ____Falta de preparação dos professores 
 ____Indisciplina 
 
 
É muito usada em publicidade para conhecer as preferências 
dos consumidores relativamente a produtos concorrentes, mas 
pode ser usada em investigação educativa em múltiplas situações 
de pesquisa. 
Os inconvenientes associados à utilização desta escala é a 
dificuldade de resposta que exige por parte do inquirido que 
precisa primeiro de analisar cada uma das opções para depois as 
ordenar num gradiente personalizado. Não deve ser usada 
quando os inquiridos são muito jovens 
 
11.1.6-Escala linear numérica 
Sempre que os itens de um questionário avaliam uma única 
dimensão de uma variável que se distribui ao longo de um 
gradiente de intervalos iguais e lineares, a escala numérica com 
extremos etiquetados é o formato que deve ser privilegiado pelo 
investigador por forma a facilitar a análise e interpretação dos 
resultados (Alreck & Settle, 1995, p. 127- 128). 
A simplicidade, clareza, economia e produtividade estão 
entre as maiores vantagens das escalas lineares numéricas. O 
formato é simples e fácil de preencher pelos respondentes que 
não tem dificuldade em perceber o que lhes é pedido. 
 
Quadro 11.5: Exemplo de escala linear numérica 
Que importância atribuiu a cada um dos temas de 
discussão pública abaixo discriminados? 
Se acha que o tópico é muito importante escolha um 
número do extremo direito da escala e coloque-o no 
local assinalado à frente do respectivo item. 
Se pelo contrário considera que o tópico não tem 
para si muita importância escolha um número do 
extremo esquerdo da escala e assinale-o no lugar 
respectivo. Por último, se considera que o tópico tem 
uma importância relativa escolha um dos números 
da zona central da escala de acordo com o grau de 
significância que lhe atribui. 
 
Sem importância Extremamente Importante 
1 2 3 4 5 
 
Proteção das espécies animais em vias de 
extinção\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026 .________ 
Melhoria da qualidade do ar que 
respiramos\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026 .________ 
Descoberta de novas fontes de energia fóssil 
(petróleo) \u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026 ________ 
Investimento público em energias renováveis 
\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026\u2026... ________ 
 
 
As mesmas perguntas e as mesmas instruções podem ser 
usadas para muitos itens ao mesmo tempo. Em termos 
estatísticos o tratamento é simples e o fato da escala ser 
numérica e de intervalos iguais permite que os dados sejam 
tratados como se de uma variável intervalar se tratasse. Em 
termos de limitações, a principal tem a ver com o fato de não se 
aplicar a muitas situações concretas em particular as que 
requerem a comparação direta com um dado especifico ou uma 
avaliação de aspectos relativos a uma dimensão especifica. É 
fundamental nestas escalas que os extremos sejam etiquetados 
com \u201cExtremamente\u201d para que a dimensão seja bem definida e 
que os termos usados sejam opostos bipolares. Também não se 
devem etiquetar os valores intermédios com palavras, apenas 
devem surgir os números com intervalos iguais entre eles (c. f. 
Alreck & Settle, 1995). 
 
11.1.7-Escala tipo trade-off 
O questionário Trade-off força o respondente ou pesquisado 
a fazer escolhas e, desta forma possibilita saber, em condições 
 
conflituosas, o que o respondente valoriza. A planilha trade-off 
requer que o respondente distribua 10 pontos entre duas opções. 
Desta forma é possível obter a preferência de um conjunto de 
respondentes. Observar que a análise do questionário Trade-off, 
é feita por meio da Matriz de Priorização. 
Dada a sua importância, ver maiores informações sobre a 
escala tipo Likert no Apêndice 3. 
 
11.3 - Tipos de variáveis 
As variáveis podem ser classificadas segundo Pereira 
(1999:44), em quantitativas (discretas ou contínuas) e 
qualitativas (categóricas nominais ou categóricas ordinais). Esta 
mesma classificação pode ser estendida aos indicadores. Os 
indicadores quantitativos discretos expressam números inteiros, 
sem frações, como em contagens. Indicadores de: número de 
filhos, idade do funcionário, quantidade de clientes atendidos no 
dia, são exemplo de indicadores quantitativos discretos. Os 
quantitativos contínuos referem-se a variáveis que podem 
assumir valores fracionários, como por exemplo: peso de uma 
peça e tempo de duração de uma chamada telefônica. 
 Os indicadores qualitativos categóricos nominais 
expressam categorias as quais não possuem relação umas com 
as outras. Indicadores de nacionalidade (portuguesa, brasileira, 
chilena etc.) ou de profissão (engenheiro, mecânico, pintor etc.), 
são exemplos de indicadores qualitativos categóricos. Os 
indicadores qualitativos ordinais fazem menção a categorias que 
possuem relação (de ordem) com outras categorias. Por 
exemplo: nível escolar (é possível colocar em determinada 
ordem, como a crescente: analfabeto, primário, secundário etc.), 
ou nível hierárquico (operador, supervisor, gerente, gerente-geral 
etc). 
Indicadores qualitativos podem medir variáveis do tipo: 
comodidade, gentileza, atenciosidade, efetividade, lealdade, 
maleabilidade etc., mas nunca de forma direta. 
 
Níveis de mensuração 
 Há fundamentalmente dois grandes grupos de medidas: 
qualitativas e quantitativas (ver figura 11.2). As qualitativas 
podem ser nominais (quando apenas associadas a nomes), ou 
ordinais (quando indicam direta ou indiretamente certa ordem de 
prevalência); as quantitativas podem ser discretas ou contínuas. 
 
 
 
Quantitativa
Discreta
Contínua
Números inteiros, sem 
frações, como em contagens. 
Exemplos: número de filhos; 
quantidade de alunos numa 
sala; números de peças 
produzidas por uma máquina 
numa hora, etc
Números que podem 
assumir valores fracionários. 
Por exemplo: peso, tempo 
médio de chamadas 
telefônicas em minutos, etc
Qualitativa
Categórica
Nominal
Categórica
Ordinal
Categorias, sendo que cada 
categoria é independente, não 
tendo relação com outras. 
Exemplos: nacionalidade 
(portuguesa, brasileira, 
argentina...); profissão 
(administrador, engenheiro, 
pintor...)
Categorias que possuem 
uma relação com outras 
categorias. Exemplos: nível 
escolar (primário, 
secundário, universitário); 
nível hierárquico (operador; 
supervisor, gerente, diretor); 
classe social (A,B, C...) 
Fonte: Julio Pereira. Análise de dados
Qualitativos. São Paulo: Edusp, 1999
p.44
Quantitativa
Discreta
Contínua
Números inteiros, sem 
frações, como em contagens. 
Exemplos: número de filhos; 
quantidade de alunos numa 
sala; números de peças 
produzidas por uma máquina 
numa hora, etc
Números que podem 
assumir valores fracionários. 
Por exemplo: peso, tempo 
médio de chamadas 
telefônicas em minutos, etc
Qualitativa
Categórica
Nominal
Categórica
Ordinal
Categorias, sendo que cada 
categoria é independente, não 
tendo relação com outras. 
Exemplos: nacionalidade 
(portuguesa, brasileira, 
argentina...);
Carregar mais