ÁGUA NA PECUÁRIA
24 pág.

ÁGUA NA PECUÁRIA


DisciplinaAgua e Meio Ambiente9 materiais104 seguidores
Pré-visualização2 páginas
ÁGUA NA PECUÁRIA
Prof: Marlon C. Hoff
\u2022 Muitos produtores rurais se preocupam com a qualidade das pastagens,
da ração, mas se esquecem da água. O pesquisador da Embrapa Pecuária
Sudeste, Júlio César Pascale Palhares, afirma que a água é o primeiro
alimento do animal, depois vem o pasto ou a ração;
\u2022 A função principal da água é proporcionar o equilíbrio térmico do animal;
\u2022 Por isso, a especialista afirmou que a reposição de água precisa ser
constante, já que ela só não é mais importante do que o oxigênio. A falta
de água pode causar estresse térmico, que é o desequilíbrio da
temperatura corporal, consequente queda na produtividade e até a morte
dos animais;
\u2022 Do mesmo modo que a quantidade é importante, a qualidade também o é.
Se a água do bebedouro estiver imprópria para consumo, o animal não vai
bebê-la até que chegue na situação em que se vê obrigado a ingerir aquela
água para não morrer de desidratação;
\u2022 A falta de tratamento pode provocar doenças causadas por bactérias,
parasitas, vírus e fungos, além de intoxicações por produtos químicos e até
pelas fezes dos próprios animais. Aproximadamente 30 doenças diferentes
podem contaminar as aves através da água, sem contar outras tantas que
podem adoecer o gado, os suínos e outras criações. O uso de água
contaminada pode aumentar bastante o custo com o uso de medicamentos;
\u2022 Para prevenir esse problema, ambos os pesquisadores recomendam o
planejamento de um sistema eficiente de limpeza do piso e dos
comedouros, e principalmente de abastecimento. A água precisa ser
filtrada e tratada com cloro (desinfetante mais comum) e outros
agentes;
\u2022 É o elemento de maior requisição quantitativa para o gado de leite.
Vacas em lactação necessitam de mais água em relação a seu peso vivo
do que as outras categorias de animais, pois o leite contém 87% de
água;
\u2022 Para se ter uma idéia da real importância desse líquido, o corpo do gado
adulto apresenta de 5 a 70% deste elemento, chegando essa
porcentagem a 80 a 85% no animal jovem e até 90% no recémnascido.
Os animais podem perder até 100% de seu tecido adiposo (gordura) e
mais de 50% de sua proteína corporal que eles sobrevivem, mas,
perdendo de 10 a 12% de sua água corporal, eles morrem;
\u2022 A água deve ser limpa, fresca, possuir níveis baixos de sólidos e de
alcalinidade e ser isenta de compostos tóxicos. Uma concentração de
2% de sal (NaCl) na água pode ser considerada tóxica para os bovinos.
Assim, uma fonte abundante de água limpa e de alta qualidade deve ser
prioridade em uma propriedade rural;
\u2022 A água ingerida pelos bovinos tem a função de nutrição do tecido
celular e compensar as perdas ocorridas pelo leite, fezes, urina, saliva,
evaporação (suor e respiração) e também para manter a homeotermia,
regulando a temperatura do corpo e dos órgãos internos;
\u2022 O aumento da temperatura ambiente leva a um incremento no
consumo de água. As perdas de calor corporal pelos suínos e aves é um
processo dificultoso, já que estes não possuem glândulas sudoríparas.
Em clima quente há a necessidade de auxiliar a perda de calor destes
animais através de ambientes adequados e água fresca. Com o aumento
da temperatura estes animais podem dobrar o consumo de água;
\u2022 Considerando-se bovinos de dois anos, a necessidade mínima é de 45
litros/cab/dia ou cerca de 8- 9 litros/100 kg de peso vivo, em condições
de manejo adequado;
\u2022 Nas regiões áridas e semi-áridas, o gado consome, em geral, águas de
qualidade inferior durante vários meses do ano, as quais podem ser
encontradas em poços pequenos, canais, riachos e nascentes, em que,
as de melhor qualidade são utilizadas para irrigação;
\u2022 De vez em quando, as águas contêm altos níveis de sais e provocam
desarranjos fisiológicos e até a morte dos animais.O efeito mais comum
é a falta de apetite que tem origem não apenas em um desequilíbrio no
conteúdo de água nos tecidos mas, também em uma toxidade iônica.O
caso mais comum é o da água com alto teor de Mg, a qual pode
provocar diarréia no gado;
\u2022 Segundo a pesquisadora da Universidade de Santa Catarina, Lídia
Picinin, 8% das doenças dos países em desenvolvimento existem por
conta da baixa qualidade da água. Os níveis de contaminação da água
usada no setor leiteiro também são alarmantes. No Estado catarinense,
100% das propriedades leiteiras estão fora do padrão ideal de pureza,
de acordo com uma pesquisa dela feita este ano. Nem minas, poços
artesianos e nascentes estão livres de impurezas;
\u2022 A falta de água para dessedentação dos animais tem como
consequências a redução do crescimento, do bem-estar e da saúde e o
aumento do estresse, ou seja, resulta em consideráveis impactos
negativos nos fatores zootécnicos e econômicos;
\u2022 O consumo de água é um dos indicadores disponíveis para avaliar o
desempenho zootécnico e sanitário de um rebanho;
\u2022 Ele compreende todas as características que determinam um bom
indicador:
\u2022 É de fácil mensuração;
\u2022 Tem custo reduzido para medição;
\u2022 É de amplo entendimento pelos atores.
\u2022 Monitorá-lo significa dispor de informações valiosas que auxiliarão na
tomada de decisão sobre os aspectos produtivos, econômicos, sociais e
ambientais.
\u2022 Essa informação também auxiliará na adequação legal da propriedade,
pois é essencial para a solicitação de outorga de uso da água pelo
usuário rural;
\u2022 A outorga é um instrumento de gestão dos recursos hídricos utilizado
pelos órgãos federais e estaduais a fim de propiciar o uso múltiplo da
água. É um ato administrativo, de autorização ou concessão, mediante o
qual o Poder Público faculta ao outorgado (usuário) fazer uso da água
por determinado tempo, finalidade e condição expressa no respectivo
ato;
\u2022 Conhecer o consumo de água dos animais e oferecer a eles água com
qualidade;
\u2022 Saber escolher e monitorar as fontes de água mais aptas ao uso
pecuário;
\u2022 Identificar e solucionar as perdas de água em um sistema de produção;
\u2022 Considerar no custo de produção o custo da água;
\u2022 Capacitar a mão de obra em práticas relacionadas ao manejo hídrico da
atividade;
\u2022 Todos são aspectos que devem estar presentes no sistema de produção;
\u2022 O manejo hídrico deve ser entendido como: o uso cotidiano de
conhecimentos e práticas que garantam a oferta de água em
quantidade e qualidade aos rebanhos;
\u2022 A produção não será entendida como exploradora de água, mas sim
como transformadora eficiente e eficaz dessa água em alimento;
\u2022 As funções da água no organismo dos animais são: regular a
temperatura do corpo e auxiliar na digestão dos alimentos e nos
processos de metabolismo da excreção, da reprodução e do
crescimento;
\u2022 A desidratação ou a falta de água será expressa pelos seguintes
sintomas:
\u2022 Pele retraída;
\u2022 Membranas e olhos secos;
\u2022 Perda de peso;
\u2022 Redução do consumo de alimento;
\u2022 Redução de água nas fezes;
\u2022 Redução do volume de urina;
\u2022 Medindo-se o consumo de água de cada segmento e uso da criação
(captação de água, reservatórios, dessedentação dos animais, lavagem
de equipamentos e instalações, etc.), será possível comparar o consumo
da propriedade e dos animais com os valores padrões;
\u2022 Atualmente, a forma mais simples e de baixo custo para medição desses
consumos é pela instalação de hidrômetros;
\u2022 Em uma propriedade rural pode haver várias fontes de água, e todas
são passíveis de uso para dessedentação dos animais e em serviços da
criação;
\u2022 A opção por utilizar uma fonte será determinada pela quantidade e
qualidade da água, pelo risco ambiental e pelo custo de uso (captação e
distribuição);
\u2022 A perda de água pelos animais ocorre pela excreção de urina e fezes,
pela produção de leite e pela transpiração e evaporação