A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
18 pág.
A IMPUGNAÇÃO DOS CRÉDITOS HABILITADOS À LUZ DA LEI 11.101

Pré-visualização | Página 1 de 5

A IMPUGNAÇÃO DOS CRÉDITOS HABILITADOS À LUZ DA LEI 11.101/2005: NATUREZA JURÍDICA E SEU PROCESSAMENTO.
THE IMPUGNATION OF THE CREDITS ENABLED IN THE LIGHT OF LAW 11.101 / 2005: LEGAL NATURE AND PROCESSING.
Turma: D8MB
Amanda Ribeiro Pedro, e-mail: amandaribeiropedro20@gmail.com[2: Acadêmica do curso de Direito da Universidade Vila Velha.]
Carolina de Camargos, e-mail: carolinacamargos93@hotmail.com[3: Acadêmica do curso de Direito da Universidade Vila Velha.]
Fabiana Louzada Lima, e-mail: fabianalouzadacorretora@gmail.com[4: Acadêmica do curso de Direito da Universidade Vila Velha.]
Fernanda Monteiro do Nascimento, e-mail: fevmonteiro@gmail.com[5: Acadêmica do curso de Direito da Universidade Vila Velha.]
Francielen Gomes da Silva, e-mail: francielensilva02@gmail.com[6: Acadêmica do curso de Direito da Universidade Vila Velha.]
Rafaela Natulini Soares, e-mail: rafaela.natulini@hotmail.com[7: Acadêmica do curso de Direito da Universidade Vila Velha.]
RESUMO
O presente artigo tem como objetivo o estudo doutrinário e jurisprudencial do instituto da impugnação de crédito, prevista pela Lei 11.101/2005, como meio adequado para, durante a fase de verificação de créditos no processo falimentar e de recuperação empresarial, pleitear-se habilitações de créditos retardatárias ou se contrapor às informações constantes no quadro geral de credores preliminar. Serão pontuadas as etapas e prazos para a habilitação e verificação de créditos, a legitimidade na proposição das impugnações de crédito e o tratamento conferido às habilitações realizadas fora do prazo previsto legalmente, sendo analisados, precipuamente, o artigo 13 da mencionada Lei, a natureza jurídica e o processamento destas impugnações em relação ao processo de falência ou de recuperação judicial, bem como as consequências práticas da má compreensão do instituto, já que, não obstante a sua importância e ao avanço representado pela Lei de Falência e Recuperação de Empresas, o legislador não foi preciso ao descrevê-lo, deixando em aberto questões frequentes no curso do processo judicial.
PALAVRA-CHAVES: Direito empresarial. Processo falimentar. Recuperação judicial de empresas. Impugnação de crédito. 
ABSTRACT
The purpose of this article is to study the doctrine and jurisprudence of the institute of the credit challenge, provided by Law 11.101 / 2005, as an adequate means to request, during the verification phase of credit in the bankruptcy process and business recovery, delayed credits or to counter the information contained in the general preliminary creditors framework. The stages and deadlines will be punctuated for the accreditation and verification of credits, the legitimacy in proposing the credit challenges and the treatment given to the qualifications held outside the legally established period, being analyzed, mainly, Article 13 of the aforementioned Law, the legal nature and the prosecution of these challenges in relation to bankruptcy or judicial reorganization, as well as the practical consequences of the misunderstanding of the institute, since, despite its importance and the progress represented by the Law on Bankruptcy and Corporate Recovery, the legislator was not necessary in describing it, leaving open questions frequently in the course of the judicial process.
Keywords: Business law. Bankruptcy proceedings. Judicial recovery of companies. Credit litigation.
1 INTRODUÇÃO
As modificações constantes na área empresarial sentidas no ordenamento jurídico brasileiro, bem como os reflexos da globalização e inovação da política econômica, implicam na necessidade de conhecer as variadas etapas no processo de desenvolvimento humano. Observa-se que a atividade econômica sempre foi e continua a ser a matriz das relações fundamentais que determinam a estrutura da política e da área jurídica.
O direito caminha em consonância com a atualidade, sendo assim, inevitavelmente suporta modificações na mesma proporção dos quadros econômicos brasileiro. Desta forma, a lei de Falência busca disciplinar situações econômicas-financeiras do comerciante e suas diversas repercussões. Portanto, o estudo do direito falimentar exige um grande conhecimento jurídico. Nota-se então a problematização da natureza jurídica e o do processamento das impugnações dos créditos habilitados na recuperação judicial, o qual vem sendo processado de forma distinta descrita na lei.
O intuito desta pesquisa é para auxiliar no compreendimento das etapas da habilitação judicial e da verificação dos créditos na falência, quanto na recuperação judicial, verificar as impugnações ao quadro geral dos credores, entender a possibilidade de habilitação retardatárias de créditos de primeira espécie, assim como compreender a problemática do processamento das impugnações de crédito que são utilizadas de maneira errônea.
O artigo proposto tem sua metodologia voltada ao estudo dedutivo, baseando-se em pesquisas bibliográficas e documentais, com que se faz importante para o esclarecimento e fundamentação do trabalho, estudo que parte, necessariamente de um conceito geral sobre as etapas da habilitação e verificação de créditos da Lei de Falências e vai se afunilando ao conceito principal do presente artigo que versa a respeito da natureza jurídica e processamento da impugnação de crédito na falência e recuperação judicial. 
O escritor Fábio Ulhoa realiza grandes considerações sobre a verificação dos créditos relacionando-se com a impugnação na falência e na recuperação judicial em sua obra: Comentários à Lei de Falências e de recuperação de empresas. Assim sendo, observa-se na visão do autor que a impugnação é o instrumento processual adequado para aduzir a pretensão de ingressar no quadro de credores ou verificar a sua classificação quando altera, portanto, nesse sentido, frisa-se a importância do julgador da ação seguir o rito da lei na impugnação e no processamento desta impugnação. 
É importante pôr em evidência, que a impugnação é uma forma de impedir que os créditos fiquem prejudicados ou fora do processo. Ademais, a natureza jurídica não é tratada com clareza na Lei de Falência e pode levar a erros procedimentais, por exemplo, quanto a suspensão do processo principal que o crédito de refere. 
2 ETAPAS DE HABILITAÇÃO E VERIFICAÇÃO DOS CRÉDITOS NA FALÊNCIA E NA RECUPERAÇÃO JUDICIAL 
	A verificação dos créditos tem o intuito de sistematizar toda a documentação pertinente à recuperação judicial ou à falência.
A habilitação é a fase do processo de recuperação judicial ou falência que dá publicidade à situação do devedor por meio do edital. A habilitação se faz presente no dispositivo legal do artigo 7º, parágrafo 1º, da Lei 11.101.
 Art. 7o  A verificação dos créditos será realizada pelo administrador judicial, com base nos livros contábeis e documentos comerciais e fiscais do devedor e nos documentos que lhe forem apresentados pelos credores, podendo contar com o auxílio de profissionais ou empresas especializadas. 
§ 1o Publicado o edital previsto no art. 52, § 1o, ou no parágrafo único do art. 99 desta Lei, os credores terão o prazo de 15 (quinze) dias para apresentar ao administrador judicial suas habilitações ou suas divergências quanto aos créditos relacionados.[8: Lei nº 11.101 de 09 de fevereiro de 2005 (Lei de Falência). Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03_ato2004-2006/2005/lei/l11101.htm>]
A habilitação na Recuperação Judicial tem o prazo de 15 (quinze) dias para os credores apresentarem suas habilitações (se ainda não habilitados) e divergências sobre as informações constantes na verificação feita pelo Administrador Judicial, como consta no artigo 7º, parágrafo 1º da Lei 11.101 e sobre o prazo de 30 (trinta) dias para os credores apresentarem suas objeções, como se faz presente no artigo 55 da Lei de Falência[9: 	  Art. 55. Qualquer credor poderá manifestar ao juiz sua objeção ao plano de recuperação judicial no prazo de 30 (trinta) dias contado da publicação da relação de credores de que trata o § 2o