A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
14 pág.
DIREITO CIVIL - OBRIGAÇÕES - 1BIM - DO CONCEITO A FACULTATIVAS

Pré-visualização | Página 1 de 3

DIREITO CIVIL – OBRIGAÇÕES
RESUMO ELABORADO COM BASE NA DOUTRINA DE CARLOS ROBERTO GONÇALVES E NA DA MARIA HELENA DINIZ
Direito das obrigações -> Tem por objeto determinadas relações jurídicas (direito de crédito ou direito pessoal ou obrigacional) .
APENAS VÍNCULOS DE CONTEÚDO PATRIMONIAL -> CREDOR E DEVEDOR .
DIREITO 
O Direito Obrigacional consiste numa complexo de normas que regem relações jurídicas de ordem PATRIMONIAL, que têm por objeto PRESTAÇÕES de um sujeito em proveito de outro.
- A ação ou omissão do devedor tendo em vista o interesse do credor, tem este último o DIREITO DE EXIGIR O SEU CUMPRIMENTO. -> NÃO se caracteriza como um dever do obrigado, mas como UM DIREITO DO CREDOR.
- Dessa forma, resguarda-se o DIREITO do CREDOR CONTRA O DEVEDOR. - > Se estende a TODAS as atividades de natureza PATRIMONIAL.
CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO DIREITO DAS OBRIGAÇÕES 
-> CREDOR -> sujeito ativo
- DEVEDOR -> sujeito ativo 
-> Impõe ao devedor o dever de prestar, isto é de dar, fazer ou não fazer algo no interesse do credor.
CARACTERES DE MARIA HELENA DINIZ
- São direitos relativos -> uma vez que se dirigem contras pessoas DETERMINADAS, vinculando SUJEITO ATIVO E PASSIVO, não sendo oponíves erga omnes.
- Direitos a uma prestação positiva ou negativa, pois exigem certo comportamento do credor.
* Patrimonialidade: prestação deve ser suscetível de avaliação em dinheiro. Os Direitos pessoais se distinguem dos outros exatamente pela PATRIMONIALIDADE.
*É um dos ramos do direito civil que menos se torna sensível as mutações 
DIREITOS OBRIGACIONAIS E DIREITOS REAIS 
O Direito Real é aquele que afeta a COISA direta e imediatamente, sob todos ou sob certos aspectos, e a seguem em poder de quem quer que a detenha.
O direito pessoal é o direito contra determinada pessoal -> consiste num vínculo jurídico pela qual o sujeito ativo pode exigir do sujeito passivo determinada prestação.
ELEMENTOS: SUJEITO ATIVO, SUJEITO PASSIVO E PRESTAÇÃO
PRINCIPAIS DISTINÇÕES ENTRE DIREITOS OBRIGACIONAIS E DIREITOS REIAS
Quanto ao objeto:
D.O : cumprimento de determinada prestação D.R: Incidem sobre uma coisa
Quanto ao sujeito:
DO: Sujeito passivo determinado ou determinável DR: Indeterminado, são todas as pessoas do universo.
Quanto a duração:
DO: São transitórios e se extinguem pelo cumprimento DR: São perpétuos
Quanto a formação:
DO: Resultado da vontade das partes DR: Criados por lei
Quanto ao exercício:
DO: Exigem uma figura intermediária que é o devedor DR: Não necessita de sujeito passivo.
Quanto a ação
DO: Somente contra quem figura o sujeito passivo DR: Contra quem quer que detenha a coisa.
Compra e venda -> direito obrigacional que tem como escopo o direito real.
FIGURAS HÍBRIDAS: PROPTER REM, ÔNUS REAIS E OBRIGAÇÕES COM EFICÁCIA REAL
OBRIGAÇÕES PROPTER REM -> é aquela que recai sobre uma pessoa, por força de determinado direito real. São obrigações atreladas a direitos reais, mas com eles NÃO se confudem, em sua estruturação. Enquanto estes representam direito sobre a coisa, essas obrigações são concebidas por causa da coisa ou advindo da coisa.
EX: Proprietário e inquilino -> obrigação imposta -> de não prejudicarem a segurança, o sossego e a saúde dos vizinhos.
DEVER DE PRESTAR É VINCULADO A QUEM TEM O DIREITO SOBRE A COISA.
Ex: Na obrigação quem tem o dono da coisa perdida, indeniza e recompensa o descobridor. 
Obrigações propter rem -> são transmitidas através de negócios jurídico.
- Não se confunde com nenhum modo do direito que possa ser acessório, não se confunde com as servidões prediais que são direito real, entretanto principal. 
=> PROPTER REM É ACESSÓRIA DO DIREITO REAL.
-> Situa-se em terreno fronteiriço entre os direitos reais e os direitos pessoais – DIREITO MISTO.
TEM CARACTERÍSTICAS DE DIREITO OBRIGACIONAL, POR RECAIR SOBRE UMA PESSOA QUE FICA ADSTRITA A SATISFAZER UMA PRESTAÇÃO E DE DIREITO REAL, POS VINCULA SEMPRE O TITULAR DA COISA.
ÔNUS REAIS
São obrigações que limitam o uso e o gozo da propriedade construindo direitos oponíveis erga omnes, como por exemplo a renda constituída sobre a coisa. Aderem e acompanha a coisa, por isso quem deve é A COISA e NÃO a pessoa.
Para que haja ônus real -> é essencial que o titular da coisa seja realmente devedor, sujeito passivo de uma obrigação e não apenas proprietário ou possuidor de determinado bem que assegura o cumprimento da dívida alheia.
ÔNUS REAL X PROPTER REM
OR: a responsabilidade pelo ônus é limitada ao bem onerado, não respondendo o proprietário além dos limites do respectivo valor. PR: responde o devedor com todos os seus bens
OR: desaparecem ao perecer o objeto PR: podem permanecer, mesmo havendo o perecimento da coisa
OR: prestação positiva PR: prestação negativa
OBRIGAÇÕES COM EFICÁCIAL REAL
São as que sem perder seu caráter de direito a uma prestação, transmitem-se e são oponíveis a terceiro que adquira o direito sobre determinado bem. Certos contratos, por força de lei, alcançam a dimensão de direito real. Ex: A locação pode ser oposta ao adquirente da coisa, se constar no registro.
NOÇÕES GERAIS DAS OBRIGAÇÕES
ELEMENTOS CONSTITUITOVS DA OBRIGAÇÃO = subjetivo (sujeitos da relação) + objetivo ou material (prestação) + vinculo jurídico ou elemento imaterial
- Sujeitos da relação obrigacional:
Um sujeito ativo ou credor e um sujeito ativo ou devedor. O sujeito ativo é o credor da obrigação, aquele que em favor de quem o devedor prometeu determinada prestação. Tem ele, como titular daquele, o DIREITO DE EXIGIR O CUMPRIMENTO DESTE. A obrigação pode ser dada tanto por pessoa jurídica quanto física.
O sujeito pode ser DETERMINADO ou DETERMINÁVEL (determinado no cumprimento).
Extingue-se a obrigação, desde que na mesma pessoa se confundam as qualidades de credor e devedor (CC, art 381).
- Objeto da relação:
É sempre uma CONDUTA ou ATO humano: DAR, FAZER OU NÃO FAZER E SE CHAMA PRESTAÇÃO que pode ser positiva ou negativa. É ação ou omissão que o devedor fica adstrito e que o credor tem o direito de exigir.
 Obrigação assumida pelo devedor: DE DAR ( coisa certa ou incerta, consistindo em entregar ou restituir), DE FAZER (fungível ou infungível) e de NÃO FAZER.
Objeto da relação = é o objeto IMEDIATO
Objeto MEDIATO -> é a própria coisa na de dar -> dar a coisa e a de fazer -> realizar o serviço.
A prestação ou objeto imediato deve obdecer a certos requisitos para que se constitua validamente
Objeto lícito, possível e determinado ou determinável.
Admite-se assim a venda de coisa incerta INDICADA AO MENOS PELO GÊNERO E PELA QUANTIDADE (CC, art 243) que será determinado pela ESCOLHA, bem como a venda alternativa, cuja a determinação cessa com a concentração (CC, art 252.)
As obrigações SEM fundo patrimonial SÃO EXCLUÍDAS do direito das obrigações
O interesse do credor pode ser apatrimonial, MAS A PRESTAÇÃO DEVE SER SUSCETÍVEL A AVALIAÇÃO EM DINHEIRO.
- Em princípio, a responsabilidade do devedor confere a todo o seu patrimônio, entretanto a lei exclui a execução de alguns bens considerados impenhoráveis, é O QUE ACONTECE COM A RESIDÊNCIA DE FAMÍLIA.
-> A patrimonialidade tem sido considerada a ESSÊNCIA da prestação, mesmo quando corresponda a interesse moral. Ex: reparação de danos. O DIREITO DE AÇÃO POR DANO MORAL É DE NATURAL PATRIMONIAL e como tal, TRANSMITE-SE AOS SUCESSORES DA VÍTIMA.
- VINCULOS JURÍDICO DA RELAÇÃO OBRIGACIONAL.
Vinculo jurídico da relação obrigacional é o liame existente entre o sujeito ativo e o sujeito passivo.
Compõem-se de: 
Um componente prevalece -> o poder conferido ao credor de exigir a prestação como o correlativo dever de prestar imposto ao devedor 
Fontes das obrigações -> causa ou origem -> fatos jurídicos que dão origem aos vínculos obrigacionais -> condicionam o aparecimento das obrigações 
OBRIGAÇÃO X RESPONSABILIDADE
Contraída a obrigação, duas situações