A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
Tipos de Insulina

Pré-visualização | Página 1 de 1

*Insulina NPH: É uma insulina de ação basal. Começa a agir horas após a aplicação e tem pico de ação em cerca de 8 a 10 horas após sua aplicação. É usada para controlar a glicemia nos períodos em que não estamos nos alimentando (basal).
*Insulina Regular: É uma insulina de ação rápida, que age controlando a glicemia pós-prandial. Como tem um pico de ação um pouco retardado, deve ser injetado, no mínimo, meia hora antes das refeições. Seu pico de ação ocorre, aproximadamente 3 horas após sua aplicação.
*Insulina Asparte: É um análogo da insulina que tem ação ultra-rápida, com inicio de ação e pico de concentração rápida, cerca de 1 hora após a aplicação. Portanto pode ser aplicada imediatamente antes ou imediatamente após as refeições. Insulina Bifásica: Trata-se de uma insulina que tem dois componentes em sua formula: um de ação intermediário N (70%) do total e outro de ação ultra-rápida (30% restante). Portanto quando se aplicam, por exemplo 10 UI dessa insulina, na verdade estão sendo administradas 7UI de insulina N e 3UI de insulina Asparte. Traz, portanto maior conveniência, pois não é necessário que se prepare a mistura antes da administração.
*Insulina Detemir: Detemir é uma insulina de longa duração, com mecanismo de ação para reduzir os níveis de glicose no sangue com mais previsibilidade que as demais insulinas basais.
BIOHULIN é uma insulina humana altamente purificada com um grau de pureza equivalente a menos de 1 ppm (partes por milhão) de pró-insulina. A insulina é um hormônio produzido pelas células beta do pâncreas. Sua ausência ou deficiência no organismo, quando não tratada, manifesta-se sob a forma de diabetes. Para suprir essa falta, o medicamento essencial para tratar a doença é a insulina artificial, que pode ser produzida industrialmente a partir do pâncreas suíno ou de microorganismos modificados geneticamente, como é o caso da E. coli. 
A técnica consiste em introduzir na bactéria o gene da pró-insulina humana, precursor da insulina ativa, de forma que esta passe a produzir o hormônio em grandes quantidades. A etapa seguinte do processo é a produção da insulina em escala industrial, em que o precursor é fermentado, processado e purificado para a obtenção da insulina recombinante ativa. Após esse processo, ele se transforma em insulina humana por meio de reações enzimáticas, 
Nesse estágio, usam-se técnicas cromatográficas para purificar novamente o hormônio. Ao final dessas etapas, o produto está adequado para o consumo e sem alterações sensíveis para o usuário.