A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
48 pág.
Responsabilidade Civil   Exerícios   2018

Pré-visualização | Página 1 de 15

Prezado (a) Aluno(a),
Você fará agora seu TESTE DE CONHECIMENTO! Lembre-se que este exercício é opcional, mas não valerá ponto 
para sua avaliação. O mesmo será composto de questões de múltipla escolha.
Após responde cada questão, você terá acesso ao gabarito comentado e/ou à explicação da mesma. Aproveite para 
se familiarizar com este modelo de questões que será usado na sua AV e AVS.
1.
Faltaram todos os elementos que configuram a responsabilidade civil, como por exemplo, a conduta humana, 
não ficando configurada a responsabilidade civil.
Faltou um dos elementos da responsabilidade civil, qual seja, a conduta humana, não ficando configurada a 
responsabilidade civil.
Houve responsabilidade civil, devendo João ser considerado culpado por sua conduta.
Houve rompimento do nexo de causalidade, em razão da conduta da vítima, não restando configurada a 
responsabilidade civil.
Inexistiu um dos requisitos essenciais para caracterizar a responsabilidade civil: o dano indenizável e, por isso, 
não deve ser responsabilizado.
Explicação:
 Para a configuração da responsabilidade civil é necessário que estejam presentes alguns pressupostos. Sobre os
mencionados pressupostos, Sergio Cavalieri Filho (2015, p. 70) entende que ¿a responsabilidade civil requer a
existência de uma conduta culposa, nexo causal e um dano, dispensando o elemento culpa quando se tratar de
responsabilidade objetiva¿.
O nexo causal entre a conduta do ofensor e o dano sofrido pela vítima demonstra que o ofensor somente será
responsabilizado pelo dano causado se a sua conduta realmente for a causa da lesão sofrida. Nesse sentido, Maria
Helena Diniz (2012, p. 129) afirma: O vínculo entre o prejuízo e a ação designa-se ¿nexo causal¿, de modo que o fato
lesivo deverá ser oriundo da ação, diretamente ou como sua consequência previsível. Tal nexo representa, portanto,
uma relação necessária entre o evento danoso e a ação que o produziu, de tal sorte que esta é considerada como sua
causa.
O liame de causalidade pode ser afastado pela ocorrência de caso fortuito, força maior, fato exclusivo da vítima ou de
terceiro, os quais afastam a responsabilização.
2.
(OAB/VIII Exame Unificado/2012) - João dirigia seu veículo respeitando todas as normas de
trânsito, com velocidade inferior à permitida para o local, quando um bêbado atravessou a rua,
sem observar as condições de tráfego. João não teve condições de frear o veículo ou desviar se‐
dele, atingindo o e causando lhe graves ferimentos.‐ ‐
A partir do caso apresentado, assinale a afirmativa correta.
Dano de forma típica.
Dano de forma atípica.
Ato ilícito.
Nexo Causal atípico.
Nexo Causal.
Explicação:
Ato ilícito
É a conduta necessária para termos o início da possibilidade da
responsabilização jurídica de alguém que comete ato que violente o
direito de outrem de não ter violado o direito à incolumidade. Sua
expressa previsão está nos artigos 186 e 187 da Lei 10.406 de
2002: Título III - Dos Atos Ilícitos:
Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou
imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que
exclusivamente moral, comete ato ilícito.
Art. 187. Também comete ato ilícito o titular de um direito que, ao
exercê-lo, excede manifestamente os limites impostos pelo seu fim
econômico ou social, pela boa-fé ou pelos bons costumes.
3.
a)ação ou omissão voluntária
d) culpa.
e) ato ilícito.
A história da humanidade foi permeada por conflitos, tendo como ponto
de partida a convivência em sociedade. Das relações humanas surgem
atos, que podem produzir significativos efeitos no mundo, na sociedade e
na vida das pessoas. Quando um fato causa um dano a terceiro, por
regra, deve ser reparado. Assim, existem elementos que devem estar
presentes e que configure um dano que, de fato, deve ser reparado. Um
destes elementos é o que manifesta a conduta necessária para termos o
início da responsabilidade jurídica de alguém que comete ato que violente
o direito de outrem. A este elemento a legislação descreve como:
Suprime-se o seguinte elemento, em casos de responsabilidade civil objetiva:
c) dano
b)nexo de causalidade
Explicação: Na responsabilidade objetiva deve-se provar a conduta (ação ou omissão), o dano e o nexo causal entre a 
conduta e o dano. Exclui-se, portanto, a culpa (que é elemento essencial para a responsabilidade subjetiva). art. 927, 
parágrafo único, CC: Haverá obrigação de reparar o dano, independentementede culpa, nos casos especificados em lei, 
ou quando a atividade normalmente desenvolvida pelo autor do dano implicar, por sua natureza, risco para os direitos 
de outrem.
4.
n.d.a.
será ela sempre decorrente da violação de uma obrigação em razão de termos adotado o método alemão;
que nem sempre é decorrência de uma violação da obrigação já que é possível se falar em responsabilidade sem 
obrigação pré existente;
obrigação e responsabilidade são expressões sinônimas;
a responsabilidade é um antecedente lógico da obrigação;
Explicação: Sobre a diferença entre obrigação e responsabilidade.
5.
contagem do prazo prescricional ficou suspensa durante a constância da sociedade conjugal 
e voltará a correr com o divórcio do casal.
 
pretensão da moça prescreverá em 2018, já que o seu casamento interrompeu a
contagem do prazo prescricional.
pretensão da moça à reparação prescreverá três anos após o divórcio, por força de causa 
impeditiva. 
Com relação à responsabilidade é possível se afirmar:
Aplicada em: 2018 Banca: CESGRANRIO Órgão: Petrobras Prova: Advogado Júnior
 
Em 2013, ao atravessar o cruzamento com o sinal vermelho, uma moça foi 
atropelada acidentalmente por um motociclista. Diante da gravidade dos 
ferimentos, a moça só se recuperou integralmente em 2014. Durante esse 
período, os dois iniciaram um relacionamento e, em 2015, casaram-se. Em 
2017, o casamento chega ao fim. A moça, então, decide ingressar com ação 
indenizatória para obter a reparação dos danos sofridos no acidente.
 
Com base na situação narrada, de acordo com o Código Civil de 2002, a
pretensão da moça à reparação civil prescreverá três anos após o divórcio, já que a 
ocorrência de causa interruptiva faz recomeçar a contagem do prazo prescricional.
pretensão da moça à reparação civil frente ao rapaz prescreveu três anos após o acidente.
Explicação:
CC Art. 197. Não corre a prescrição:
I - entre os cônjuges, na constância da sociedade conjugal;
6.
Nexo causal
Fato de terceiro
Culpa
Ato ilícito
Dano
Explicação:
São elementos da responsabiliodade civil: conduta (ação ou omissão), nexo causal e dano. Como estamos diante da 
responsabilidade civil subjetiva a culpa também deve ser analisada.
É importante destacar que a culpa em sentido amplo é aquela que abrange o dolo e a culpa em sentido estrito.
O fato de terceiro é uma excludente de nexo causal.
7.
se a vítima tiver concorrido culposamente para o evento danoso, o juiz poderá reduzir o valor da indenização.
no caso de lesão ou outra ofensa à saúde, o ofensor indenizará o ofendido das despesas do tratamento e dos 
lucros cessantes, até ao fim da convalescença, excluídos os demais prejuízos que tenha sofrido.
se da ofensa resultar defeito pelo qual o ofendido não possa exercer seu ofício ou profissão, ou se lhe diminua a 
capacidade de trabalho, a indenização, além das despesas do tratamento e lucros cessantes, incluirá pensão 
correspondente à importância do trabalho para que se inabilitou, a qual deverá, necessariamente, ser paga 
mensal e periodicamente.
o grau de culpa jamais interfere no valor da indenização.
no caso de homicídio, a indenização consiste, sem excluir outras reparações, na prestação de alimentos às 
pessoas a quem o morto os devia,

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.