Abordagens   Psicologia   PDTA   UNIP
11 pág.

Abordagens Psicologia PDTA UNIP

Disciplina:Psic Desenv e Teo de Aprendiz5 materiais6 seguidores
Pré-visualização2 páginas
UNIVERSIDADE PAULISTA- UNIP
CURSO DE PEDAGOGIA

A ESCOLA QUE SEMPRE SONHEI SEM IMAGINAR QUE PUDESSE EXISTIR

Trabalho apresentado a disciplina de Psicologia do Desenvolvimento Teorias da Aprendizagem pela orientação da professora Suzy Xavier.

Pinheiros/ SP
2018
1. INTRODUÇÃO

São objetivos deste trabalho abordar os métodos de ensino-aprendizagem pregados respectivamente nas abordagens Construtivismo, Sistêmica, Sócio Cultural, Inteligência Emocional e inteligências, interligando-as analiticamente com o livro “ A Escola que Sempre Sonhei sem Imaginar que Pudesse Existir”, escrito por Rubem Alves. O livro descreve sobre a Escola da Ponte, em Portugal, uma escola dos sonhos na qual a palavra chave é a união, onde não há desigualdades, na qual alunos decidem o querem aprender, e quando o aprendiz esgota suas possibilidades de entender algum assunto, escreve seu nome em uma lista, que posteriormente o professor organiza grupos de estudos para sanar as dúvidas daquele determinado assunto. Nessa escola alunos e professores convivem como amigos, a aprendizagem é um ato de colaboração mútua, aprende-se a ter autonomia.

2. ABORDAGEM CONSTRUTIVISTA

 O criador do construtivismo foi Piaget, essa abordagem é classificada como Pedagogia Relacional, para Piaget as crianças são as próprias construtoras ativas do conhecimento, sendo o conhecimento o resultado da dialética da interação entre o sujeito (aluno) e o objeto (professor) A P, uma epistemologia interativista, onde conhecimento não é pré-determinado, o individuo não nasce com ele, também não é empírico, onde se dá somente pela experiência, sendo uma relação de atividade e cooperação no qual o eixo central é educação como espaço de construção da autonomia, é possível identificar algumas características dessa abordagem no livro.
 A Escola da Ponte proporciona aos alunos a partir das experiências vividas um ambiente que podem construir espontaneamente o conhecimento, sem regras levando sempre em consideração o estado cognitivo do aluno, sendo o professor um facilitador da aprendizagem, no qual trabalha com o conhecimento que o aluno já possui.
É notável que a Escola da Ponte tem como principio não pressionar os estudantes, sendo o professor um facilitador como na abordagem construtivista sendo um processo natural e no tempo de cada criança, com isso desenvolvendo diversas funções como: falar, raciocinar, resolver situações –problemas, memorizar, entre outras.
Cada estudante é reconhecido como um ser singular, ou seja, único entendendo que o papel do docente, da comunidade escolar, e dos estudantes é que cada um se descubra, a partir da interação com o próximo, e essa descoberta proporciona e motiva o desejo de aprender.

2.1 ABORDAGEM SISTÊMICA

A abordagem sistêmica é um conceito utilizado para se referir aos diferentes segmentos sociais em que o sujeito encontra-se inserido: educação, família e sociedade. De acordo com Del Prette, o enfoque sistêmico “é hoje amplamente reconhecido como parte dos novos paradigmas culturais que buscam uma visão integrada do homem e seu contexto”.
Para uma análise sistema no caso da educação, ensino e aprendizagem é imprescindível levar em consideração as características do aluno e do professor, o contexto imediato e a condições de ensino.
A pedagogia sistêmica vem com o intuito de fortalecer o vínculo entre professor, aluno e família, provendo assim, a aprendizagem dos alunos mediante a um trabalho conjunto.
A Escola da Ponte é um exemplo peculiar em que percebemos que ensinar é muito mais amplo que transmitir conhecimento ao aluno passivo, pois nessa escola os alunos são motivados pelos gestos e interesse de forma a tornar mais fácil um aprimoramento em diversos aspectos importantes para um aluno como a inteligência, a criatividade e habilidades sociais, possibilitando um melhor desenvolvimento como cidadãos.
O aluno além de estar na escola está também na família, a qual pertence a uma comunidade, tendo uma cultura própria. Nesse sentido, para um professor intervir sobre algum problema se faz necessário ele pensar no aluno como um todo, o professor na Escola da Ponte tem uma visão ampliada de mundo, para que assim possa atingir os objetivos.
O processo de ensino-aprendizagem nessa escola obtém êxito, pois o ambiente proporcionando por ela permite um desenvolvimento das relações interpessoais tanto aluno-professor quando aluno-aluno. Outro ponto importante são as regras da escola que permitem manter a ordem e uma continuidade desse processo interrupções e problemas.
Apesar de o sistema ser dinâmico e estar sempre em constante evolução, a Escola da Ponte lida bem com a manutenção desse sistema, pois ajuda mútua combinada às regras da política educacional dessa escola permitindo facilmente um contorno pelos desequilíbrios, possibilitando uma recuperação do equilíbrio essencial para o bom funcionamento de um sistema.

2.3 ABORDAGEM SÓCIO CULTURAL

O nome mais representativo dessa abordagem é o do Paulo Freire, o mesmo dizia que deveríamos analisar as pessoas dentro de suas circunstâncias e culturas, focando o indivíduo como um ser crítico.
Após a segunda guerra mundial, surgiu uma preocupação com a cultura popular, por conta de entidades como a igreja que descriminava o conhecimento á população.
Segundo essa abordagem as pessoas devem procurar ampliar seus pensamentos e conhecimentos, buscando um saber além do que já se sabe.
Este aprendizado pode se dar através da interação com outras pessoas, em relações como: professor-aluno e vice-versa, a qual denominamos de pedagogia relacional.
O autor do livro estudado teve a oportunidade de conhecer uma escola em Portugal chamada Escola da Ponte, está escola possui um método de ensino que visa fazer com que os alunos aprendam o que gostam, algo lhes interessa.
 	São criados pequenos grupos de alunos com um tema comum de interesse, e um orientador fica responsável por auxilia-los, durante um determinado período estes alunos se aprofundam no tema, buscando diversas fontes de conhecimento. Após esse período ocorre uma reunião para que eles discutam o que foi aprendido.
 	A abordagem sócio cultural defende justamente esta linha de pensamento, que procura conhecer o que se deseja, e sempre conhecer por inteiro o conteúdo desejado. Podendo se trabalhar em grupos assim como na Escola da Ponte.
Essa abordagem objetiva sempre motiva o aluno a se tornar um ser pensante e crítico, livre para se desenvolver.

2.4 ABORDAGEM INTELIGÊNCIA EMOCIONAL

Daniel Golerman, psicólogo, escritor e jornalista norte-americano, produziu e defendeu um dos campos de estudo do comportamento, e atribuiu a esse estudo o nome de Inteligência Emocional. Tal teoria apresenta cinco elementos primordiais que precisam ser aperfeiçoados para o desenvolvimento de uma mente “emocionalmente inteligente”, sendo elas, motivação, empatia, habilidade social, autoconhecimento, etc. Os elementos citados acima se destinam a estimulação do indivíduo e servem de sustentação para a auto convivência como também para a interação dentro da comunidade e da sociedade.
Por meio da Escola da Ponte pode ser observada a viabilidade de trabalhar os cinco elementos defendidos por Goleman, cujo meio contribui para o autoconhecimento, cada aluno é tido como um único indivíduo, os estudantes são incentivados e impulsionados na busca pelo conhecimento, assim como também é visto a colaboração social, dentre outros aspectos apresentados nessa abordagem.
Rubem Alves traz por meio do livro “A escola que sempre sonhei sem imaginar que pudesse existir” uma visão de que a educação tem possibilidade de andar por direções novas, como exemplo temos a Escola da Ponte, que dispõe de estratégias e metodologias de ensino-aprendizagem simples, porém simultaneamente revolucionárias, retirando a imagem atual de que