A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
10 pág.
Farmacognosia  resumo

Pré-visualização | Página 2 de 3

e Esteróis
Ciclização do Esqualeno: Triterpenos e Esteróis.
Esteróides: 27 carbonos. Triterpenos: 30 carbonos.
Esteróides como os contraceptivos orais podem ser sintetizados a partir de outros esteróides que servirão de modelo (semissíntese)
Propriedades Físico-Químicas:
Agliconas: Apolares.
Heterosídeos: Polares
Heterosídeos Cardioativos
Saponinas
TRITERPENOS + AÇÚCAR = SAPONINAS
ESTERÓIDES + AÇÚCAR = SAPONINAS, HETEROSÍDEOS CARDIOATIVOS
Heteosídeos Cardioativos
São produtos de origem natural utilizados na insuficiência cardíaca.
Sinônimos: Glicosídeos Cardíacos, Heterosídeos Digitálicos, Heterosídeos Cardíacos.
Estrutura química: Cadeia osídica (açúcar), aglicona esteroidal, anel lactônico.
Estrutura da cadeia osídica: Número de açúcares variados (1 a 4).
Na planta fresca são encontrados os heterosídeos primários. Na planta seca ocorre a perda da molécula de açúcar terminal durante o processo de secagem, originando os heterosídeos secundários.
Estrutura da aglicona (núcleo esteroidal): Todas possuem esqueleto esteroidal tetracíclico.
Todas possuem 2 OH: um secundário em 3β (estando ligado ao açúcar quando na forma de heterosídeo) e um primário em 14β.
Todas possuem ciclo lactônico α-β insaturado em 17β.
Ligações α: para trás do plano
Ligações β: para frente do plano.
Relação estrutura-atividade: 
A cadeia osídica confere propriedades de solubilidade importantes na absorção e distribuição das moléculas, e a conformação e estereoquímica dos açúcares influenciam na afinidade de ligação pelo sítio ligante da proteína receptora. Permeação de membranas, biodistribuição. Deve estar ligado em posição β para ter efeito farmacológico.
Anel lactônico necessariamente ligada ao carbono 17 e orientada em β (indispensável para o efeito farmacológico)
A aglicona esteroidal (genina) deve ter configuração dos ciclos em cis/trans/cis, ou seja, ligação cis entre os ciclos A e B, trans entre B e C e cis entre C e D. Deve ter também a ligação do açúcar no carbono 3 com orientação β. A aglicona é a porção que retém a atividade cardíaca, mesmo quando isolada.
Essas são as três porções indispensáveis para a atividade da digoxina, um fármaco usado para tratar ICC que possui um índice terapêutico muito estreito (ou seja, os níveis que podem ser tóxicos estão muito próximos do utilizado para tratamento) e é extraído de uma planta chamada Digitalis lanata. É possível se referir a Digoxina, portanto, como um heterosídeo digitálico.
Tipos de estruturas das geninas (agliconas) cardioativas conforme anel lactônico:
Cardenolídeo: Anel com 4 carbonos (digoxina)
Bufadenoídeo: Anel com 5 carbonos
Caracterização: Geralmente realizada através de reações de coloração
Núcleo esteroidal: reação de Liebermann-Bouchard
 Desoxioses: reação de Keller-Kiliani
 Ciclo Lactônico: reação de Baljet e reação de Reymond-Martand
Outras espécies que possuem Glicosídeos Cardíacos, porém de elevada toxicidade: Espirradeira (Nerium oleander) e Chapéu de Napoleão (Thevetia peruviana).
Saponinas:
Propriedades: 
Formam espuma em água (mas não são os únicos)
Amargor
Elevada solubilidade em água
Complexação com esteróides (ação sobre membranas)
Ação antifúngica e hipocolesterolemiante.
Ação hemolítica
As saponinas possuem elevada massa molecular (600-2000D) e portanto, não são substâncias voláteis.
São derivadas de esteróides ou terpenos policíclicos
Tem como característica química uma porção lipofílica (aglicona/sapogenina) e uma porção hidrofílica (açúcar), que é importante para sua interação com membranas biológicas.
Estão presentes em vacinas, facilitando permeação e diminuindo a quantidade necessária do composto para ter efeito
São classificadas em saponinas esteroidais e triterpênicas.
Saponinas esteroidais: Aglicona com 27 átomos de carbono. Orientação de anel A e B pode ser cis ou trans, entre B/C/D deve ser trans e entre D e E deve ser cis.
Saponinas triterpênicas: Aglicona possui 30 átomos de carbono. A/B/C/D com orientação trans e D/E com orientação cis.
As saponinas podem ser:
Monodesmosídicas: Apresenta um açúcar ou uma cadeia de açúcares ligada a aglicona principal.
Bidesmosídicas: apresentam dois açúcares ou duas cadeias de açúcares ligadas à carbonos diferentes da aglicona principal.
Podem ser penta ou tetracíclicas
As saponinas são analisadas por CLAE (Cromatografia Líquida de Alta Eficiência) devido ao seu alto peso molecular (não são voláteis, logo não podem ser analisadas por cromatografia gasosa)
Os marcadores químicos (composto ativo) são substâncias que garantem a eficácia e segurança do medicamento fitoterápico, e o doseamento destes marcadores (em teor) determinará portanto a eficácia do produto ou não. ->prova
Para o Ginseng (Panax ginseng C.A.Mey.) que são saponinas triterpênicas pentacíclicas e tetracíclicas, esses marcadores são os GINSENOSÍDEOS. Estes são usados para estresse, fadiga e infecções.
Para a Centela (Centella asiatica (L.) (Urb.), uma saponina triterpênica utilizada para o tratamento de feridas e lesões cutâneas diversas, esses marcadores são os ASIATICOSÍDEOS.
Outras drogas vegetais clássicas:
Quilaia (Quillaja saponaria Molina): Saponina triterpênica pentacíclica utilizada como estabilizante na indústria farmacêutica e como agente espumante na indústria alimentícia.
Erva-mate (Ilex paraguariensis A.St. Hill) 
Quarta aula:
Compostos Fenólicos:
Grande diversidade estrutural: De simples a complexa
Possuem pelo menos um anel aromático no qual ao menos um hidrogênio é substituído por um grupamento hidroxila
Amplamente distribuídos no reino vegetal, já que os vegetais são capazes de sintetizar o anel benzênico.
Presentes na alcachofra: Cinarina e ácido clorogenico são os marcadores químicos (dosar)
Ácido Chiquímico -> Fenilalanina/Tirosina -> Ácido Cinâmico -> Ácidos Fenólicos
Os derivados do ácido cinâmico são amplamente distribuídos no reino vegetal e praticamente todos os tecidos vegetais possuem ao menos um desses compostos. São eles: Ácido cafeico, Ácido Ferúlico, Ácido Sinápico, Ácido o-cumárico.
O ácido cumárico tem distribuição mais restrita, mas é importante por originar facilmente cumarinas através de sua ciclização. A cumarina é um dos constituintes frequentemente responsável pelo odor nos vegetais
Ésteres e heterosídeos de ácidos fenólicos:
Derivados do ácido caféico: Ácido clorogênico, Cinarina (marcador químico da Cynara scolymus
Derivados do ácido lático: Ácido rosmarínico (responsável pelo odor no alecrim e orégano)
Flavonóides:
Flavus: amarelo
Amplamente distribuído no reino vegetal
São sintetizados pela rota do Acetil-CoA e pela rota do ácido chiquímico, que dão origem a chalcona por meio da ciclização do seu intermediário.
Os flavonóides têm diversas funções nos vegetais:
Proteção (ressonância, forte cromóforo) contra a incidência de raios UV, insetos, ação antimicrobiana (fungos, bactérias, vírus)
Antioxidante
Inibidores de enzimas
Atração de polinizadores (antocianos)
Há interesse econômico nos flavonóides para
Coloração: pigmentos em indústrias alimentícias (antocianinas)
Valor nutricional para alguns alimentos
Importância Farmacológica:
Anti-tumoral (efeito preventivo do câncer)
Antiviral (ação virucida contra HSV-1)
Atividade estrogênica (tratamento e prevenção da osteoporose em mulheres, isoflavonas)
Anti-inflamatória
Antioxidante (compostos fenólicos: captura e neutralização de radicais livres)
Estrutura Química:
Núcleo fundamental com 15 átomos de carbono (C6C3C6)
A diferença entre as classes de flavonóides está na presença de OH e açúcares
A forma livre (sem açúcar) é denominada aglicona ou genina
Se conjugada com açúcar (mono, di ou tri), pode ser O-heterosídeo ou C-heterosídeo: Quando a ligação do açúcar a molécula de dá por meio de um átomo de carbono. Não são passíveis de hidrólise ácida.
O-heterosídeo: Quando a ligação do açúcar a molécula de dá por meio de uma hidroxila (OH em 7 ou 3). Passíveis de hidrólise ácida.
Classificação conforme características químicas