A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
53 pág.
Falencia e Recuperação de Empresas - Perguntas e Respostas

Pré-visualização | Página 2 de 13

R. Tem legitimidade passiva no processo de falência: a) o empresário, que 
é aquele que pratica profissionalmente a atividade econômica, atuando com 
habitualidade e finalidade lucrativa. A falência incide, sobre todos os empresários, 
sejam individuais (firmas individuais) ou coletivos (as sociedades empresárias); b) 
o espólio do devedor empresário. Espólio, como se sabe, são os bens deixados 
pelo morto, via de regra designado pela expressão latina “de cujus”, isto é, de cuja 
sucessão se trata, servindo, portanto, para indicar o falecido. 
Na ocorrência de morte de uma pessoa, seus herdeiros irão sucedê-la nos 
direitos e obrigações, respondendo o espólio (os bens do “de cujus”) pelas dívidas 
que este porventura tenha deixado, conforme dispõe o Art. 597 do Código de 
Processo Civil. 
 
27. Quem tem legitimidade ativa no processo de falência? 
R. Tem legitimidade ativa no processo de falência: a) o próprio devedor, na 
forma do disposto nos artigos 105 à 107 da Lei nº 11.101, de 9/2/2005; b) o 
cônjuge sobrevivente, qualquer herdeiro do devedor ou o inventariante; c) o 
cotista ou o acionista do devedor na forma da lei ou do ato constitutivo da 
sociedade; d) qualquer credor. 
 
28. Qual o documento que deverá ser juntado pelo credor empresário 
ao ajuizar o pedido de falência? 
R. O credor empresário apresentará certidão do Registro Público de 
Empresas que comprove a regularidade de suas atividades. 
 
29. O credor que não tem domicílio no Brasil poderá requerer a 
falência do devedor? 
R. Sim, o credor que não tem domicílio no Brasil poderá requerer a falência 
do devedor, porém deverá prestar caução relativa às custas e ao pagamento da 
indenização de que trata o art. 101 da Lei Falimentar. 
 
30. Quando ocorrerá a falência do espólio? 
R. A falência do espólio ocorrerá quando o empresário vier a falecer em 
estado de insolvência. 
 
31. Quem poderá requerer a falência do espólio? 
R. Poderá requerer a falência do espólio, qualquer credor, o cônjuge 
sobrevivente, os herdeiros do devedor ou o inventariante. 
 
32. Na falência do espólio, o que ocorrerá com o processo de 
inventário? 
R. Na falência do espólio, o processo de inventário, ficará suspenso, 
cabendo ao administrador judicial a realização de atos pendentes em relação aos 
direitos e obrigações da massa falida. 
 
33. O empresário que deixou de exercer o comércio a mais de dois 
anos pode ser declarado falido? 
R. Não. O empresário que deixou de exercer as suas atividades há mais de 
2 (dois) anos antes do pedido de falência, comprovada por documento hábil do 
Registro Público de Empresas, não poderá ter a sua falência declarada. 
 
 
 
FALÊNCIA REQUERIDA PELO PRÓPRIO DEVEDOR 
34. O que significa autofalência? 
R. Autofalência é a falência requerida pelo devedor em crise econômico-
financeira que julgue não atender aos requisitos para pleitear a sua recuperação 
judicial. 
 
35. O que o devedor deverá expor ao juízo ao requerer a sua 
autofalência? 
R. O devedor ao requerer ao juízo a sua autofalência, deverá expor as 
razões da impossibilidade de prosseguimento da sua atividade empresarial. 
 
36. Quais os documentos que deverão acompanhar o pedido de 
autofalência do devedor? 
R. O pedido de autofalência do devedor deverá estar acompanhado dos 
seguintes documentos: 1) as demonstrações contábeis referentes aos 3 (três) 
últimos exercícios sociais e as levantadas especialmente para instruir o pedido, 
confeccionadas com estrita observância da legislação societária aplicável e 
compostas obrigatoriamente de: a) balanço patrimonial; b) demonstração de 
resultados acumulados; c) demonstração do resultado desde o último exercício 
social; d) relatório do fluxo de caixa; 2) a relação nominal dos credores, indicando 
endereço, importância, natureza e classificação dos respectivos créditos; 3) a 
relação dos bens e direitos que compõem o ativo, com a respectiva estimativa de 
valor e documentos comprobatórios de propriedade; 4) a prova da condição de 
empresário, contrato social ou estatuto em vigor ou, se não houver, a indicação 
de todos os sócios, seus endereços e a relação de seus bens pessoais; 5) os 
livros obrigatórios e documentos contábeis que lhe forem exigidos por lei; 6) a 
relação de seus administradores nos últimos 5 (cinco) anos, com os respectivos 
endereços, suas funções e participação societária. 
 
37. O que acontecerá, se o pedido de autofalência não estiver 
regularmente instruído? 
R. Se o pedido de autofalência não estiver regularmente instruído, o juiz 
determinará que seja emendado. 
 
DISPOSIÇÕES GERAIS PARA O PEDIDO DE FALÊNCIA 
38. Para o pedido de falência com base em título ou títulos executivos 
protestados e não pagos no vencimento, é necessário o protesto? 
R. Sim, o pedido de falência será instruído com o título ou os títulos 
executivos, acompanhados, em qualquer caso, dos respectivos instrumentos de 
protesto para fim falimentar nos termos da legislação específica. 
 
39. O que significa protesto? 
R. Protesto é o ato formal e solene pelo qual se prova a inadimplência e o 
descumprimento de obrigação originada em títulos e outros documentos de 
dívida. 
 
 40. O que é necessário para instruir o pedido de falência do devedor 
que foi executado por qualquer quantia líquida e não paga, não deposita e 
não nomeia bens suficientes à penhora dentro do prazo legal? 
R. Para o devedor que foi executado por qualquer quantia líquida e não 
paga, não deposita e não nomeia bens suficientes à penhora dentro do prazo 
legal, é necessário que o pedido de falência seja instruído com certidão expedida 
pelo juízo em que se processa a execução. 
 
41. O que é necessário para instruir o pedido de falência do devedor 
que pratica atos considerados fraudulentos pela Lei falimentar? 
 R. Para o devedor que pratica atos fraudulentos considerados pela Lei 
falimentar, o credor ao instruir o pedido de falência descreverá os fatos que o 
caracterizam, juntando-se as provas que houver e especificando-se as que serão 
produzidas. 
 
42. Qual o limite mínimo para o pedido de falência de obrigação 
líquida materializada em título ou títulos executivos protestados e não 
pagos no vencimento? 
R. O limite mínimo para o pedido de falência de obrigação líquida 
materializada em título ou títulos executivos protestados e não pagos no 
vencimento, será aquele cuja soma ultrapasse o equivalente a 40 (quarenta) 
salários-mínimos na data do pedido de falência. 
 
43. Os credores podem reunir-se em litisconsórcio a fim de satisfazer 
o limite mínimo para o pedido de falência com base em título ou títulos 
executivos protestados, não pagos no vencimento? 
R. Sim, os credores podem reunir-se em litisconsórcio a fim de perfazer o 
limite mínimo para o pedido de falência com base em título ou títulos executivos 
protestados. 
 
44. O que significa o litisconsórcio? 
R. O litisconsórcio significa que duas ou mais pessoas podem litigar, no 
mesmo processo, em conjunto, ativa ou passivamente, quando: a) entre elas 
houver comunhão de direitos ou de obrigações relativamente à lide; b) os direitos 
ou as obrigações derivem do mesmo fundamento de fato ou de direito; c) entre as 
causas houver conexão pelo objeto ou pela causa de pedir; d) ocorrer afinidade 
de questões por um ponto comum de fato ou de direito. 
 
45. Quais os créditos, ainda que líquidos, que não legitimam o pedido 
de falência? 
R. Os créditos ainda que líquidos, que não legitimam o pedido de falência 
são: a) as obrigações a títulos gratuitos, tais como doações, atos de 
benemerência, favores prometidos, aval prestado sem interesse econômico direto 
da empresa, fiança, cessão, comodato, etc; b) as prestações