A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Resenha Crítica sobre o Filme

Pré-visualização | Página 1 de 1

Resenha Crítica sobre o Filme ‘Instinto’ 
Cast: Anthony Hopkins, Cuba Gooding Jr., Donald Sutherland, Maura Tierney
Suggested by the novel "Ishmael," by Daniel Quinn, published by Turner Publishing, Inc.
O filme procura relatar uma história em que o estudante de Psicologia, Theo Caulder, enfrenta o desafio de clinicar um famoso antropólogo, Ethan Powell, que havia ido para Uganda pesquisar a vida dos gorilas, onde para conseguir fazer jus a suas pesquisas, ele renuncia a suas pesquisas e anotações para, experimentar diretamente como os gorilas vivem vivendo e convivendo com os gorilas, que o aceitaram como “um integrante” do grupo, onde passou a viver por cerca de 2 anos.
Após ser acusado de homicídios, por matar 2 caçadores em defesa dos gorlias, foi preso.
Não se comunicando com ninguém, age como um ser primitivo e vive acorrentado, como se fosse um selvagem. 
Devido a este comportamento, vira objeto de pesquisa de um determinado departamento de psiquiatria, onde procuram o motivo que o levou a cometer o crime e a viver entre os gorilas, O Psiquiatra encara isso como um desafio para sua carreira.
Na transferência, para a ala psiquiátrica, Ethan Powell, fica preso em uma ala da penitenciaria com alguns agentes e começa a ter estranho comportamentos, devidos aos (barulhos feitos em sequência), se sente ameaçado e agride os agentes e foge.
O psiquiatra (dr. Theo Caulder) aceitando o desafio, ele deveria passar algumas semanas em atendimento direto ao paciente (Ethan Powell).
No primeiro encontro entre Psiquiatra e Paciente, observou-se que rapidamente o dr. Theo Caulder ganhou a confiança do seu paciente, visto que tentativas de outros Psicólogos e Psiquiatras que tiveram anteriormente, não surtiram efeito, porém, constatou-se que o dr. Ethan Powell não se comportava como um animal não racional.
A partir desde momento, e com base nas relações observadas tanto pelo psiquiatra quanto pelo paciente, o filme começa, inicialmente através de críticas acerca dos sistemas penitenciário e judicial, uma reflexão que aos poucos chega até os conceitos de civilização e liberdade.
A causa de o cientista ter evitado contato com humanos é revelada no final do filme, onde ele,após ter quase se recuperado, retorna ao estado inicial.
No início da obra, observa-se que o psiquiatra tem um bom desempenho ao entrevistar pacientes. Sendo assim, seu mestre o designa um trabalho,no qual ele deve analisar o cientista citado anteriormente. Ao aceitar o desafio, ele deveria passar algumas semanas na penitenciária de segurança máxima. Isso também foi evidenciado no começo do filme.Instinto é um daqueles filmes que podem colocar nossos pensamentos em chamas, onde ficamos “paralisados”, após o término, acompanhados dos créditos que passam desapercebidos como se fossem pano de fundo.
A questão filosófica central gira em torno da antípoda civilização x “selvagem” – com aspas para sinalizar que selvagem não está empregado no sentido pejorativo como costuma ser usado pelos civilizados.
A idéia de mostrar um homem vivendo em meio a animais e os possíveis resultados psicológicos e comportamentais da inusual convivência não é novidade, mas o filme Instinto, pelo tratamento humano que dá ao sábio primatologista Ethan Powell (não um homem que se tornou animal, mas um homem que conviveu com animais, segundo as palavras do próprio personagem) tem sua nobreza.
Através de diálogos com Theo Caulder, o astuto estudante de psicologia que o trata e avalia na cadeia em que se encontra preso nos Estados Unidos após ter sido acusado de cometer assassinatos na floresta de Ruanda, onde viveu com a família de gorilas que o "adotou", Dr. Powell relata uma história de redescoberta da liberdade e de sua própria humanidade.
A partir daí, e com base nas relações observadas tanto pelo psicólogo quanto pelo primatologista no interior da ala de doentes mentais do presídio, o filme tece, inicialmente através de críticas acerca dos sistemas penitenciário e judicial, uma reflexão que aos poucos chega até os conceitos de civilização e liberdade.
O Psiquiatra consegue o que parecia impossível: ajuda o doente falar e, com isso, é permitida sua soltura das algemas, conseguindo extrair a razão da violência: quando na floresta, em companhia dos gorilas, os animais foram atacados impiedosamente por guardas florestais e ele, na defesa instintiva de sua família (*), utiliza-se da agressão e acaba assassinando vários guardas. 
Quando o médico estava prestes a colocar O paciente em, um colega, foi atacado por um dos carcereiros e Ethan, em defesa de sua família (*), usar de extrema violência, complicando assim qualquer possibilidade de liberdade.
Ethan Powell é firme em suas convicções, resistente e consciente: não se submete a abusos de autoridade, reagindo com uma violência brutal mas extremamente natural.
Sua passagem pela casa de detenção provoca distúrbio e incomoda a diretoria, principalmente quando a atitude de Powell é reforçada pelo Psiquiatra e reproduzida pelos outros detentos iluminados por um raio de sanidade, enfim.
Frente ao discurso de seu paciente, o psicólogo acaba assumindo a condição de aluno, livrando-se de sua ilusões acerca de controle, domínio e liberdade, e descobrindo a condição cativa do homem moderno – preso a grilhões invisíveis, muito mais difíceis de se quebrar que qualquer corrente. A crítica de Powell à "civilização" é radical e até inesperada num filme estadunidense (acham que a palavra não existe?), afirmando, até, a possibilidade de a solução ser a volta à vida selvagem.
Durante seus períodos de revolta, Ethan Powell emudece, priva-se da língua como forma de repúdio à cultura civilizada, como forma de protesto e reafirmação pessoal de suas idéias e descobertas. É, sem dúvida, um dos personagens mais sábios que se viu nas grandes telas nos últimos tempos.
Mas, enfim, trata-se de mais um filme de Hollywood, e como se podia esperar, o final é extremamente feliz e previsível, deixando a platéia confortável com o lugar comum, e privando o público de um incômodo extremamente necessário nos dias de hoje.
Acaba entrando no ranking dos filmes pseudointelectuais, tão rentáveis e ainda por cima úteis à produção de mentes toscas, filmes como ‘O Advogado do Diabo’, ‘Matrix’ e ‘Cidade dos Anjos’, supostamente inteligentes e filosóficos, mas incapazes de suscitar o mal-estar de um ‘Laranja Mecânica’ (ou do mal compreendido ‘De Olhos Bem Fechados’) ou a reflexão verdadeira de um ‘Sonhos’, de Kurosawa (ou ‘Ponto de Mutação’, cujo nome do diretor não me lembro, mas baseado no livro homônimo de Fritjof Capra).
Talvez Instinto não tenha se perdido tanto quanto os outros, salvo pela atuação boa de Anthony Hopkins (infelizmente muito parecida com a de ‘O Limite’), a excelente expressão de um tal doido Lester (com as calças sempre urinadas), e o sorriso charmosíssimo de Maura Tierney, mas tende, infelizmente, muito mais para esse lado clichê, ainda por cima com a trilha sonora tão "bonitinha" e tradicional de Elfman (arranjinho de coral, cordas e volume aumentando...).
Lá por trás de tudo isso que por um lado mata o filme, há, no entanto, a idéia de que a forma como a humanidade caminhou a está levando para um fim inevitável, através de sofrimento e ilusão; faltou no filme desenvolver a idéia principal na discussão: a covardia do Homem.
Afinal de contas, por que elevamos as paredes de concreto ao nosso redor, e por que criamos as instituições – a língua, as leis, as convenções? Usando a metáfora do próprio filme, por que deixamos de sentir a chuva?
Porque somos covardes – o Homem não sabe lidar com a morte, não pode aceitar viver à mercê dos predadores, das doenças, dos riscos: não soube aceitar as leis da Natureza e quis se manter à parte da Cadeia Alimentar. Bem, eis o resultado: a pavorosa civilização.