A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
133 pág.
271182983 Apostila mastercam

Pré-visualização | Página 16 de 16

8 bits de dados, paridade nula e um bit de 
parada. O número de bits de dados pode ser 7, 8 ou (às vezes) 9. Paridade pode ser nula (N), 
impar (O) ou par (E); o bit de paridade é emprestado dos bits de dados, então 8/E/1 significa que 
um dos oito bits de dados é utilizado como bit de paridade. Podem haver 1, 1,5 ou 2 bits de 
parada (1,5 era utilizado em teletypewriters baudot de 60 palavras por minuto). Outras 
configurações definem quando pinos enviam sinais de "handshake", ou outras checagens de 
integridade dos dados. Combinações comuns são RTS/CTS, DTR/DSR, ou XON/XOFF (que não 
usam pinos no conector, mas caracteres especiais no fluxo dos dados). O caractere XON diz ao 
receptor que o remetente do caractere está pronto para receber mais dados. O caractere XOFF 
diz ao receptor para parar de enviar caracteres. O XON/XOFF está em desuso, e é preferível que 
se utilize o controle de fluxo RTS/CTS. 
Pag. 130 
 
Ao configurar a comunicação no Mastercam, você deve antes ler o Manual da Máquina para ver 
quais são os parâmetros de velocidade, bits, etc que sua máquina suporta. No Mastercam vá até 
o menu Ajustes, Configurações, e habilite os valores conforme o padrão da sua máquina. A 
interface é esta: 
 
 
Esta configuração do Mastercam suporta comunicação entre 1 computador e a máquina. Se existem várias 
máquinas para transmitir o programa, é necessário utilizar um software DNC, que serve para comunicação 
em rede. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Pag. 131 
 
Pinagem RS232 
Segundo o padrão RS232, cada pino de um conector serial tem uma função específica, que deve 
ser seguida para a correta montagem de um cabo de comunicação. 
Observando de perto, um conector DB9 ou DB25, você poderá observar os números de cada pino 
marcados na chapa plástica. 
Pino DB9 Pino DB25 Nome Direção dos Dados Função 
3 2 Transmite os 
dados (TxD) 
PC -> Equipamento Transmite os dados do PC 
para o equipamento 
2 3 Recebe os 
Dados 
(RxD) 
PC <- Equipamento Recebe os dados do 
equipamento 
5 7 GND Terra 
7 4 Request To Send 
(RTS) 
PC -> Equipamento Solicita permissão para envio 
de dados. 
Controle de fluxo. 
8 5 Clear To Send 
(CTS) 
PC <- Equipamento Verifica permissão do 
equipamento para receber 
dados. 
Controle de fluxo. 
6 6 Data Set Ready 
(DSR) 
PC <- Equipamento Verifica permissão do 
equipamento para receber 
dados. 
Controle de fluxo pouco usado. 
4 20 Data Terminal 
Ready (DTR) 
PC -> Equipamento Solicita permissão para envio 
de dados. 
Controle de fluxo pouco usado. 
1 8 Data Carrier 
Detect (DCD) 
PC <- Modem Usado para comunicação com 
Modens. 
9 22 Ring Indicator 
(RI) 
PC <- Modem Indicador de chamada (Usado 
para comunicação com 
Modens). 
 
Função de cada pino de uma interface serial (DB9 e DB25) em um PC conforme o padrão RS232 
 
 
 
Pag. 132 
 
3.Definição de DNC (Direct Numeric Control / Controle Numérico Direto) 
 
Este termo é usado de dois modos: 
 
· A aplicação mais comum da sigla está em referência a um computador que controla diretamente 
a máquina de usinagem, provendo os sinais exigidos ao longo de um sistema de comunicações 
de dados. 
 
Um sistema de DNC pode significar algo tão simples quanto um programa de comunicações que 
envia programas de NC/CNC à memória do controle da máquina de usinagem. 
 
· Também poderia ser algo tão avançado quanto instalação de uma rede de transmissão de dados 
direta aos componentes de máquina de usinagem com possibilidade de dirigir a mesa e as 
ferramentas. 
 
Muitos sistemas de DNC comerciais são bastante sofisticados e têm a habilidade para conversar 
de uma só vez com varias máquinas de usinagem. 
 
Estes sistemas enviam os programas em códigos M e G diretamente à memória de máquinas de 
usinagem conforme a solicitação dos controles destas máquinas e freqüentemente incluem 
ferramentas de gerenciamento como querings e estimações de tempo. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Pag. 133 
 
Referências 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
SENAI-SP. Tecnologia Mecânica. São Paulo, 1999. 
 
 
SENAI-SP. PRPU – Processos Programáveis. Por Carlos Alberto Pereira. São Paulo, 
 
2007. 
Tutoriais Mastercam Versão X2 e versão X6. s.i. Site 
http://www.mundocnc.com.br/ temas.php.