A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
31 pág.
Trabalho de Assistência a mãe e a Criança Sadia - Alterações sistêmicas da gravidez

Pré-visualização | Página 1 de 8

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS- CAMPUS CERES
BACHARELADO EM ENFERMAGEM
ADRIANO JOSE DE DEUS GUIMARÃES
AMANDA VERISSÍMO DA SILVA
CAMILA KAROLYNE DA SILVA
ISADORA PAINS RIBEIRO
KÁLLITA LORENA DA SILVA
LÍVIA ALVES SANTANA
LIVIA DE CASTRO
REGIANE XAVIER DA ROCHA
TATYELE DA ROCHA TEIXEIRA
Principais Modificações no período gestacional
Ceres-2015
 ADRIANO JOSÉ DE DEUS GUIMARÃES
AMANDA VERISSÍMO DA SILVA
CAMILA KAROLYNE DA SILVA
ISADORA PAINS RIBEIRO
KÁLLITA LORENA DA SILVA
LÍVIA ALVES SANTANA
LIVIA DE CASTRO
REGIANE XAVIER DA ROCHA
TATYELE DA ROCHA TEIXEIRA
Principais Modificações no período gestacional
Trabalho apresentado à disciplina de Introdução a saúde da criança e a mãe sadia como requisito parcial para aquisição da 1° VA do curso de Bacharel em Enfermagem, da Universidade Estadual de Goiás- Campus Ceres.
 Professora: Shirley Kellen Ferreira 
		 Ceres-2015
Introdução
O momento gestacional é um período que compreende cerca de nove meses, onde a mulher acomoda, protege e acolhe dentro do seu corpo outro ser que surge do encontro de células sexuais masculinas e femininas após o momento da cópula. A partir dessa junção, o corpo da grávida passa por uma série de alterações, envolvendo diversos aparelhos e sistemas.				A mulher quando engravida vivencia um período de intensas transformações que envolvem tanto o aspecto biológico do seu corpo quanto o psíquico. Essas repercussões variam de intensidade e ocorrência de gestante para gestante e, varia em função do período gestacional. As adaptações sofridas pela gestante se destinam a lhe dar com as necessidades da homeostasia e crescimento fetais, sem um grande comprometimento do bem estar materno. Sendo assim, todas essas transformações que ocorrem são fisiológicas e não patológicas, produzindo na gestante a capacidade de nutrição e proteção aumentadas para o bebê.					Verifica-se na mulher gestante, alterações sistêmicas e locais, envolvendo a postura e deambulação, sistema cardiovascular, sistema urinário, sistema respiratório, metabolismo hidreletrolítico, sistema digestivo, enzimas, pele, ossos e articulações, sistema nervoso e órgãos dos sentidos.
Principais modificações ocorridas no período gestacional
SISTEMA CIRCULATÓRIO
COMO FUNCIONA A CIRCULAÇÃO DO SANGUE
As células dos nossos órgãos precisam de nutrientes (vindos da alimentação) e de oxigênio (vindo da respiração) para se manterem vivas. Além disso, elas também precisam jogar fora as toxinas e impurezas que elas produzem. Tanto o recebimento de nutrientes e oxigênio quanto a retirada de substâncias nocivas é feita através do sangue. E o sangue corre dentro de vasos sanguíneos que estão presentes por todo o organismo. Funciona como o encanamento de água e esgoto de uma casa.
 Para o sangue chegar até as células com os nutrientes e oxigênio, ele é impulsionado por uma bomba. Essa bomba é o coração.
Após sair do coração, o sangue caminha pelas artérias, que são os vasos que carregam o sangue que está cheio de nutrientes e oxigênio para todas as células do corpo. A principal artéria do corpo humano é a artéria Aorta, que sai diretamente do coração e dela partem as artérias que irrigam todos os órgãos do corpo. A partir da Aorta, o sangue vai caminhando por artérias cada vez menores até chegar nos capilares.
 Os capilares são vasos sanguíneos muito finos, microscópicos. Eles estão próximos das células e é através deles que ocorre a entrega do oxigênio e nutrientes para as células assim como a retirada de toxinas.
 Depois de passar pelos capilares, o sangue já está com pouco oxigênio e com poucos nutrientes, sendo então chamado de sangue venoso. O sangue venoso vai precisar passar pelo pulmão para receber oxigênio, pelos intestinos para receber os nutrientes da alimentação e pelo fígado e rins para excretar as substâncias tóxicas que ele recebeu das células. Ele também vai precisar voltar para o coração, para que seja novamente mandado para o restante do organismo. Para chegar até todos esses lugares, ele vai caminhar pelas veias.		 O sangue venoso dentro das veias vai perdendo o impulso dado pelo coração conforme passa pelos capilares, ou seja, ele fica sem pressão. Então, para voltar para o coração, o sangue vai sendo empurrado lentamente.
 Vários mecanismos ajudam esse retorno do sangue: as válvulas que existem dentro das veias, que impedem o sangue de retornar, o movimento da musculatura das pernas, o ato de pisar a planta do pé no chão, o movimento da respiração etc.
 Existe uma terceira circulação que é a circulação linfática, que auxilia as veias a coletar as toxinas e o excesso de água produzida pelas células. Os problemas da circulação linfática, portanto, estão relacionados com o acúmulo de água e toxinas perto das células, ocasionando o inchaço ou edema. 
ALTERAÇÕES CIRCULATÓRIAS NA GRAVIDEZ
A gravidez tem um efeito adverso sobre a circulação venosa. Este efeito pode ser devido a causas hormonais, como os hormônios secretados em abundância pela placenta durante a gravidez alteram a parede da veia.
O efeito negativo da gravidez na circulação também pode ser devido a uma causa mecânica: pressão do útero sobre as veias do abdômen e da pelve.
A má circulação na gravidez é uma situação frequente, porque, durante este período, o organismo da mulher produz mais líquidos para manter a irrigação da placenta, o que dificulta o trabalho das veias. Além disso, existe produção de relaxina, um hormônio que provoca a dilatação das veias, dificultando o retorno do sangue ao coração.
A sensação de pernas pesadas e o inchaço na área dos tornozelos são das queixas mais comuns das futuras mães. O aumento de peso (especialmente na zona abdominal) e a consequente sobrecarga exercida sobre as pernas aumenta a pressão resultando em cansaço e, por vezes, em edema na zona dos tornozelos.
As varizes (patologia provocada pela insuficiência venosa que dificulta o retorno do sangue ao coração que, ao ficar estagnado nas veias, as dilata) podem, também, agravar-se durante a gravidez, fruto do aumento de peso e das alterações hormonais. A alteração da circulação venosa como o mecanismo explica as doenças mais comuns do aparelho circulatório na gravidez.
 VARIZES
Os hormônios da gestação e o útero carregando uma criança em desenvolvimento afetam as veias da futura mamãe. Consequentemente, a mulher vivencia sintomas como pernas pesadas, doloridas e cansadas e pés e tornozelos inchados. Normalmente, as varizes aparecem por volta do quarto mês de gestação e podem desaparecer depois que o bebê nascer.
As varizes já existentes tendem a piorar durante a gravidez. Há vários motivos para este quadro, inclusive: o aumento do volume de sangue a perda de tonicidade das paredes das veias; o aumento da pressão nas veias das pernas, provocado pela posição do bebê; a mudança da consistência do sangue, aumentando o risco de formação de coágulos.
Os riscos de as doenças venosas aparecerem durante a gravidez são elevados caso se apresente algum destes fatores: quadro de doença venosa pré-existente; gravidez múltipla; muito tempo sentado ou em pé.
Durante a gravidez, as aranhas vasculares e as varizes podem ficar doloridas, quentes e de coloração roxa. As cãibras ocorrem com mais frequência e maior intensidade. Há também o aumento do risco de se ter uma complicação, como flebite e tromboflebite. A complicação mais comum na gravidez é a tromboembolia venosa.
Muitas gestantes notarão que seu corpo apresenta um reticulado de veias azuis finíssimas, sem saber a causa. Isso se deve ao seu sistema circulatório, que devido ao maior volume de sangue - associado à gravidez - que circula em seu corpo, forma este reticulado. O maior problema relacionado com o sistema circulatório na gravidez diz respeito à formação de varizes. O melhor para evitar o aparecimento

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.