A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
18 pág.
Controladoria   01

Pré-visualização | Página 5 de 5

a organização, promovendo na empresa 
momentos de avaliação de suas forças, fraquezas e identificação das ameaças e 
oportunidades;
•	 percebeu que formular estratégias passa pelo conhecimento dos processos e números da 
empresa, pois, em um mundo competitivo, um passo errado pode tirar do mercado até 
mesmo grandes corporações;
•	 viu que igualmente importante é conhecer e entender que a análise de desempenho deve 
sempre se basear em referenciais que propiciem ao gestor subsídios que lhes permitam 
mensurar os resultados, evitando interpretações equivocadas;
•	 entendeu que o gestor tem em seu favor os sistemas de informação como ferramenta 
útil na obtenção de dados para a formulação de estratégias. Contudo, no momento da 
aquisição, deve haver uma análise de custo-benefício;
•	 por fim, entendeu que planejar, controlar e avaliar são atividades-chave dentro de 
um processo estratégico, uma vez que, sem uma delas, faltará completude ao projeto 
organizacional.
Síntese
18 Laureate- International Universities
Referências
CAGGIANO, P. C.; FIGUEIREDO, S. Controladoria: teoria e prática. 4 ed. São Paulo: Atlas, 
2013.
CONEXÃO ITAJUBÁ. Metodologia	contábil	é	a	melhor	metodologia	anticorrupção,	ex-
plica	professor. [vídeo]. Produção de Conexão Itajubá. Minas Gerais, 2015. 15min. Disponível 
em: <https://www.youtube.com/watch?v=rcmVyAPlLkA>. Acesso em: 6 maio 2015.
FERRARI, M. J. et al. O perfil do controller sob a ótica do mercado de trabalho brasileiro. Revista	
de	Informação	Contábil, v. 7, n. 3, p. 25-30, jul./set. 2013.
GARRISON, R. H.; NOREEN, E. W.; BREWER, P. C. Contabilidade	gerencial. 14. ed. Porto 
Alegre: Bookman, 2013.
GONÇALVES, R. C. M. Grillo; RICCIO, E. L. Sistemas	de	Informação – Ênfase em controla-
doria e contabilidade. 1ª ed. São Paulo: Atlas, 2009.
IUDICÍBIUS, S. Contabilidade	gerencial. 6. ed. São Paulo: Atlas,1998.
KANITZ, S. C. Controladoria: teoria e estudo de casos. São Paulo: Livraria Pioneira, 1976.
KAPLAN, R. S.; NORTON, D. P. A	estratégia	em	ação: Balance Scorecard. 22. ed. São Paulo: 
Elsevier,1997.
MAXIMIANO, A. C. A. Teoria	geral	da	administração: da escola científica à competitividade 
em economia globalizada. São Paulo: Atlas, 2006.
OLIVEIRA, D. P. R. Planejamento	estratégico: conceitos, metodologia e práticas. 32. ed. São 
Paulo: Atlas, 2014.
OLIVEIRA, L. M. Controladoria: conceitos e aplicações. São Paulo: Futura, 1998.
PADOVEZE, C. L. Contabilidade	gerencial: um enfoque em sistema de informação contábil. 
7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.
______. Sistemas	de	informações	contábeis. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2015.
PORTAL DE ADMINISTRAÇÃO. Balanced	 Scorecard. Disponível em <http://www.portal-ad-
ministracao.com/2014/03/o-que-e-balanced-scorecard-bsc.html>. Acesso em: 6 maio 2015.
PORTAL DE CONTABILIDADE. O	perfil	do	profissional	contábil. Disponível em: <http://www.
portaldecontabilidade.com.br/noticias/contador_gerencial.htm>. Acesso em: 7 maio 2015. 
PORTER, M. Estratégia	 competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. 
São Paulo: Elsevier, 2005.
TIAGO, H. C. Benefícios e dificuldades na implantação de sistemas ERP. Linha	de	Código, [S. l.: 
s. d.]. Disponível em <http://www.linhadecodigo.com.br/artigo/2514/beneficios-e-dificuldades-
-na-implantacao-de-sistemas-erp.aspx>. Acesso em: 7 maio 2015.
Bibliográficas