A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
EPS  Alunos 3

Pré-visualização | Página 1 de 1

17/11/2018 EPS: Alunos
http://simulado.estacio.br/alunos/ 1/2
aliando Aprend.: CCJ0041_SM_201512522201 V.1 
Aluno(a): KAMILA DOS SANTOS SILVA Matrícula: 201512522201
Desemp.: 0,5 de 0,5 17/11/2018 09:54:09 (Finalizada)
 
1a Questão (Ref.:201513200987) Pontos: 0,1 / 0,1 
(CESPE - 2014 - TJ-CE - Analista Judiciário - Execução de Mandados) Assinale a opção correta com relação a prazos
processuais, citações e intimações.
O comparecimento espontâneo do réu e a respectiva constituição de patrono para exercer sua defesa não
serão suficientes para sanar eventual irregularidade na citação, devendo esta ser novamente realizada, assim
como todos os demais atos processuais subsequentes.
No caso de réu preso na mesma unidade da Federação em que o juiz exerça a sua jurisdição, a citação
poderá ser feita por edital caso haja rebelião no presídio.
A expedição de carta rogatória para citação de réu no exterior não suspende o curso da prescrição até o seu
cumprimento.
 Somente quando houver comprovação de prejuízo é que será declarada a nulidade do processo criminal por
falta de intimação da expedição de precatória para inquirição de testemunha.
Os prazos processuais contam-se da juntada aos autos do mandado ou de carta precatória ou de ordem.
 
2a Questão (Ref.:201513678676) Pontos: 0,1 / 0,1 
(DPE/SP/Defensor/2010) Assinale a alternativa correta em relação à disciplina da prova no processo penal.
e) No processo penal, é inadmissível uma condenação quando a prova da autoria é feita exclusivamente por
indícios.
b) Desistindo o Ministério Público das testemunhas arroladas porque estas não foram localizadas na fase
judicial, o magistrado poderá condenar o acusado com base nos depoimentos de inquérito porque a prova
colhida na investigação se tornou irrepetível.
a) Considerando a repartição do ônus da prova, para que se alcance uma absolvição, à defesa incumbe a
prova da alegação de ter agido o réu em situação que exclua a ilicitude da conduta.
c) O juiz que recebeu a denúncia com base em prova posteriormente declarada ilícita não pode ser o mesmo
a prolatar a sentença, sob pena de nulidade.
 d) A reforma parcial do código de processo penal permitiu que a prova ilícita por derivação seja considerada
válida para a condenação quando obtida através de fonte independente ou quando, por raciocínio hipotético,
sua descoberta teria sido inevitável.
 
3a Questão (Ref.:201513438432) Pontos: 0,1 / 0,1 
3. JUIZ ¿ TJSC ¿ 2015. Em matéria de Recurso Extraordinário e Recurso Especial, é correto afirmar:
a) Admitidos recurso especial e extraordinário, os autos serão remetidos tanto ao STJ quanto ao STF,
simultaneamente.
c) Admite-se recurso especial das decisões proferidas pelo Superior Tribunal Militar e do Tribunal Superior do
Trabalho, mas não do Tribunal Superior Eleitoral.
 b) Das decisões de segundo grau de juizados especiais admite-se recurso extraordinário, mas não especial.
e) O recurso extraordinário poderá ser interposto pelo Ministério Público, pelo querelante, pelo réu, seu
procurador ou seu defensor, mas não pelo assistente da acusação.
d) Na hipótese de cabimento de embargos infringentes em Tribunal estadual não será cabível o recurso
especial.
 
4a Questão (Ref.:201513678673) Pontos: 0,1 / 0,1 
(DPE/PA/Defensor/2009) No processo penal a defesa apresenta-se sob dois aspectos: defesa técnica e autodefesa.
Há manifestação da autodefesa nos seguintes atos:
e) defesa preliminar, interrogatório, comparecimento no ato de produção de prova e possibilidade de recurso.
c) defesa preliminar, interrogatório e possibilidade de recurso.
 a) interrogatório, comparecimento no ato de produção de prova e possibilidade de recurso.
b) interrogatório, comparecimento à audiência de instrução e julgamento e possibilidade de recurso.
d) defesa preliminar, interrogatório, comparecimento à audiência de instrução e julgamento.
17/11/2018 EPS: Alunos
http://simulado.estacio.br/alunos/ 2/2
 
5a Questão (Ref.:201513554677) Pontos: 0,1 / 0,1 
Lúcio Flavio, advogado, ofereceu queixa-crime em face de Rosa, imputando-lhe a prática dos delitos de injúria
simples e difamação. As partes não celebraram qualquer acordo e a querelada negava os fatos, não aceitando
qualquer benefício. Após o regular processamento e a instrução probatória, em alegações finais, Lúcio Flávio requer a
condenação de Rosa pela prática do crime de difamação, nada falando em sua manifestação derradeira sobre o crime
de injúria. Diante da situação narrada, é correto afirmar que
poderá Rosa ser condenada pela prática de ambos os delitos, já que houve apresentação de alegações finais
pela defesa técnica do querelante.
deverá ser extinta a punibilidade de Rosa em relação ao crime de injúria, em razão do perdão do ofendido.
 deverá ser extinta a punibilidade de Rosa em relação ao crime de injúria, em razão da perempção.
Nihil
deverá ser extinta a punibilidade de Rosa em relação ao crime de injúria, em razão da renúncia ao direito de
queixa.