A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
 1000 PERGUNTAS (respostas)

Pré-visualização | Página 31 de 50

b. 
A histologia do tumor de células gigantes demonstra sua constituição por 
estroma de células fusiformes ou ovoides e pela presença de numerosas células 
gigantes, do tipo osteoclástico. 
Referência: Sizinio H, Barros Filho TEP, Xavier R, Pardini Jr. AE et ai. 4ª ed., Porto Alegre: Art-
med. p.863. 
437. Resposta correta: d. 
O prognóstico do sarcoma de Ewing é pior quando ocorre em crianças 
de maior idade. O sexo masculino também está associado a um pior prognós-
tico. Não há diferenças raciais quanto ao prognóstico, embora a incidência 
desse sarcoma seja bastante rara na raça negra. A translocação entre os cro-
mossomos não afeta o prognóstico. De maneira semelhante ao que ocorre no 
osteossarcoma, a resposta histológica à quimioterapia neoadjuvante tem im-
portância prognóstica. 
Referência: Canale ST. Campbell's operative orthopaedics. St. Louis: Mosby, 10. ed., 2003, vol. 1, 
p.836. 
Respostas comentadas - Seção 7 - Oncolog ia 323 
438. Resposta correta: e. 
O protocolo padrão para o tratamento do osteossarcoma consiste em qui-
mioterapia (neoadjuvante, em geral com 3 a 4 etapas com esquema de várias 
drogas), a seguir ressecção cirúrgica e, por fim, quimioterapia adicional. 
Referência: Morrissy RT, Weinstein SL. Lovell and Winter's pediatric orthopaedics. Philadelphia: 
Lippincott Williams & Wilkins, 2001. 5. ed., vol. 1, p.523. 
439. Resposta correta: b. 
A classificação de O'Driscoll para fratura do processo coronoide da ulna 
baseia-se na localização anatômica da fratura. O grupo 1 envolve o ápice do 
processo coronoide; o grupo 2, a sua porção anteromedial. As fraturas na base 
do processo coronoide correspondem ao grupo 3. Nesse último grupo, o subtipo 
1 envolve apenas o processo coronoide. O subtipo 2 está associado com fratura 
do olécrano. Em geral, essas fraturas têm menos comprometimento das partes 
moles do que as que envolvem apenas o ápice do processo coronoide. 
Referência: Bucholz RW, Heckman JD, Court-Brown C. Rockwood and Green's Fractures in 
adults. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins. 6. ed., p.1021. 
440. Resposta correta: b. 
Nas fraturas complexas do acetábulo, quando há comprometimento da 
coluna e parede posteriores, a via utilizada é a de Kocher-Langenbeck. Essa via 
de acesso permite uma completa exposição da superfície retroacetabular. Por-
tanto, é utilizada para fraturas da parede posterior, coluna posterior e parede mais 
coluna posterior. Pode ser utilizada também na maioria das fraturas transversas, 
transversas associadas à parede posterior e muitas das fraturas em "T". A via 
ilioinguinal permite acesso ao aspecto interno do osso inominado desde a arti-
culação sacroilíaca até a sínfise púbica. É utilizada para a maioria das fraturas da 
parede e coluna anteriores. Também é utilizada para as fraturas associadas, com -
prometendo ambas as colunas, e na maioria das fraturas da coluna anterior as-
sociada à hemitransversa posterior. As vias de Smith-Petersen e de Hueter são 
pouco ou não utilizadas no tratamento operatório das fraturas do acetábulo. 
Referência: Bucholz RW, Heckman JD, Court-Brown C. Rockwood and Green's Fractures in 
adults . Philadelphia: Lippincott Will iams & Wilkins. 6. ed., vol. 2, p.1690. 
441. Resposta correta: a. 
Existem dois tipos comuns de tumor benigno dos nervos: neurilemoma e 
neurofibroma. O neurilemoma ou schwannoma cresce da bainha nervosa. O 
neurofibroma pode ser uma lesão solitária ou múltipla. Pode se originar na pele 
ou estar associado a um nervo periférico. De maneira semelhante ao neurilemo-
324 1.000 Perguntas e Respostas Comentadas em Ortopedia e Traumatologia 
ma, se apresenta como uma tumoração pouco dolorosa e com sinal de Tinel 
positivo. Os neurilemomas são raramente vistos em pacientes com a doença de 
Von Recklinghausen. Os neurofibromas, embora não sejam característicos da 
doença de Von Recklinghausen, são frequentemente nela encontrados. 
Referência: Morrissy RT, Weinstein SL. Lovell and Winter's pediatric orthopaedics. Philadelphia: 
Lippincott Williams & Wilkins. 6. ed., vol l, p.534 
442. Resposta correta: e. 
A tomografia computadorizada e a ressonância magnética têm grande va -
lor no diagnóstico e na avaliação das metástases do osteossarcoma. A ressonân-
cia magnética substituiu a tomografia com vantagens na avaliação do tumor 
primário, mostrando detalhes da destruição óssea e da produção de tecido tu-
moral no osso. A tomografia computadorizada é utilizada para avaliação de me-
tástases pulmonares. 
Referência: Herring JA. Tachdjian's Pediatric Orthopaedics, 4. ed., Saunders; 2008. p.2259. 
443. Resposta correta: b. 
Os pulmões são os locais mais comuns de metástases dos sarcomas ósseos. 
Os sarcomas ósseos ainda possuem capacidade para emitir metástases para outros 
ossos. Sendo assim, durante o estadiamento dos sarcomas ósseos, TC do tórax e 
cintilografia óssea devem ser realizadas em busca de metástases. 
Referência: Canale ST. Campbell's operative orthopaedics. 10. ed., St. Louis: Mosby, 2003, 
p.827. 
444. Resposta correta: b. 
O osteoblastoma, denominado também osteoma osteoide gigante, difere do 
osteoma osteoide clássico por ser puramente lítico, com aspecto celular semelhan-
te. Não apresenta sinais de esclerose e tem dimensão maior que 2 cm. Esse tumor 
só foi proposto como entidade patológica distinta em 1956, por Jaffe & Lichtenstein. 
Dez por cento desses tumores têm potencial maligno para osteossarcoma. 
Referência: Bremer R, Niethard F, Ewerbeck V. Benign bone tumors in the growth years. Osteoid 
osteoma and osteoblastoma. Orthopade 1995; 24:2428. 
445. Resposta correta: d. 
O aspecto mais comum da imagem radiológica do osteossarcoma é de uma 
lesão agressiva na metáfise de um osso longo. Embora a lesão possa ser predo-
minantemente blástica ou lítica, em geral estão presentes áreas de destruição 
óssea e de produção óssea. A lesão geralmente é permeativa e as margens, mal 
Respostas comentadas - Seção 7 - Oncologia 325 
definidas. A reação periosteal pode tomar a forma de um "triângulo de Codman", 
ou pode ter um aspecto de "raios de sol''. 
Referência: Canale ST. Campbell's operative orthopaedics. 10. ed., St. Louis: Mosby, 2003, 
p.827. 
446. Resposta correta: a. 
Os critérios de Huvos e Ayala foram desenvolvidos para avaliar o grau de 
resposta à quimioterapia pré-operatória. Depois de realizada quimioterapia neo-
adjuvante e cirurgia, a peça cirúrgica é fatiada e cortada em pequenos quadrados. 
Esses quadrados são então analisados pelo patologista e se consegue a porcenta-
gem de necrose tumoral. Huvos I = até 50 %, mau prognóstico, Huvos II = até 90 
% mau prognóstico, Huvos III = até 99 % bom prognóstico, Huvos 100 % melhor 
prognóstico possível. 
Referência: Próspero JD. Tumores ósseos. São Paulo: Roca; 2005. p.28. 
447. Resposta correta: b. 
O osteossarcoma parosteal é uma malignidade rara de baixo grau, consti-
tuída de que se origina na superfície do osso e invade a me-
dular em estágio mais avançado. Tem uma tendência de ocorrer como tumoração 
ossificada lobulada na face posterior do fêmur distal. Microscopicamente seme-
lhante a um osteossarcoma intramedular de baixo grau, consistindo de células 
fusiformes ligeiramente atípicas, que produzem trabéculas ósseas irregulares. 
Referência: Canale ST. Campbell's operative orthopaedics. St. Louis: Mosby, 10. ed., 2003, 
p.831. 
448. Resposta correta: a. 
De acordo com a classificação dos osteossarcomas, incluem-se entre os de 
superfície o parosteal, o periosteal e o de alto grau. 
Referência: Schajowicz F. Tumors and tumorlike lesions ofbone: pathology, radiology and treat-
ment. New York. Springer Verlag. 2. ed., p.72. 
449. Resposta correta: d. 
Os condrossarcomas secundários originam-se no local de uma lesão car-
tilaginosa benigna preexistente. A incidência, durante toda a vida do condros-
sarcoma secundário, é