A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
 1000 PERGUNTAS (respostas)

Pré-visualização | Página 46 de 50

JB. Management of calcaneal injury. J Am Acad Orthop Surg. 2011;19, 
p.27-36. 
673. Resposta correta: a. 
O mecanismo de trauma mais comum é o indireto e 30-60% dos casos estão 
associados a acidentes automobilísticos. A luxação traumática dorsal ocorre em 
97% dos casos de traumatismos indiretos, os mais frequentes, e em 43% dos casos 
de traumatismos diretos. A artrodese primária só é considerada nas cominuições 
articulares > 50% da superfície articular e nos casos de lesão ligamentar pura em 
obesos e trabalhadores braçais, nunca primariamente nas 4ª e 5ª tarsometatarsais. 
O tempo limite para uma lesão ser tratada primariamente de modo cirúrgico é 
mesmo de seis semanas. Após esse período, estudos indicam melhores resultados 
no tratamento tardio das sequelas, caso de importância clínica. 
Referência: Bucholz RW. Rockwood and Green's fractures in adults. 7.ed. Philadelphia: Lippin-
cott & Wilkins, 2009. 
376 1.000 Perguntas e Respostas Comentadas em Ortopedia e Traumatologia 
674. Resposta correta: e. 
Na deformidade anatômica do halux valgo, os sesamoides não se desviam 
para a lateral, mantendo-se em posição, tracionados pelos músculos adutor e ', 
flexor curto do hálux. · 
Referência: Canale ST, Beaty JH. Campbell's operative orthopaedics. 11. ed. Mosby, 2008. 
675. Resposta correta: d. 
As deformidades são mais comuns no 2° raio, geralmente o mais longo. A 
principal deformidade para o desenvolvimento da garra e do martelo ocorre na 
articulação metatarsofalangeana, porém, o principal deformante é o extensor 
longo dos dedos que, com a dorsiflexão inicial mantida da metatarsofalangeana, 
deixa de atuar como extensor. A calosidade secundária por sobrecarga mais co-
mum na garra/martelo é na região dorsal da interfalangeana proximal. 
Referência: Canale ST. Cirurgia ortopédica de Campbell, 10.ed. Barueri : Manole, 2006. 
676. Resposta correta: e. 
A rotura realmente se dá na maioria dos casos em área de hipovascularização 
do tendão, porém essa área se encontra 2-6 cm proximal à inserção do tendão na 
tuberosidade posterior. Lesões ocorrem em decorrência principalmente de hipo-
vascularização do tendão e microtraumas de repetição, podendo haver um macro-
trauma associado. Os mecanismos são diversos e incluem: push-off com carga do 
antepé enquanto se estende o joelho; dorsiflexão inesperada do tornozelo; dorsi-
flexão violenta de tornozelo em flexão plantar, como em queda de altura; trauma 
direto em tendão contraído; laceração. O teste de Thompsom é o teste clínico mais 
sensível (96%) e o mais específico (93%) dos testes clínicos para o diagnóstico da 
lesão. Apesar de diversos estudos realizados na área, os níveis de indicação tanto 
para o tratamento não cirúrgico quanto para o cirúrgico são considerados fracos, 
com pouco respaldo estatisticamente significante na literatura médica atual. 
Referência: Canale ST, Beaty JH. Campbell's operative orthopaedics. 11. ed. Mosby, 2008. 
Kou J. AAOS Clinicai practice gujdeline: acute Achilles tendon rupture. J Am Acad Orthop Surg. 
2010, 18, p.511 -3. 
677. Resposta correta: a. 
Estatisticamente a frequência e o diagnóstico das fraturas maleolares vêm 
aumentando em todas as faixas etárias, principalmente na população idosa. O 
encurtamento da fíbula, avaliado radiograficamente pela quebra do "Dime Sign'' 
e pela diminuição do ângulo talocrural (normal quando > 83°) representa um 
Respostas comentadas - Seção 11 - Tornozelo e pé 377 
fator indicativo de instabilidade e de indicação para o tratamento cirúrgico. A 
incidência de AP com estresse em rotação externa é ferramenta importante para 
o diagnóstico de lesões do ligamento deltoide, com importância clínica e aumen-
to do espaço claro medial(> 4 mm) e não para o diagnóstico das lesões da sin-
desmose. As fraturas do maléolo medial com fragmentos grandes (> 2,8 cm) 
costumam ser menos instáveis que as com fragmentos menores ( < 1,7 cm), pois 
nos fragmentos maiores todo o complexo ligamentar medial se encontra preso 
ao fragmento nos colículos anterior e posterior do maléolo, facilitando a conso-
lidação e retorno à funcionalidade ligamentar medial. 
Referência: Bucholz RW Rockwood and Green's fractures in adults. 7.ed. Philadelphia: Lippin-
cott & Wilkins, 2009. 
678. Resposta correta: a. 
Em 50% dos casos representa deformidade isolada e nos outros 50% está 
associada a síndromes genéticas. A incidência do pé talo vertical é a mesma nos 
pacientes do sexo feminino e masculino. Ocorre bilateralmente em 50% dos ca-
sos e nos outros 50% representa deformidade unilateral. Realmente representa 
deformidade rara, de incidência desconhecida. 
Referência: Morrissy RT, Weinstein SL. Lovell's and Winter's pediatric orthopaedics. 6. ed. Phila-
delphia: Lippincott Williams & Wilkins, 2005. 
679. Resposta correta: b. 
A contratura secundária do tendão calcâneo nos pacientes com pé plano 
flexível está associada ao início dos sintomas dolorosos, ocorrendo devido à fle-
xão plantar crônica do tálus, com diminuição da dorsiflexão do tornozelo duran-
te a fase de apoio e concentração das forças de carga na articulação subtalar, le-
vando a maior incidência das queixas álgicas. Apenas 20-25% dos casos de 
coalizão tarsal são sintomáticos, dados provavelmente subvalorizados, pois gran-
de parte das coalizões nem mesmo é diagnóstica. Quando doem, realmente a fase 
mais comum de dor é durante a ossificação da barra. O osso navicular acessório 
é o mais comum do pé (frequência de 4-14% das pessoas), é mais comum nas 
meninas e geralmente é bilateral. O principal diagnóstico diferencial do pé talo 
vertical é o pé calcaneovalgo posicional, sendo este muito mais flexível, de his-
tória natural favorável e de fácil correção manual. Outros diagnósticos diferenciais 
importantes são o arqueamento posteromedial congênito da tíbia e o equinoval-
go associado com hemimelia fibular. 
Referência: Morrissy RT, Weinstein SL. Lovell's and Winter's pediatric orthopaedics. 6. ed. Phila-
delphia: Lippincott Williams & Wilkins, 2005. 
378 1.000 Perguntas e Respostas Comentadas em Ortopedia e Traumatologia 
680. Resposta correta: e. 
Diferentemente da deformidade no Charcot-Marie-Tooth, onde o tibial 
anterior e fibular curto são fracos e o tibial posterior e fibular longo são funcio-
nantes com maior acometimento do antepé e flexão plantar do 1 ° raio, na polio-
mielite ocorre enfraquecimento do gastrocnêmio e função preservada do tibial 
anterior, com maior deformidade no retropé e configuração em pé cavocalcâneo. 
A doença de Charcot-Marie-Tooth é uma doença neuromuscular não progressi-
va, sendo duas vezes mais comum em homens, com evolução clínica mais grave 
nas mulheres. Etiologias mais comuns são secudárias a doenças neuromusculares 
(principalmente Charcot-Marie e poliomielite) e por sequela de traumatismos 
dos membros inferiores (principalmente síndrome compartimental dos compar-
timentos posteriores da perna), sendo a etiologia diagnosticada atualmente em 
mais de 80% dos casos. O procedimento de Gould consiste de osteotomia de 
cunha de subtração dorsal da base dos metatarsos, associada à liberação plantar 
dupla, sendo utilizado para tratamento do cavismo do antepé, não tendo efeito 
no retopé. 
Referência: Canale ST. Cirurgia ortopédica de Campbell, 10.ed. Barueri: Manole, 2006. 
681. Resposta correta: d. 
Diferentemente da síndrome do túnel do carpo, no qual o tratamento ci-
rúrgico com liberação do ligamento retinacular transverso costuma melhorar 
muito os sintomas de compressão do nervo mediano, na síndrome do túnel do 
tarso a melhora clínica da neuropatia do tibial posterior não costuma ser tão 
eficaz. O exame de eletroneuromiografia frequentemente dá o diagnóstico da 
síndrome, porém não tem relação com o prognóstico clínico da patologia. A 
fasceíte plantar é um dos principais diagnósticos da síndrome. A diminuição da 
latência sensitiva e