A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
345 pág.
consensos ciiap

Pré-visualização | Página 9 de 50

do processo de triagem82. Desta forma, aconselha-
se uma triagem seletiva envolvendo somente os profissionais de saúde sintomáticos, ao invés 
da triagem universal.83 
 
-Questão 5: Qual o papel da triagem urinária de rotina em pacientes a serem submetidos 
à SAPT? 
Consenso: A triagem urinária de rotina NÃO é obrigatória em pacientes elegíveis para SAPT. 
A triagem urinária prévia à artroplastia eletiva deve ser reservada para pacientes com história 
ou sintomas atuais de infecção do trato urinário (ITU). 
Votação dos Delegados: A Favor: 74%, Contra: 24%, Abstenção: 2% (Forte Consenso) 
Justificativas: As infecções do trato urinário podem, potencialmente, causar bacteremia e 
infecções pós-operatórias da ferida cirúrgica, particularmente em pacientes submetidos à 
artroplastia eletiva. Pacientes com análise e/ou cultura urinárias positivas são usualmente 
tratados com antibióticos antes da cirurgia eletiva. Contudo, não está claro se a análise e 
cultura urinária positiva, submetida a tratamento antibiótico subsequente, pode influenciar a 
incidência de infecção pós-operatória. Na literatura concernente à artroplastia, um estudo não 
encontrou associação significativa entre ITU perioperatória e infecção profunda pós SAPT.84 
Em outro estudo foi observado que pacientes com ITU assintomática, detectada por análise e 
 32 
cultura urinária, apresentaram risco aumentado de ISC pós-operatória, a despeito do 
tratamento.85 A avaliação da relação custo-efetividade estimou que mediante a triagem urinária 
de rotina, 4,58 infecções pós-operatórias em cirurgias não protéticas do joelho podem ser 
prevenidas anualmente, porém com um custo de U$ 1.500 dólares para cada infecção 
prevenida.86 Atualmente, ainda não existem estudos da relação custo-efetividade ou diretrizes 
de organizações oficiais como a Sociedade Americana de Doenças Infecciosas no que diz 
respeito à triagem urinária de rotina e tratamento antibiótico em todos pacientes submetidos a 
SAPT.87,88 Assim, parece razoável reservar a pesquisa urinária e tratamento antibiótico 
somente para os pacientes com história de ITU recorrente ou para aqueles com evidência de 
sintomas sugestivos de infecção ativa. 
 
-Questão 6: As drogas modificadoras do curso da doença (DMCD) devem ser 
interrompidas previamente à SAPT eletiva? 
Consenso: Sim. As DMCD devem ser interrompidas previamente à artroplastia total eletiva. O 
tempo para a interrupção da droga deve ser baseado no tipo de medicação específica e em 
cada paciente isoladamente. A interrupção de medicações imunossupressoras deve ser 
assistida e orientada pelo assistente clínico. 
Votação dos Delegados: A Favor: 92%, Contra: 5%, Abstenção: 3% (Forte Consenso) 
Justificativas: De acordo com extensa revisão na base de dados do Medicare, os pacientes 
com Artrite Reumatóide (AR) apresentam riscos mais elevados de contrair IAP.89 A taxa de 
infecção entre pacientes com AR submetidos à artroplastia total do joelho (ATJ) é 1,6 vezes 
maior que em pacientes submetidos ao mesmo procedimento, por osteoartrite (OA).90 O maior 
risco de infecção em pacientes com AR pode ser devido à terapia imunossupressora, incluindo 
os corticoides, como a prednisona, e as DMCD, como o metotrexato.91,92 Altas doses de 
corticoides e bloqueadores do Fator de Necrose Tumoral (Anti-TNF), utilizados dentro do 
período de 1 ano da cirurgia, demonstraram aumento do risco de infecção subsequente.93,94 
Dois estudos, um dos quais controlado, prospectivo e randomizado (ECR), não detectaram 
diferença quer nas complicações da ferida cirúrgica, como na taxa de infecção entre pacientes 
submetidos a SAPT que continuaram ou que interromperam o uso de metotrexato previamente 
à cirugia.95,96 Por outro lado, 2 outros estudos, um dos quais prospectivo não randomizado, 
mostrou uma taxa aumentada de ISC e IAP em pacientes que continuaram o uso de DMCD 
previamente a SAPT.94,97 Nós recomendamos que o manejo das DMCD seja baseado em sua 
meia-vida. A Associação Canadense de Reumatologia recomenda que o uso destas drogas 
 33 
seja interrompido previamente ao ato cirúrgico em um tempo equivalente a 3-5 vezes a meia-
vida de cada substância específica, período este que pode durar de 0 a 3 meses.98 É 
importante observar que os corticoides não devem ser interrompidos abruptamente devido ao 
risco de induzir a deficiência de cortisol, decorrente da supressão do eixo Hipotálamo-
Pituitária-Adrenal. A interrupção da medicação imunossupressora deve ser feita sob 
orientação e comando do clínico responsável. 
 
A Tabela abaixo lista as recomendações para interrupção de medicamentos (DMCD), em 
função de sua meia-vida. 
Medicação Meia Vida * Recomendação 
Drogas Anti-inflamatórias não 
hormonais (AINH) 
2-17 horas 
 Interromper a medicação na semana prévia à 
 Cirurgia. 
 
Metotrexato 
 
 
0.7 - 5.8 
horas 
 Interromper a medicação uma semana prévia à 
cirurgia. 
 Reiniciar 2 semanas após a cirurgia. 
(Pacientes com disfunção renal, manter 2 semanas 
prévias à cirurgia) 
Sulfasalazina 
Azatioprina 
5 - 7.6 
horas 
 Interromper a medicação uma semana prévia à 
cirurgia. 
Leflunomida ~2 semanas Manter até 6 semanas prévias à cirurgia 
Hidroxicloroquina 1-2 meses Manter a droga até o dia da cirurgia (inclusive) 
 34 
 
 
-Questão 7: Em pacientes com artrite séptica prévia, quais estratégias devem ser 
realizadas para minimizer o risco de IAP subsequente? 
Consenso: TODOS os pacientes com artrite séptica prévia deverão submeter-se a avaliação 
sorológica e aspiração articular previamente à artroplastia, sempre que possível. 
Votação dos Delegados: A Favor: 84%, Contra: 14%, Abstenção: 2% (Forte Consenso) 
Consenso: Ainda que o momento ideal para a realização da artroplastia eletiva em um 
paciente com artroplastia infectada prévia necessite de mais pesquisas, os cirurgiões devem 
garantir que não exista nenhuma evidência de infecção ativa, colhendo culturas intra-
operatórias. 
Votação dos Delegados: A Favor: 85%, Contra: 14%, Abstenção: 1% (Forte Consenso) 
Consenso: Durante a artroplastia em que o cimento ósseo é utilizado, antibióticos devem ser 
adicionados ao cimento. 
Votação dos Delegados: A Favor: 90%, Contra: 5%, Abstenção: 5% (Forte Consenso) 
Consenso: Caso as culturas intraoperatórias sejam positivas, o uso prolongado de antibióticos 
intravenosos deve ser apropriadamente instituído, sob a orientação de infectologistas. 
Agentes Modificadores da 
Resposta Biológica 
Etanercepte 
 
Infliximabe 
 
Golimumabe 
Tocilizumabe 
Abatacepte 
Adalimumabe 
Certolizumabe 
 
Rituximabe 
 
 
 
4.3 dias 
 
8-10 dias 
 
 
 
12-14 dias 
 
 
21 dias 
 
 
 
 Manter pelo menos até 1.5 semanas prévias à 
cirurgia 
 Manter até 3 semanas prévias à cirurgia 
 
 Manter até 1 mês prévio à cirurgia 
 
 
 
 Manter até 2 meses prévios à cirurgia 
Agentes Antigotosos 
Alopurinol 
Colchicina 
Probenecide 
 
1-2 horas 
26-32 horas 
26-32 horas 
 
 
 
 Interromper 1 semana prévia à cirurgia 
 
 35 
 
Votação dos Delegados: A Favor: 93%, Contra: 5%, Abstenção: 2% (Forte Consenso) 
Justificativas: A Artrite Séptica pode acarretar destruição rápida da cartilagem articular e 
resultar em osteoartrite avançada. Os Staphylococcus são a causa mais frequente de infecção 
articular bacteriana, em que o S. aureus é o agente etiológico primário em muitas series de 
casos do Reino Unido, França e Austrália.99-101 Marcadores inflamatórios tais como a 
Velocidade de Hemossedimentação (VHS) e Proteina C Reativa (PCR) são comumente 
dosados para a avaliação