Livro Qualidade de Vida no Trabalho
212 pág.

Livro Qualidade de Vida no Trabalho


DisciplinaRecursos Humanos6.948 materiais22.536 seguidores
Pré-visualização45 páginas
Curitiba
2016
Qualidade de 
Vida no Trabalho
Tarcis Prado Junior
Ficha Catalográfica elaborada pela Fael. Bibliotecária \u2013 Cassiana Souza CRB9/1501
P896q Prado Junior, Tarcis
Qualidade de vida no trabalho / Tarcis Prado Junior. \u2013 Curitiba: Fael,
2016.
212 p.: il.
ISBN 978-85-60531-66-0
1. Administração de pessoal 2. Qualidade de vida no trabalho
I. Título
CDD 658.3 
Direitos desta edição reservados à Fael.
É proibida a reprodução total ou parcial desta obra sem autorização expressa da Fael.
FAEL
Direção de Produção Fernando Santos de Moraes Sarmento
Coordenação Editorial Raquel Andrade Lorenz
Revisão Editora Coletânea
Projeto Gráfico Sandro Niemicz
Capa Vitor Bernardo Backes Lopes
Imagem da Capa Shutterstock.com/Igor Klimov/areeya_ann
Arte-Final Evelyn Caroline dos Santos Betim
Sumário
 Carta ao Aluno | 5
1. Escolas e Modelos de Qualidade de Vida no Trabalho | 7
2. Clima, Cultura Organizacional e 
Responsabilidade Social | 23
3. Enfoque Biopsicossocial da QVT | 39
4. Saúde e Segurança dos Funcionários | 57
5. Causas de Acidentes e Como Evitá-lo | 73
6. Ergonomia e os Riscos à Saúde | 83
7. Estresse no Ambiente de Trabalho | 111
8. Conceitos de Higiene no Trabalho: Como Desenvolver 
um Programa de Higiene e Segurança | 135
9. Aspectos Legais Envolvendo Auxílio-
doença e Acidentes do Trabalho | 155
10. Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) | 177
 Conclusão | 201
 Referências | 203
Prezado(a) aluno(a),
Este livro procura abordar o assunto qualidade de vida no 
trabalho de uma perspectiva descritiva e crítica. A obra vai abordar 
diversos temas, que estão subdivididos em 10 capítulos. O primeiro 
capítulo vai abordar as escolas e modelos de qualidade de vida no 
trabalho, e o segundo, os conceitos de clima, cultura organizacional 
e responsabilidade social. Já o terceiro capítulo vai abordar os aspec-
tos biopsicossociais da qualidade de vida no trabalho, e o quarto a 
saúde e a segurança dos funcionários no trabalho.
Carta ao Aluno
\u2013 6 \u2013
Qualidade de Vida no Trabalho
O quinto capítulo do livro trata das causas de acidentes do trabalho e de 
como evitá-los; o sexto capítulo aborda a ergonomia, fatores de risco e danos 
à saúde do trabalhador. O sétimo capítulo trata do estresse no ambiente de 
trabalho e o oitavo trata da higiene e segurança dos funcionários (colabora-
dores) nas empresas, fábricas e demais setores. O nono aborda aspectos legais 
envolvendo auxílio-doença, os acidentes de trabalho \u2012 mostrando as maneiras 
de evitá-los, além de trazer estudos sobre a taxa destes ao redor do mundo e 
principalmente no Brasil.
Fechando o livro, o décimo capítulo apresenta a Comissão Interna de 
Prevenção de Acidentes (CIPA). Desta maneira, o leitor poderá ter um pano-
rama do que se entende hoje por qualidade de vida no trabalho, além de 
ter condições de analisar criticamente suas próprias condições na empresa/
fábrica/setor que atua.
Boa leitura!
1
Escolas e Modelos 
de Qualidade de 
Vida no Trabalho
Neste capítulo, trataremos de maneira mais direta a quali-
dade de vida no trabalho (QVT), mostrando como ela acontece nas 
empresas e também apresentando alguns modelos, além de algumas 
escolas (linhas de pensamento) que tratam dessa questão.
Qualidade de Vida no Trabalho
\u2013 8 \u2013
Objetivos de aprendizagem:
 2 conhecer a escola socioeconômica sobre a QVT;
 2 conhecer a escola organizacional sobre a QVT;
 2 conhecer a escola de condução humana no trabalho sobre a QVT;
 2 identificar o modelo de QVT de Walton;
 2 identificar o modelo de QVT de Westley;
 2 identificar o modelo de QVT de Werther e Davis;
 2 identificar o modelo de QVT de Huse e Cummings;
 2 identificar o modelo de QVT de Nadler e Lawler;
 2 identificar o modelo de QVT de Hackman e Oldham.
O tema qualidade de vida no trabalho tem sido tratado como um leque 
amplo e, geralmente, confuso. As definições de QVT vão desde cuidados 
médicos estabelecidos pela legislação de saúde e segurança até atividades 
voluntárias dos empregados e dos empregadores nas áreas de lazer, motivação 
e inúmeras outras. A maioria desses caminhos leva à discussão das condições 
de vida e de bem-estar de pessoas, grupos, comunidades e até mesmo do Pla-
neta e de sua inserção no Universo. Na verdade, a base da discussão sobre o 
conceito de qualidade de vida destaca escolhas de bem-estar e percepção do 
que pode ser feito para atender a expectativas criadas tanto por gestores como 
por usuários das ações de QVT nas empresas (LIMONGI-FRANÇA, 2014).
Considerando os diversos conceitos, critérios, abordagens, indicadores e 
outros meios de discussão da QVT, podemos agrupar o assunto em escolas de 
pensamento. Essas escolas são: socioeconômica, organizacional e condução 
humana no trabalho.
1.1 Escola socioeconômica
Segundo Limongi-França (2014), na atualidade, talvez a contribuição 
mais reveladora no campo da organização sociopolítica das nações seja a 
denominada \u201cterceira via\u201d. Anthony Giddens (1998, p. 37-76), seu principal 
\u2013 9 \u2013
Escolas e Modelos de Qualidade de Vida no Trabalho
idealizador, situa os dilemas da sociedade nos últimos 15 anos: a globalização, 
o individualismo e as posições políticas de esquerda e de direita, que parecem 
não ter mais sentido. Cresce a consciência sobre o desenvolvimento susten-
tável e o futuro das novas gerações, o que coloca em xeque o processo de 
globalização. Para o autor, o objetivo geral da política da terceira via deveria 
ser ajudar os cidadãos a abrirem seu caminho por meio das mais importantes 
revoluções de nosso tempo: globalização, transformação na vida pessoal e 
relacionamento com a natureza.
Os valores difundidos pela terceira via estão fundamentalmente assen-
tados no princípio da igualdade social, na proteção aos vulneráveis, na liber-
dade com autonomia, nos direitos com responsabilidade, na autoridade com 
democracia, no pluralismo cosmopolita, entre outros. Esses princípios afron-
tam o conservadorismo neoliberal, principal fonte ideológica da globaliza-
ção. De forma esquemática, Giddens (1998, p. 37-76) enumera os princípios 
básicos dessa nova corrente política:
 2 desenvolvimento da cidadania;
 2 responsabilidade e projetos sociais;
 2 igualdade com liberdade;
 2 preservação do meio ambiente;
 2 desenvolvimento sustentável.
A globalização tem impulsionado novas relações de trabalho e tendências 
que, certamente, estão refletindo na segurança, na saúde e nas expectativas do 
trabalhador. Cada vez mais avançada, a tecnologia proporciona equipamen-
tos de proteção mais seguros e a medicina preventiva pode contar, por sua vez, 
com estudos e mais soluções. Ao mesmo tempo, novos desafios surgem pela 
revolução nas relações de produção e nas formas ocupacionais, por exemplo, 
o trabalho a distância. Reivindicações para diminuir a carga horária de traba-
lho acontecem em vários países e, quando atendidas, esse tempo livre para o 
trabalhador descansar ou fazer outras atividades é direcionado para o turismo 
e o consumo. Simultaneamente, a inclusão de novas tecnologias pode impli-
car a exclusão de pessoas da esfera produtiva (LIMONGI-FRANÇA, 2014).
Qualidade de Vida no Trabalho
\u2013 10 \u2013
Figura 1.1 \u2013 Trabalho à distância (nova tendência)
Fonte: Shutterstock.com/GaudiLab.
Esses paradoxos da era moderna indicam a constituição de um novo 
paradigma das ciências sociais. A sociedade nacional está sendo redescoberta, 
assimilada ou subsumida pela sociedade global, uma realidade que ainda não 
está suficientemente codificada.
1.2 Escola organizacional
A dimensão socioeconômica está presente e condiciona as formas de 
encarar teórica e analiticamente as questões de QVT. No caso da saúde, por 
exemplo, a prática terapêutica deve ser entendida somente como um dos ins-
trumentos modernos