A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
30 pág.
SINDROME DOS OVARIO POLICISTICOS

Pré-visualização | Página 1 de 1

Síndrome dos ovários 
poliquísticos
 A infertilidade é uma 
incapacidade temporária ou 
permanente (situação rara) 
de conceber um filho e levar 
até ao fim a gravidez.
 É um problema comum.
 Pode provir de homens 
(cerca de 40% dos casos) e/ 
ou de mulheres (cerca 40% 
dos casos).
 Independentemente de 
quem esteja na 
origem, afecta ambos. 
 Em 85% dos casos, as 
causas podem ser 
diagnosticadas através do 
estudo adequado do 
casal, podendo assim ser 
aplicado o tratamento mais 
adequado para solucionar o 
problema.
 A ovulação consiste 
na libertação de um 
óvulo maduro por um 
ovário e é 
fundamental para o 
processo de 
reprodução.
 Anovulação é o termo 
médico que designa a 
ausência de ovulação 
(falha dos ovários em 
libertar um oócito).
 Pode ter início na puberdade.
 Afecta 20 a 25 % das mulheres e 
é relativamente comum
 É o principal factor para o 
desencadeamento da síndrome 
do ovário poliquístico (SOP).
 Pode ser causada por :
1. desequilíbrios hormonais ou 
químicos
2. ou problemas funcionais 
(entre os quais a idade e a 
menopausa precoce)
Desequilíbrio hormonal é a causa mais 
comum -70% dos casos. 
 Consiste na não produção de 
folículos suficientes para o 
desenvolvimento do óvulo.
 O hipotálamo controla a glândula 
pituitária;
 A glândula pituitária controla a 
maioria das glândulas hormonais no 
corpo humano, afectando-as.
Alguns dos sintomas são :
 falta de menstruação (amenorreia)- 20% 
das mulheres,
menstruação não frequente e de pouco 
fluxo - 40% das mulheres,
dor ou sensibilidade nos seios (falta de 
mastalgia)- 20% das mulheres,
aumento de pêlos masculinos na face e 
no corpo, 
variação da temperatura corporal.
Para o tratamento da anovulação, que 
é adaptável a cada paciente ,é 
necessário, primeiro, diagnosticar o 
tipo de anovulação de que se trata.
 Esta síndrome foi descrita pela primeira vez em 
1935 por Stein e Leventhal (daí também se poder 
chamar síndrome de Stein e Leventhal).
 Afecta cerca de 5 a 10% das mulheres.
 Nos casos de infertilidade é o caso mais 
comum, afectando 70% das mulheres.
 Existem também 20 a 30% de mulheres, que têm 
quistos nos ovários mas que nao apresentam a 
síndrome.
 A SOP normalmente inicia-se na puberade e é 
progressiva até à menopausa, piorando com a 
idade.
 A relevância da doença define-se de acordo com 
a fase da vida em que a mulher se encontra.
 A maior parte das mulheres só se apercebe da 
doença quando tenta engravidar e não consegue.
 Ter ovários poliquisticos significa que uma 
mulher tem no(s) seu(s) ovário(s) vários 
quistos.
 Já a síndrome dos ovários poliquisticos é 
uma desordem complexa de origem 
endrócrina que afecta quatro compartimentos 
endócrinos: ovários, glândulas supra-
renais, pele e, principalmente, provoca uma 
disfunção e tem como principais elementos a 
anovulação crónica e o hiperandrogenismo.
 Em cada ciclo normal, cada ovário produz 
folículos (normalmente dez por mês) e um 
deles vai amadurecendo até estar na altura 
própria para ser expulso pelo ovário-
ovulação. 
 Todas as mulheres, nos seus 
ovários, produzem, fisiologicamente, androg
énios – testosterona-, responsáveis pelo 
estímulo sexual.
 As mulheres com ovários poliquísticos 
produzem uma quantidade maior de 
hormonas masculinas. 
 Este desequilíbrio hormonal leva a uma 
maior produção de testosterona que, além 
de aumentar a possibilidade de incidência 
de quistos interfere na ovulação impedindo-
a. 
 O folículo de cada mês, devido às 
alerações hormonais, não 
completa o seu amdurecimento e 
por isso não ocorre a 
ovulação, acabando por atrofiar e 
se degenerarem nos ovários 
juntamente com outros folículos.
 São estes folículos atrofiados-
quistos- que se vêem quando se 
faz uma ultra-sonografia. 
Normalmente estes quistos são 
em número de 10 a 20 e medem 
aproximadamente meio 
centrímetro de diâmetro. 
 Visto que não hà ovulação é obvio 
que é impossivel a fecundação e 
daí a SOP ser uma problema de 
infertilidade. 
Apesar de toda a tecnologia actual e 
da quantidade de casos 
existentes, ainda não é certa a 
fisiopatologia desta síndrome e as 
razões para o seu desenvolvimento
 Pensa-se que a SOP está relacionada com o 
aumento da hormona LH (Hormona Lutioestimulina) 
que estimula os ovários a produzirem mais 
androgénios (neste caso a testosterona)
 Isto desregula o controlo da produção de outras 
hormonas impedindo o amadurecimento do folículo 
até à altura da ovulação. 
 O que ainda está em estudo é o que provoca este 
desiquilibrio a nível hormonal e para 
isto, actualmente, relaciona-se com a resistência à 
insulina, hiperandrogenismo e a alteração na 
dinâmica das gonadotropinas. 
 Estes problemas acabam por se 
manifestar através do acne, do 
hirsutismo, seborreia e 
alopecia. 
 Todos estes 
fenómenos, relacionados com a 
unidade polissebacea, fazem 
com que muitas vezes sejam os 
dermatologistas a fazer um 
diagnóstico precoce evitando o 
atraso na aplicação de medidas 
terapeutico-preventivas.
 Uma outra hipótese explicativa 
é, por exemplo, numa mulher 
obesa, a insulina não conseguir 
metabolizar todo o açúcar que entra 
no corpo da mulher e isso obrigar a 
que o pâncreas produza mais 
insulina -hiperinsulinémica. 
 Esta produção leva os ovários a 
produzir hormonas masculinas em 
maior quantidade que o normal 
(podendo afectar a fertilidade 
feminina) o que por sua vez leva à 
libertação da hormona LH 
(produzida pela hipófise para 
estimular os 
ovários), desregularizando todo o 
ciclo de hormonas afectando a 
ovulação.
Irregularidade menstrual 
(cerca de 29% dos casos)
Ausência de menstruação 
(cerca de 51% dos casos)
Aparecimento de acne e virilização
(cerca de 21% dos casos)
Hisurtismo ou aparecimento de pêlos 
masculinos (cerca de 69% dos casos)
É NECESSÁRIO FAZER EXAMES NÃO BASTAM OS SINTOMAS!
 Quando se manifestam alguns destes sintomas as pacientes 
realizam exames (ultra- sonografia) ou uma medição da dosagem 
hormonal
 Se não existe o desejo de engravidar:
Anticoncepcionais orais Medicamentos à 
(pílula) base de progesterona
Existem também métodos cirúrgicos 
para o tratamento desta doença mas 
actualmente são pouco usados. 
Muitas vezes a síndrome está associada 
à resistência da paciente à insulina e um 
dos possíveis tratamentos é o uso de 
medicamentos para a diabetes.
Quando há desejo de engravidar:
Induzir a ovulação é um possível 
tratamento.
 Pretendendo ou não engravidar qualquer mulher 
portadora da síndrome terá que ter alguns cuidados.
 Pacientes que possuam esta doença deveram ser correctamente 
avaliadas em relação à resistência à insulina e a síndrome 
metabólica, pois são doenças que abrem o caminho para se 
desenvolverem alterações vasculares, diabetes, hipertensão 
arterial e aumentar o risco cardiovascular.
 Posicionamento 
do quisto 
ovariano dentro 
de um saco 
laparoscópico
(endobag)
 Aspiração do 
conteúdo do 
quisto
 Descolamento da 
parede do quisto 
do tecido 
ovariano