A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
SOCIOLOGIA E EDUCAÇÃO

Pré-visualização | Página 3 de 3

da sociedade em Durkheim é o de solidariedade, ou seja, o modo como se dão as relações de cooperação que garantem a coesão de qualquer grupo social. Para ele, a solidariedade pode ser orgânica ou mecânica. Nas sociedades menos complexas, a solidariedade era mecânica, ou seja, as pessoas desempenhavam tarefas semelhantes e, por isso, tendiam a “pensar com a mesma cabeça”. O que garantia a coesão era a cooperação por semelhança, como em sociedades indígenas, em que os homens iam caçar e um ajudava o outro na caça e as mulheres cuidavam da agricultura e também se ajudavam. Nas sociedades industriais capitalistas passou a predominar outro tipo de solidariedade, a orgânica. Nela, a solidariedade se dá pela diferença, e não mais pela semelhança. As pessoas desempenham atividades diferentes que se completam, como os órgãos do corpo humano, por exemplo. Por isso, todas as três alternativas estão corretas.
	
	
	
Pergunta 8
0,3 em 0,3 pontos
	
	
	
	Ele defendeu que a função própria da escola capitalista consistia na reprodução da sociedade e que toda ação pedagógica seria uma imposição arbitrária da cultura das classes dominantes. Para ele, a escola inculcava, isto é, “colocava na cabeça dos alunos”, por imposição, o conjunto de valores, práticas e modos de pensar que os grupos dominantes definiam a fim de garantir a manutenção do status quo.  
 
Trata-se do pensamento de:
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	b. 
Louis Althusser.
	Respostas:
	a. 
Pierre Bourdieu.
	
	b. 
Louis Althusser.
	
	c. 
Karl Marx.
	
	d. 
Émile Durkheim.
	
	e. 
Jean-Claude Passeron.
	Feedback da resposta:
	Resposta: alternativa b) Louis Althusser. 
 
Comentário: a formulação apresentada remete ao pensamento de Louis Althusser. Para este pensador, o Estado capitalista possui aparelhos ideológicos e repressivos por meio dos quais busca reproduzir, isto é, dar continuidade e manter a situação de dominação de uns sobre os outros. Ele divide essas duas categorias, de modo que aparelhos ideológicos são considerados aqueles responsáveis por inculcar, isto é, colocar nas cabeças das pessoas o que elas devem pensar. São eles, principalmente, a escola, a igreja, a família e a mídia (imprensa), mas também são reforçados pelos órgãos de justiça (que julgam de acordo com as regras dos grupos dominantes e, assim, transmitem uma lição), sindicatos e política (os quais, geralmente dominados por interesses econômicos, dão o tom do pensamento para as massas controladas). Por outro lado, os que fogem aos mecanismos de persuasão (o que os aparelhos ideológicos deveriam fazer) são reprimidos pela violência física e moral de órgãos encarregados de reprimir e “impor a ordem”, como a polícia, as Forças Armadas etc.
	
	
	
Pergunta 9
0,3 em 0,3 pontos
	
	
	
	Por causa do trabalho alienado a que estão submetidos, os homens adquirem uma consciência falsa do mundo em que vivem, veem o trabalho alienado e a dominação de uma classe social sobre a outra como fatos naturais e passam, portanto, a compartilhar uma concepção de mundo dentro da qual só têm acesso às aparências, sem ser capaz de compreender o processo histórico real. Isso é denominado ideologia. A ideologia, portanto, é aquele sistema ordenado de ideias, de concepções, de normas e regras que obriga os homens a comportarem-se segundo a vontade “do sistema”, mas – e isso é importante – como se estivessem se comportando segundo a sua própria vontade.
 
Podemos atribuir o excerto acima a qual pensador?
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	b. 
Karl Marx.
	Respostas:
	a. 
Max Weber.
	
	b. 
Karl Marx.
	
	c. 
Émile Durkheim.
	
	d. 
Auguste Comte.
	
	e. 
Jean-Jacques Rousseau.
	Feedback da resposta:
	Resposta: alternativa b) Karl Marx.
 
Comentário: os conceitos de alienação e ideologia aplicados à compreensão da dinâmica de funcionamento da sociedade industrial capitalista são, nestes termos, características específicas do pensamento de Karl Marx.
	
	
	
Pergunta 10
0,3 em 0,3 pontos
	
	
	
	Tendo vivido sob o impacto de duas guerras mundiais, alguns pensadores (especialmente os existencialistas e fenomenologistas) perguntavam-se o que estava errado na educação para formar homens que chegavam a se odiar tanto. O otimismo pedagógico do começo do século não resistiu a tanta violência. A partir da segunda metade do século XX, a crítica à educação e à escola se acentuou. O otimismo foi substituído por uma crítica radical à dinâmica de funcionamento da escola. Entre os maiores críticos, encontramos o filósofo francês Louis Althusser; além dos sociólogos também franceses Pierre Bourdieu e Jean-Claude Passeron, de Claude Baudelot e Roger Establet. As obras desses autores tiveram grande influência no pensamento pedagógico brasileiro da década de 1970.
 
Esses autores são frequentemente chamados de:
	
	
	
	
		Resposta Selecionada:
	b. 
crítico-reprodutivistas.
	Respostas:
	a. 
crítico-produtivistas.
	
	b. 
crítico-reprodutivistas.
	
	c. 
reprodutivista-reflexivos.
	
	d. 
produtivista-reflexivos.
	
	e. 
crítico-analíticos.
	Feedback da resposta:
	Resposta: alternativa b) crítico-reprodutivistas.
 
Comentário: por conta do tipo de análise crítica da escola e da sociedade que fizeram, os autores citados ficaram conhecidos como teóricos crítico-reprodutivistas, ou simplesmente teóricos críticos da escola e da sociedade, e também como teóricos reprodutivistas. Isso porque a base de sua crítica recaiu sobre a reprodução, isto é, a continuidade e permanência das desigualdades sociais. Dizendo de outro modo, teóricos reprodutivistas são aqueles que acreditam que a escola reproduz em seu interior as desigualdades da sociedade ao invés de contribuir para sua superação. Antes, prossegue apenas garantindo a continuidade do sistema capitalista e de suas injustiças, formando os ricos para assumirem os cargos de comando intelectual da sociedade e os pobres para servirem como mão de obra barata e desqualificada.