A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Resumo  Contratos em Espécia   Aula 14   Responsabilidade Civil

Pré-visualização | Página 1 de 2

PLANO DE DISCIPLINA
DIREITO CIVIL IV – CONTRATOS EM ESPÉCIE
AULA 14 – RESPONSABILIDADE CIVIL
1 – Requisitos: Aquele que, por ato ilícito, causar dano a outrem, fica obrigado a repará-lo (art. 927, CC).
2 – Conceito de ato ilícito: aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito (art. 186, CC).
3 – Elementos do Ato Ilícito:
a) Conduta: A conduta tem que ser humana e envolvida por uma vontade, vontade essa contrária ao direito, que produz consequências jurídicas.
A conduta será comissiva ou omissiva; um fazer ou um não fazer, quando deveria fazer.
Ação é o movimento corpóreo positivo; o agente age.
Omissão é o não agir quando deveria agir, para impedir o resultado. Aqui, quem tinha o dever jurídico de agir não agiu.
Só responde por uma conduta quem a praticou.
Contudo, a lei traz situações em que a responsabilidade pode nascer por fato de outrem, a quem o responsável estava ligado por um dever de guarda, vigilância e cuidado (art. 932, CC – Pais, tutores e patrão). Pode alguém ainda ser responsabilizado por dano causado por animal ou coisa, que estava sob sua guarda (arts. 936 a 938, CC).
b) Imputabilidade: é a consciência da ilicitude da conduta pelo agente. Aqui está o conceito de impossibilidade de conduta diversa.
Elementos: maturidade e sanidade mental.
Em regra, os incapazes não são responsáveis, porque lhes falta maturidade e sanidade.
Contudo, o art. 116, Lei n. 8.069/90 diz que o adolescente (menor entre 12 e 18 anos) pode ser compelido pelo Juiz a restituir a coisa, promover o ressarcimento do dano ou compensar o prejuízo.
O art. 928, CC determina que os incapazes respondem pelos prejuízos que causar se as pessoas por ele responsáveis não tiverem obrigação de fazê-lo ou não dispuserem de meios suficiente. O fundamento de tal responsabilização é o restabelecimento do equilíbrio social. O valor da indenização deve obedecer um critério de equidade, já que não pode tirar do incapaz o mínimo para sobreviver.
c) Culpa: Como já visto, conduta é o comportamento humano voluntário. Conduta voluntária é a conduta determinada pela vontade. É exatamente a vontade que distingue a conduta humana das demais condutas que são irrepreensíveis. A vontade é o elemento subjetivo da conduta. A culpa, todavia, tem graus, que pode ser de maior ou menor intensidade.
Para haver vontade, basta que exista um mínimo de participação subjetiva, uma manifestação do querer suficiente para afastar um resultado puramente mecânico.
A intenção, por sua vez, é o elemento finalístico da vontade; é o que direciona a vontade.
Para o Direito Civil, a indenização é proporcional ao dano sofrido pela vítima (art. 403, CC). Contudo, o art. 944, CC determina que poderá o Juiz reduzir o valor da indenização se houver excessiva desproporção entre a gravidade da culpa e o dano.
c.1) Dolo: A vontade se dirige à concretização de um resultado antijurídico. O dolo abrange a conduta e o efeito lesivo.
c.2) Culpa: O agente quer pratica a conduta, mas não procura causar dano, como objetivo de conduta. Contudo, causa o dano por desvio acidental de conduta decorrente de falta de cuidado.
A falta de cuidado exterioriza-se através da imprudência, da negligência e da imperícia.
A imprudência é falta de cuidado por conduta positiva. Age com imprudência o motorista que dirige em alta velocidade ou avança o sinal vermelho.
A negligência é a mesma falta de cuidado, mas por conduta omissiva. Age com negligência o motorista que dirige um carro sem condições de trafegar, por deficiência nos freios.
A imperícia decorre da falta de habilidade no exercício de atividade técnica.
A culpa pode decorrer do próprio fato, dispensando-se prova. É a culpa in re ipsa. Aqui, a vítima prova um fato, cabendo ao agente provar que não agiu com culpa.
A culpa concorrente ocorre quando, paralelamente à conduta do agente causador do dano, há também conduta culposa da vítima, de forma que o evento danoso decorre da conduta de ambos. Nesses casos, haverá divisão da indenização, na proporção do grau de responsabilidade de cada um.
d) Nexo Causal
d.1) Conceito: O resultado de que que depende a existência do crime, somente é imputável a quem lhe deu causa (art. 13, CP). Em outras palavras, ninguém pode responder por algo que não fez.
É preciso que o dano suportado pela vítima tenha sido causado pela conduta ilícita do agente.
Há que se tirar, primeiro, os fatos que foram irrelevantes para a efetivação do dano. O critério eliminatório consiste em estabelecer que, mesmo na ausência desses fatos, o dano ocorreria.
d.2) Teorias:
d.2.1) Teoria da Equivalência dos Antecedentes: Essa teoria não faz distinção entre causa e condição, de forma que, se várias condições concorrem para o mesmo resultado, todas têm o mesmo valor, a mesma relevância, todas se equivalem.
Para os adeptos dessa teoria, causa é a ação ou omissão, sem a qual o resultado não teria ocorrido, sem distinção da maior ou menor relevância que cada uma teve.
É também conhecida com teoria da conditio sine qua non.
Para se saber se uma determinada condição é causa, elimina-se mentalmente essa condição, através de um processo hipotético. Se o resultado desaparecer, a condição é causa, mas se persistir não o será.
Critica-se por conduzir a uma exasperação da causalidade, em um processo de regressão infinita.
d.2.2) Teoria da Culpabilidade Adequada: Causa é o antecedente não só necessário mas também adequado à produção do resultado. Se várias são as causas, somente uma é a mais adequada à produção do evento.
Aqui se diferencia causa de condição.
Causa adequada será aquela que, de acordo com o curso normal das coisas e a experiência comum da vida, se revelar a mais idônea para gerar o evento.
OBS: A teoria aceita pelo Direito Civil Brasileiro é o da culpabilidade adequada.
e) Dano
e.1) Conceito: Dano é o prejuízo suportado pela vítima. O dano é o elemento caracterizador da responsabilidade civil, já que existe responsabilidade sem culpa, mas jamais existirá responsabilidade sem dano (art. 402, CC).
A diferença que existe da responsabilidade criminal e civil verifica-se aqui: nos crimes de mera conduta não há dano, mas há crime; no direito civil, ao contrário, ainda que haja crime, o ato ilícito pode não dar ensejo à responsabilidade civil, desde que não haja prejuízo.
Quando ainda não havia o dano moral, podia se conceituar o dano como sendo a efetiva diminuição do patrimônio da vítima. Atualmente, o correto, é conceituar o dano como sendo a subtração ou diminuição de um bem jurídico, quer patrimonial, quer extrapatrimonial.
e.1.1) Dano Patrimonial: Ou dano material ocorre quando se atinge bens integrantes do patrimônio da vítima. O conceito empregado de patrimônio compreende todo o conjunto de relações jurídicas de uma pessoa apreciável economicamente.
Patrimônio, portanto, abrange tanto as coisas corpóreas como incorpóreas.
O patrimônio também pode ser presente, no momento da ocorrência do ilícito, como também pode ser futuro.
e.1.1.1) Dano Emergente: É tudo aquilo o que a vítima perdeu, em razão da ocorrência de um ato ilícito.
e.1.1.2) Lucro Cessante: É o dano patrimonial futuro, consistente na redução dos ganhos, no impedimento de lucro.
OBS: O valor do dano patrimonial, quando se trata dos lucros cessantes, deve ser razoável. Razoável é o que for adequado, necessário e proporcional. O Juiz deve fazer um juízo de probabilidade, de acordo com o normal desenrolar dos fatos. Deve-se fazer o seguinte esforço mental: se não tivesse ocorrido o ato ilícito, aquilo que se pede seria o lucrado?
OBS: A Perda de uma Chance ocorre quando, em virtude da conduta de outrem, desaparece a probabilidade da ocorrência de um determinado evento, que possibilitaria um benefício.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.