Roteiro de Aula 4 Linfócitos T e B
10 pág.

Roteiro de Aula 4 Linfócitos T e B


Disciplina<strong>imunolof</strong>6 materiais
Pré-visualização2 páginas
Linfócitos T e B
Resposta Aos Antígenos
Prof. Juliana Pinheiro
UNIC 2017
LINFÓCITOS B
Promove a Imunidade Humoral
Receptor específico de Ag na superfície: Imunoglobulina (Ig) ou BCR (B Cell receptor)
Após ativação diferencia-se em células de memória ou em plasmócitos
Plasmócitos
Células produtora de anticorpos (Ac)
Raramente encontrados na circulação
 Presente em tecidos e órgãos linfoides secundários e medula óssea
LINFÓCITOS T
Induzem a Imunidade Celular
Receptor de Ag na superfície: RCT (receptor de cél.T) ou TCR (T cell receptor)
Tipos de linfócitos T:
TCD8 ou Citotóxico (Tc) \u2013 lise das células infectadas.
TCD4 ou Auxiliar (Ta) \u2013 ativam outros linfócitos.
Receptor RCT ou TCR
Consiste de duas cadeias polipeptídicas (alfa e beta) unidas por ligações dissulfeto. Possui uma região variável e uma região constante.
BCR e TCR 
DESENVOLVIMENTO DOS LINFÓCITOS
Os receptores de antígenos dos linfócitos B e T são muito variáveis com relação a sua especificidade antigênica.
Receptores de células B (BCRs, do inglês B-cell receptors) 
Receptores de células T (TCRs, do inglês T-cell receptors) 
O repertório diverso de receptores é produzido durante o desenvolvimento das células B e das células T nos tecidos linfoides primários (medula óssea e Timo).
Obs: As células B também podem se originar e se desenvolver no fígado fetal e no baço neonatal.
Quando formado, o receptor de antígeno passa por testes rigorosos para selecionar os linfócitos que possuem receptores de antígenos úteis. (seleção positiva e seleção negativa - Seleção Clonal) 
Seleção Clonal
Seleção positiva
Linfócitos em desenvolvimento, cujos receptores interagem fracamente com os auto antígenos, recebem um sinal que permite a sua sobrevivência.
Seleção negativa
Linfócitos com receptores fortemente autorreativos devem ser eliminados a fim de impedir reações autoimunes (Auto tolerância)
Expansão Clonal
Os linfócitos maduros virgens reconhecem o seu antígeno-específico nos órgãos linfoides secundários e param de migrar.
Eles se proliferam por vários dias, sofrendo expansão clonal e diferenciando-se, dando origem a milhares de clones de linfócitos efetores armados, todos com especificidade pelo antígeno. 
Depois deixam os órgãos linfoides e retornam à corrente sanguínea para migrar para locais de infecção. 
 
Apresentação e Reconhecimento de Antígenos
RECONHECIMENTO ANTIGÊNICO
Ativação de linfócitos nos órgãos linfáticos periféricos (Baço e Timo)
Linfócitos B
Reconhece antígenos livres
Antígenos se ligam à seu receptor BCR (imunoglobulina) 
Linfócitos T
Só reconhece antígenos apresentados por CAA através do MHC
Antígenos se ligam à seu receptor TCR
CAA - Células apresentadoras de Antígenos
Células dendríticas - Ativam Linfócitos T virgens (CD4 ou CD8)
Macrófagos - Ativam Linfócitos T CD4 
Linfócitos B - Ativam Linfócitos TCD4 
MHC - Complexo de Histocompatibilidade Maior
Grupo organizado de genes que controlam o processamento e a apresentação dos antígenos
Moléculas apresentadoras de antígenos
MHC Classe 1 
Presente em qualquer células nucleada 
Apresenta antígenos às células T citotóxicas (CD8 ou Tc)
Atenção: pode ser expresso também em células dendríticas infectadas por antígenos intracelulares (Apresentação Cruzada)
MHC Classe 2 
Presente em CAA (Macrófagos, Cél. Dendríticas e Linfócitos B)
Apresenta antígenos às cél. T auxiliares (CD4 ou Ta)
Função: Regular a quantidade de antígeno apresentado ao sistema Imune
Antígenos exógenos
Livres nos tecidos e fluidos extracelulares (bactérias, fungos, protozoários, alergenos, helmintos)
Processados por Macrófagos, células dendríticas e Células B
Apresentação em moléculas MHC II
Antígenos endógenos
Vírus se replicando dentro das células e formando novas proteínas virais
Processados pelas células infectadas do corpo
Apresentação em moléculas MHC I
 
RESPOSTA CELULAR
MO intracelulares 
A imunidade mediada por células é o mecanismo de defesa contra os microrganismos que sobrevivem e se multiplicam dentro de fagócitos ou céls não-fagocíticas.
Alvos:
Vírus, bactérias, fungos e protozoários intracelulares.
Tecidos e células Transplantados (célula transplantada é considerada como invasora e ativa resposta celular. Animal transplantado deve receber imunossupressor).
Células tumorais.
MO extracelulares - Auxilia na resposta Humoral (Linfócito Ta2)
Não são responsivos por Antígenos (proteínas) solúveis ou circulantes. (resposta humoral)
Reconhece apenas antígenos apresentados pelo MHC. 
Populações de Linfócitos T
T citotóxico (Tc) 
Reconhece Ag processado em associação com MHC classe I, na superfície de qualquer célula infectada do Hospedeiro.
Expressa a Proteína CD8
Função: destruir as células infectadas e células tumorais
T auxiliar (Ta) 
Reconhecem Ag processado em associação com MHC classe II, presentes nas CAA
Expressa a Proteína CD4
Função - secretam citocinas que vão: 
Ativar macrófagos a matar micro-organismos
Recrutam leucócitos estimulando a inflamação
Amplificam as barreiras de mucosa
Ativam linfócitos B 
Proteínas CD4 e CD8
Necessárias para o reconhecimento de Ag.
Ligam-se ao MHC, estabilizam a ligação pra que LT seja ativado (adesão).
LINFÓCITOS T AUXILIARES CD4 (TA)
Reconhece o Ag nas CAA e iniciam a resposta imune liberando citocinas que irão ativar fagócitos e linfócitos B
Subtipos: Ta1 e Ta2 
São determinados pelo tipo de Ag que estimulou a RI (intra ou extracelular) e pelas citocinas produzidas. 
Ta1 
Atuam contra MO Intracelulares nos macrófagos e células dendríticas 
Se o MO fagocitado for intracelular, a CAA passa a secretar IL12, que estimula Ta a diferenciar em Ta1. 
Citocinas envolvidas
IL12 (CAA) - Secretada por macrófagos e céls dendríticas 
IL2 e INF-y (Ta1) - Ta1 secreta lL2 e INFy, que induzem uma maior produção de Ta1, inibe a população de Ta2 e ativa macrófagos. Macrófagos ativados matam mais MO e secretam mais IL12.
Ações
Ativa macrófagos que aumentam a fagocitose e destroem MO
Estimula produção de IgG que opsoniza MO para fagocitose
Ta2 
Atuam contra infecções helmínticas (MO extracelular) 
Promovem a ativação de Linfócito B aumentando a secreção de Ac (IgE)
Se o Ag for um parasita ou alergeno, não há a produção de IL12 e a resposta do Ta automaticamente muda de Ta1 para Ta2.
Citocinas envolvidas
IL4 - promove diferenciação de Ta2, estimula Linfócito B, ativa mastócitos 
IL5 - estimula crescimento do Linfócito B, ativa eosinófilos
IL10 - Inibe função Ta1, inibe função de macrófagos
IL13 - estimula crescimento do Linfócito B
Ações: 
Age nos LB para estimular a produção de Ac (IgE) que se ligam aos mastócitos, como IgE. 
Promove também crescimento e diferenciação de Ta2 
Ativa eosinófilos que são importantes para a defesa contra infecções helmínticas
Ta1 X Ta2
RESPOSTA HUMORAL X ADAPTATIVA
Resposta imunológica depende do tipo de Ag envolvido: extracelular ou intracelular
LINFÓCITOS T CITOTÓXICOS CD8 (TC)
Eficazes contra vírus e células tumorais 
Reconhece antígenos associados ao MHC Classe I 
Células Virgens são ativadas nor órgãos linfoides periféricos pelas células Dendríticas em apresentação cruzada
Células T efetoras reconhece o MHC1 na superfície de qualquer célula infectada pelo MO no corpo
Função: 
Destroem as céls infectadas por MO intracelulares
Liberam enzimas que induzem apoptose
Granzimas, Perforinas e Serglicina
IMUNIDADE CELULAR DO NEONATO
Dependente do colostro - Colostro é repleto de linfócitos
Existem geralmente poucos linfócitos no leite
Absorção do colostro até 6 horas após o nascimento 
Linfócitos colostrais sobrevivem por até 36h no intestino dos bezerros recém-nascidos, e alguns penetram na parede intestinal através do