A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
12 pág.
SE   Concreto

Pré-visualização | Página 1 de 3

Sistemas Estruturais – Concreto
As cargas devido ao peso próprio das estruturas são consideradas como:
B – Cargas Permanentes.
As cargas a serem consideradas no cálculo das estruturas devido à utilização da edificação recebem a denominação de:
E – Carga Acidentais.
Para o cálculo da estrutura de uma edificação, as cargas permanentes e acidentais a serem adotadas devem seguir a seguinte orientação:
C – Seguir as orientações da NBR-6120- Cargas para o Cálculo de Edificações.
Quando se apresenta uma carga em uma edificação como “carga acidental”, o significado desse termo é que:
E – Essa carga deve ser considerada no cálculo das estruturas como carga de utilização do local.
O efeito do vento em estruturas deve ser considerado no dimensionamento das edificações, considerando:
D – A aplicação das forças de vento como cargas variáveis em todas as faces da edificação.
No cálculo de estruturas de edificações, o efeito do vento deve ser considerado em quais casos?
A – Em todas as edificações, embora esse efeito seja desprezível nas edificações baixas.
O cálculo das cargas devidas às paredes de alvenaria nas edificações deve ser feito:
B – Considerando o tipo de material da parede prevista em projeto, sua altura e sua largura.
Quais são as diferenças entre os termos nível “osso” e nível do piso acabado?
B – O nível “osso” é o nível da estrutura sem acabamento e o nível do piso acabado é o nível final do piso após a execução da regularização e acabamento.
No cálculo da laje de uma edificação que não possua nem forros nem impermeabilização, deve-se considerar as cargas:
D – As cargas permanentes devidas ao peso próprio da laje, revestimento de piso, e as cargas acidentais previstas para o uso, além das cargas devidas as paredes que se apoiam diretamente sobre a laje.
Quando se estuda o encaminhamento das cargas aplicadas nas lajes de uma estrutura convencional, pode-se afirmar que:
C – As cargas se encaminham diretamente para as vigas.
As reações de apoio das lajes nas vigas que as suportam:
A – Dependem do tipo de laje e do valor e forma de aplicação da carga sobre a laje.
Quando se calcula o valor da reação de apoio de uma laje retangular moldada no local nas vigas que as suportam, pode-se dizer que:
A – Se a laje tiver formato em planta aproximadamente quadrado, as cargas se encaminharão de forma aproximadamente igual para as quatro vigas.
Quando se calcula o valor da reação de apoio de uma laje composta por nervuras posicionadas na direção horizontal, em planta, nas vigas que as suportam, pode-se dizer que:
C – As cargas se encaminharão mais para as vigas laterais do que para as vigas superior e inferior em planta, independentemente de seu formato em planta.
Quando se afirmar que uma laje é executada sem revestimento, comumente utiliza-se a expressão “laje nível zero”, para informar que o piso acabado coincide com o piso estrutural. Nesse caso, embora não seja recomendável, teoricamente seria possível dispensar no cálculo as seguintes cargas na laje:
D – O peso do revestimento de piso.
Uma laje maciça moldada no local é considerada armada cruz quando:
B – Os dois lados possuem dimensões da mesma ordem de grandeza.
Uma laje retangular maciça moldada no local é considerada armada em 1 direção quando um de seus lados é muito maior que o outro lado. Se considerarmos o seu funcionamento estrutural podemos considerar que a distribuição de suas cargas para as vigas que a recebem, pode-se afirmar que:
E – As cargas se encaminharão mais para as vigas que vencem o vão maior, e de uma forma genérica se despreza as cargas que vão para as vigas que vencem o vão menor.
Quando se define a quantidade de vigas, lajes e pilares em um pavimento de uma edificação, estamos definindo:
B – O tipo de estrutura a ser usado e a partir desse ponto inicial é feito o pré-dimensionamento dos elementos da estrutura.
Dentre os critérios que norteiam a definição das formas e dimensões da estrutura de uma edificação, pode-se dizer que:
C – Não há obrigatoriedade da colocação de pilares em todos os cruzamentos de vigas. Vigas podem estar se apoiando em outras vigas.
Ao definirmos a estrutura de uma edificação recomenda-se que os pilares sejam posicionados preferivelmente sem descontinuidade, da fundação até a cobertura. Essa recomendação visa:
B – Evitar que sejam necessárias vigas de transição.
Na estruturação de uma edificação quais as principais recomendações para o posicionamento dos pilares?
A – É preferível o posicionamento dos pilares próximos aos cantos da estrutura e nos cruzamentos de vigas.
Dentre os critérios que norteiam a definição das formas e dimensões da estrutura de uma edificação, recomenda-se que as vigas sejam locadas de forma que as lajes resultem da mesma ordem de grandeza, o que nem sempre é possível, devido à geometria da estrutura e às necessidades de colocação de vigas e pilares. Se for possível conseguir obedecer a essa recomendação: 
D – As vigas terão alturas mais uniformes.
A recomendação do posicionamento das vigas preferivelmente nas extremidades da edificação em planta e nas laterais de aberturas, como poços de elevador e escadas tem como objetivo:
B – Diminuir as flechas nas extremidades da estrutura, com a redução de balanços.
Ao estruturar uma edificação há uma recomendação de buscar com que as vigas tenham sempre que possível vãos da mesma ordem de grandeza. A intenção é que:
A – As alturas das vigas sejam uniformes, otimizando o seu funcionamento.
Para a maioria das vigas, é possível fazer o pré-dimensionamento de sua altura como uma porcentagem do vão que a mesma vence. Entretanto esse critério não se aplica a todas as vigas. Nesse caso, as dimensões de sua seção transversal podem ser obtidas a partir:
B – Do fck do concreto a ser usado da viga.
No dimensionamento de uma viga à flexão, o esforço a ser considerado é:
C – O momento fletor máximo.
Quando se tem uma viga de transição bi apoiada, que vence um vão de 6 metros e recebe um pilar que nasce nesse pavimento, pode-se afirmar que:
D – Não é possível estimar a altura da viga, pois não se dispõe da carga do pilar.
Quando se faz o dimensionamento de uma viga à flexão, a seção transversal da viga possui uma base b e uma altura h, pode-se afirmar que:
A – A altura da viga é mais importante que a sua largura no dimensionamento a flexão.
Dentre os critérios práticos para a estruturação de edificações, para os casos gerais, indique a alternativa errada:
E – Os pilares de canto devem ser locados de maneira que possuam sempre as mesmas dimensões que os pilares internos.
São consideradas ações diretas sobre as estruturas:
A – Cargas permanentes e cargas variáveis.
Parâmetro levado em consideração no dimensionamento dos pilares em concreto armado:
A – Excentricidade.
Tendo-se duas vigas em concreto armado bi apoiadas com comprimentos e carregamentos idênticos, pode-se dizer que:
A – Aquela que apresenta maior momento de inercia a flexão terá melhores condições de resistência a flexão.
Os desenhos de formas abaixo apresentam duas soluções para a estrutura do mesmo pavimento de uma edificação, uma com um pilar central P4, outra sem o pilar central. A solução A está desenhada do lado esquerdo, e a solução B do lado direito.
Para essas duas soluções, as medidas da edificação são as mesmas. Com base na análise dessas duas soluções, pode-se afirmar que:
E – O dimensionamento das lajes é idêntico para as duas soluções.
No caso de estruturas de alvenaria estrutural pode-se afirmar que:
A – As lajes se apoiam em cintas, que se apoiam nas paredes de alvenaria estrutural, e estas funcionam de formas semelhantes a pilares.
Qual a principal função das armaduras longitudinais localizadas na face inferior da seção das vigas de concreto armado?
 A – Combater aos esforços devidos a momento fletor positivo.
Para se fazer o pré-dimensionamento de pilares de concreto para edificações residenciais e comerciais, é possível estimar que a carga aplicada no mesmo com base em um carregamento na estrutura.