A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
53 pág.
Arquitetura Hospitalar

Pré-visualização | Página 1 de 19

Os Hospitais antigos eram edifícios pavilhonares, com corredores enormes que exigiam grande deslocamento dos
usuários. Não existiam conceitos arquitetônicos como nos hospitais atuais. Porém, a organização dos espaços adotava
alguns critérios que permanecem até os dias de hoje. Em relação às enfermarias, as mesma eram distribuídas por:
O caráter assistencial e a relação igreja-hospital são elementos presentes até os dias de hoje no meio hospitalar.
Sabe-se que os pilares financeiros do Hospital Medieval eram:
Um projeto que rompeu com o sistema pavilhonar baseado na teoria dos miasmas e adotou um partido em blocos
mais funcional, menos oneroso e com circulações internas bem definidas foi:
Lugar para tratar doentes, asilo, é:
Os serviços de saúde no Nordeste brasileiro tiveram uma importante contribuição do arquiteto Luis Carlos Nunes no
1.
Especialidade médica, nível de urgência e tipo de enfermidade.
Sexo, idade e especialidade médica.
Sexo, tipo de enfermidade e especialidade médica.
Tipo de enfermidade, sexo e idade.
Idade, patologia e nível de urgência.
 
 
 
2.
Legados, repasse de verbas do governo e verbas da iniciativa privada.
Doações, legados e ofertas.
Oferendas, doações e aplicações financeiras.
Legados e verbas da iniciativa privada.
Doações, repasse de verbas do governo e aplicações financeiras.
 
 
 
3.
o Hospital Geral de Maceió, de Carlos Alberto Braga.
o Hospital do Amparo de Salvador, de Lucio Costa.
o Hospital Getúlio Vargas de Brasília, de Oscar Niemeyer.
o Hospital de Cardiologia de São Paulo, de Nuno Borges.
o Hospital da Brigada Militar de Recife, de Luis Carlos Nunes.
 
 
 
4.
Nasecomium, na terminologia árabe ou latina.
Nasocomium. na terminologia egípcia ou árabe.
Nosocomium, na terminologia grega ou latina.
Nosomium, na terminologia grega ou egípcia.
Nadocomium, na terminologia russa ou italiana.
 
 
 
5.
chamado Movimento do Recife por meio do Departamento de Arquitetura e Urbanismo (DAU). Sob esse prisma, uma
de suas obras, o Hospital da Brigada Militar de Recife, merece um importante destaque porque:
Na sua origem, o hospital tinha essencialmente um caráter assistencial, filantrópico e de auxílio aos necessitados.
Sabe-se que foi a partir do Cristianismo que o hospital passou a ser considerado como um lugar para tratar doentes.
Uma contribuição importante por parte da igreja para a arquitetura hospitalar foi:
O Hospital Medieval vivia de doações, legados e oferendas. O caráter assistencial e a relação igreja-hospital não são
elementos presentes até os dias de hoje no meio hospitalar.
inspirado no Hotel-Dieu de Lyon, dispunha de pavilhões em ordem paralela com um deles destinado aos
enfermos.
foi muito arrojado para a época por utilizar técnicas construtivas avançadas e base de cálculos complexas, o que
possibilitou que o calculista pernambucano Joaquim Cardozo se tornasse posteriormente o calculista de Oscar
Niemeyer.
teve sucesso na sua funcionalidade apesar do partido predominantemente vertical devido a falta de espaço que
tinha o terreno para sua construção.
rompeu com o sistema pavilhonar baseado na teoria dos miasmas e adotou um partido em blocos mais
funcional, menos oneroso e com circulações internas bem definidas.
retardou descobertas da medicina quanto à identificação dos vetores de transmissão de diversas doenças
contagiosas.
 
 
 
6.
Errado, pois os hospitais recebiam como contrapartida de cada paciente a respectiva doação ou oferenda como
moeda de pagamento.
Certo, pois a legislação da época não permitia que este tivesse fins lucrativos.
Errado, porque Carlos Magno exigiu que as igrejas tivessem livre arbítrio para implantar seu modelo de gestão
financeira.
Certo, pois o IV Concílio de Cartagena determinou regras para que, sob o comando da igreja, os hospitais
assumissem caráter exclusivamente filantrópico.
Certo, pois apesar do pilar financeiro do hospital medieval ter sido por meio de doações, legados e oferendas,
estes não eram exigidos como contra-partida para o atendimento do enfermo.
 
 
 
7.
a criação do sistema de cremalheira, onde as enfermarias, com as seções anexas de tratamentos, ficam unidas à
nave de consultas externas.
romper com a tipologia de planta retangular por apresentar maior custo para as construções.
a organização de programas de construção de hospitais, preocupando-se em distribuir os pacientes nas
enfermarias por sexo, tipo de enfermidade e especialidade médica.
a implantação de edifícios de saúde em regiões de alto relevo, evitando assim a proliferação de doenças
contagiosas.
a criação de ambientes mais acolhedores com altares dentro das salas dos enfermos.
 
 
 
8.
A primeira proposição é falsa e não tem relação com a segunda proposição.
A primeira proposição é verdadeira e a segunda é falsa.
As duas proposições são verdadeiras.
As duas proposições são falsas.
A primeira proposição é falsa e a segunda é verdadeira.
 
1a Questão
Nosocomium, na terminologia grega ou latina, é:
templo da Idade Média.
 lugar para tratar doentes, asilo.
doença, peste.
igreja.
médico, profissional da saúde.
 
 
Explicação:
O termo desgnou inicialmente o local para isolar o individuo da sociedade enquanto nao terminar seu tratamento. Se critica muito
inclusive que na pratica viravam depositos de doentes, o que no mundo contemporâneo não se considera mais assim a bastante tempo.
 
 
 
 2a Questão
Sabe-se que foi a partir do Cristianismo que o hospital passou a ser considerado como um lugar para tratar doentes. Uma contribuição
importante por parte da igreja para a arquitetura hospitalar foi:
 a organização de programas de construção de hospitais, preocupando-se em distribuir os pacientes nas enfermarias por sexo,
tipo de enfermidade e especialidade médica.
 a criação do sistema de cremalheira, onde as enfermarias, com as seções anexas de tratamentos, ficam unidas à nave de
consultas externas.
a implantação de edifícios de saúde em regiões de alto relevo, evitando assim a proliferação de doenças contagiosas.
romper com a tipologia de planta retangular por apresentar maior custo para as construções.
a criação de ambientes mais acolhedores com altares dentro das salas dos enfermos.
 
 
 
 3a Questão
Na sua origem, o hospital tinha essencialmente um caráter assistencial, filantrópico e de auxílio aos necessitados.
 Errado, pois os hospitais recebiam como contrapartida de cada paciente a respectiva doação ou oferenda como moeda de
pagamento.
Errado, porque Carlos Magno exigiu que as igrejas tivessem livre arbítrio para implantar seu modelo de gestão financeira.
Certo, pois a legislação da época não permitia que este tivesse fins lucrativos.
Certo, pois o IV Concílio de Cartagena determinou regras para que, sob o comando da igreja, os hospitais assumissem caráter
exclusivamente filantrópico.
 Certo, pois apesar do pilar financeiro do hospital medieval ter sido por meio de doações, legados e oferendas, estes não eram
exigidos como contra-partida para o atendimento do enfermo.
 
 
 
 4a Questão
São exemplos do resultado da evolução dos edifícios de saúde no Brasil:
a Santa Casa de Misericórdia de Santos.
 a implantação do modelo do sistema de saúde trazido pela rainha D. Leonor de Lencastre.
 a reorganização das normas para edificação hospitalar pelo Ministério da Saúde desde a década de 70 e a fundação da
Associação Brasileira para Desenvolvimento do Edifício Hospitalar (ABDEH).
o primeiro desinfectório em Botafogo e o Instituto Oswaldo Cruz.
o estabelecimento de normas de construção hospitalar após a revolução de 30, com reestruturação de conceitos e a criação da
Escola Nacional de Belas Artes (ENBA).
 
 
 
 5a Questão
Imagine que Mario seja um militar no meio de uma guerra. Ele ficou encarregado de receber

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.