A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
83 pág.
Slide Unidade 2

Pré-visualização | Página 3 de 5

Tecido - 54.000 - 39.000 - 93.000
(-) Mão de obra direta - 9.000 - 9.750 - 18.750
Custos diretos – subtotal -63.000 -48.750 -111.750
(-) Comprar materiais - 7.286 - 9.714 - 17.000
(-) Cortar e costurar - 8.622 - 10.378 -19.000
Custos indiretos –
subtotal
-15.908 -20.092 -36.000
(=) Lucro bruto 101.092 139.158 240.250
(-) Administração - 5.000
(-) Vendas -2.000
(=) LAIR - - 233.250
4º passo: demonstração 
de resultados.
Sistemas de Custeio – exemplo: Fashion SA 
Sistemas de Custeio – exemplo: Fashion SA 
Camisetas Calças Total
Receita de vendas 180.000 208.000 388.000
(-) Tecido - 54.000 - 39.000 - 93.000
(-) Mão de obra direta - 9.000 - 9.750 - 18.750
Custos diretos –
subtotal
-63.000 -48.750 -111.750
(-) Comprar materiais - 7.286 - 9.714 - 17.000
(-) Cortar e costurar - 8.622 - 10.378 -19.000
Custos indiretos –
subtotal
-15.908 -20.092 -36.000
(=) Lucro bruto 101.092 139.158 240.250
(-) Administração - 5.000
(-) Vendas -2.000
(=) LAIR - - 233.250
A classificação das atividades refere-se à atribuição das atividades em um dos dois 
grupos: das atividades primárias e das atividades secundárias.
O que são atividades primárias?
a) As despesas de marketing.
b) As consumidas por atividades primárias ou outras secundárias.
c) As quais são consumidas por um objeto de custo.
d) As despesas que geram lucro.
e) As despesas com o pessoal de marketing.
Interatividade
 Utilização do ABC para avaliação de desempenho.
 ABC e o custeio variável.
 Vantagens e desvantagens do custeio baseado em atividades.
 Custos para controle.
Agenda
Para Martins (2009), o ABC possibilita a análise de custos sob duas visões:
 A visão econômica de custeio é uma visão vertical, que apropria os custos aos 
objetos de custeio pelas atividades realizadas em cada departamento.
 A visão de aperfeiçoamento de processos é uma visão horizontal, que capta 
os custos dos processos pelas atividades realizadas nos vários 
departamentos funcionais.
Utilização do ABC para avaliação de desempenho
 Vale ressaltar que a visão horizontal possibilita analisar o processo de maneira 
interdepartamental, possibilitando que seja analisado, custeado e aperfeiçoado por 
meio da melhoria de desempenho na execução das atividades.
 O ABC poderá propiciar economias que justifiquem a relação custo-benefício do 
projeto, pois com a implantação de um sistema de custos baseado nesse método 
pode dar origem a uma reengenharia de processos, tornando-se um instrumento 
de mudanças.
Utilização do ABC para avaliação de desempenho
Ainda segundo Martins (2009), a Gestão Baseada em Atividades apoia-se no 
planejamento, na execução e na mensuração do custo das atividades para obter 
vantagens competitivas; utiliza o Custeio Baseado em Atividades e caracteriza-se 
por decisões estratégicas como:
 Alterações no mix de produtos;
 Alterações no processo de formação de preços;
 Alterações nos processos;
 Redesenho de produtos;
 Eliminação ou redução de custos de atividades que não 
agregam valor;
 Elaboração de orçamentos com base em atividades etc.
Utilização do ABC para avaliação de desempenho
Assim, um projeto de implementação de ABC pode propiciar ampla gama de 
informações, mas é necessário definir o escopo do projeto, que pode incluir 
itens como:
 Custeio de produtos, linhas ou famílias de produtos;
 Inclusão ou não de gastos com vendas e administração no custo de produtos, 
linhas ou famílias;
 Custeio de: processos, de canais de distribuição, 
de clientes, mercados e segmentos de mercado;
Utilização do ABC para avaliação de desempenho
 Análise de lucratividade desses objetos custeados;
 Utilização de custos históricos ou predeterminados;
 Será também sistema de acumulação ou apenas de análise de custos;
 Se o sistema será recorrente ou de uso apenas etc.
Utilização do ABC para avaliação de desempenho
 Para Martins (2009), a grande crítica ao uso do ABC está no problema do rateio 
dos custos fixos. O uso do ABC identifica o custo das atividades e dos processos, 
possibilitando uma visão muito mais adequada para a análise da relação 
custo/benefício de cada uma das atividades e dos processos.
 Permite verificar quanto se gasta em determinadas atividades, tarefas e processos, 
em que não se agrega valor ao produto, mesmo atento na presença de algum nível 
de erro e mesmo de arbitrariedade nos rateios.
Pode-se chegar ao custo e às despesas globais de um 
produto dividido em duas parcelas:
 Custos e despesas variáveis;
 Custos e despesas fixos apropriados ao ABC.
ABC e o custeio variável
Assim como todo sistema de custeio, o custeio baseado em atividades apresenta 
algumas vantagens e desvantagens, as quais estão descritas a seguir:
Vantagens
 Diminui a arbitrariedade dos critérios de rateios;
 Permite a identificação de atividades que não adicionam valor ao produto 
ou ao cliente;
 Permite a otimização de processos e eliminação 
de desperdícios;
 Determina os custos dos produtos com maior precisão.
Vantagens e desvantagens do custeio baseado em atividades
Desvantagens:
 Dificuldade em determinar a correlação entre as atividades e seus direcionadores 
de custos;
 A seleção de um direcionador pode sofrer arbitrariedade como nos critérios 
de rateios;
 É dispendioso;
 Não diferencia os custos e as despesas fixas e variáveis, 
por isso deve ser operado conjuntamente com outros 
métodos de custeio.
Vantagens e desvantagens do custeio baseado em atividades
Depois de conhecermos os vários métodos de custeio, vamos conhecer um pouco 
dos custos para controle, o conceito e as diferenças de custo-padrão como:
 Custo ideal;
 Custo estimado;
 Custo corrente.
Custos para controle
Custo ideal 
 Considera que a empresa está sempre trabalhando nas melhores condições 
possíveis de matéria-prima, de MOD de tecnologia; não considera ineficiências; é 
teórico e voltado para decisões de longo prazo. 
 Considera recursos que a empresa deveria ter (é idealizado).
Custos para controle
Custo estimado
 É baseado totalmente em experiência histórica, não considera muito as 
ineficiências nem as possibilidades de melhorias. 
 É bem prático e considera recursos que a empresa tem.
Custos para controle
Custo corrente 
 Considerado como prático e teórico, considera os fatores que a empresa tem, que 
existem ineficiências, sendo que algumas podem ser sanadas, considera 
melhorias e que é o método que pode mais se aproximar da realidade da empresa, 
portanto, é o mais usado pelas empresas. 
 Significa o estabelecimento de uma meta atingível.
Custos para controle
Conheceremos a importância da análise das variações: de preço, de quantidade e 
mista, para materiais (como a matéria-prima), MOD e materiais indiretos e a maneira 
de investigar se as variações se devem a:
 Qualidade da matéria-prima usada foi inferior a recomendada;
 Se a baixa qualidade da MOD aumentou o consumo de prata em função 
de desperdício ou erros no processo produtivo;
 Se faltou negociação ou incapacidade de negociação 
do departamento de compras.
Custos para controle
 O conhecimento dos resultados permite ao gestor o desenvolvimento de planos 
estratégicos para a boa condução dos seus empreendimentos.
 Ele precisa de elementos analíticos que possibilitem tomadas de decisão 
(avaliação de desempenho) nos momentos certos, informações para efetuar as 
mudanças de rumo necessárias e a identificação de setores produtivos ou de fases 
do processo produtivo com problemas de custo ou lucratividade.
Custos para controle – custo padrão
 Em 1915, quando a estrutura básica da Contabilidade de Custos havia sido

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.