TRABALHO TRIBUTÁRIO 2
4 pág.

TRABALHO TRIBUTÁRIO 2

Disciplina:<strong>direito</strong> <strong>tributárioa</strong>6 materiais1 seguidores
Pré-visualização1 página
FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIA – FTC
CURSO DE DIREITO

AILTON ALMEIDA LOBO
LUANA NOVAIS SILVA

INCLUSÃO DO ICMS NA BASE DE CÁLCULO DO PIS/CONFINS

VITÓRIA DA CONQUISTA-BA
2018

AILTON ALMEIDA LOBO
LUANA NOVAIS SILVA

INCLUSÃO DO ICMS NA BASE DE CÁLCULO DO PIS/CONFINS

PROJETO DE PESQUISA APRESENTADO À FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIA-FTC COMO PRODUTO DA DISCIPLINA DIREITO TRIBUTÁRIO II DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO ORIENTADO PELO PROFESSOR PAULO GALVÃO.

VITÓRIA DA CONQUISTA-BA
2018

INCLUSÃO DO ICMS NA BASE DE CÁLCULO DO PIS/CONFINS

A base de cálculo é a garantia econômica sobre a qual se aplica alíquota para calcular a quantia do tributo a pagar. Dessa forma, a base de cálculo de um tributo, no Brasil, é seu elemento monetário, sobre a qual deve incidir a respectiva alíquota.
No caso do PIS e da COFINS, a base de cálculo é a receita bruta. No entanto o contribuinte sempre teve como desafio a composição da base de cálculo de tais tributos, uma vez que existia a dúvida acerca da possibilidade de inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS/CONFINS.
 Após duas décadas no julgamento do Recurso Extraordinário 574.706/PR, que versava sobre a inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS e COFINS, o STF decidiu no sentido de que o valor do ICMS da nota fiscal não dever integrar a base de cálculo das contribuições, já que não compõe o faturamento da empresa.
Conforme se verifica do Recurso Extraordinário (RE) 574706 abaixo transcrito, os ministros do STF entenderam, em decisão plenária, por maioria de votos, que o valor arrecadado a título de ICMS não se incorpora ao patrimônio do contribuinte e, dessa forma, não pode integrar a base de cálculo dessas contribuições, que são destinadas ao financiamento da seguridade social.

EMENTA: RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM REPERCUSSÃO GERAL. EXCLUSÃO DO ICMS NA BASE DE CÁLCULO DO PIS E COFINS. DEFINIÇÃO DE FATURAMENTO. APURAÇÃO ESCRITURAL DO ICMS E REGIME DE NÃO CUMULATIVIDADE. RECURSO PROVIDO. 1. Inviável a apuração do ICMS tomando-se cada mercadoria ou serviço e a correspondente cadeia, adota-se o sistema de apuração contábil. O montante de ICMS a recolher é apurado mês a mês, considerando-se o total de créditos decorrentes de aquisições e o total de débitos gerados nas saídas de mercadorias ou serviços: análise contábil ou escritural do ICMS. 2. A análise jurídica do princípio da não cumulatividade aplicado ao ICMS há de atentar ao disposto no art. 155, § 2º, inc. I, da Constituição da República, cumprindo-se o princípio da não cumulatividade a cada operação. 3. O regime da não cumulatividade impõe concluir, conquanto se tenha a escrituração da parcela ainda a se compensar do ICMS, não se incluir todo ele na definição de faturamento aproveitado por este Supremo Tribunal Federal. O ICMS não compõe a base de cálculo para incidência do PIS e da COFINS. 3. Se o art. 3º, § 2º, inc. I, in fine, da Lei n. 9.718/1998 excluiu da base de cálculo daquelas contribuições sociais o ICMS transferido integralmente para os Estados, deve ser enfatizado que não há como se excluir a transferência parcial decorrente do regime de não cumulatividade em determinado momento da dinâmica das operações. 4. Recurso provido para excluir o ICMS da base de cálculo da contribuição ao PIS e da COFINS.

	
 Como se percebe a decisão foi no sentido de que o ICMS não constitui faturamento ou receita bruta das empresas. Sendo assim, não se pode tributar o valor do ICMS, pois ele representa apenas mais um custo que deve ser considerado para a efetiva apuração das contribuições a serem vertidas aos cofres públicos.
A partir desse entendimento surge para as grandes empresas uma caça ao tesouro, uma vez que, mediante assessoria tributária, existe a possibilidade de reaver os valores indevidamente pagos, corrigidos monetariamente, criando um crédito tributário e, consequentemente, um fluxo de caixa.
 	Estima-se que a decisão da Suprema Corte, irá provocar considerável impacto fiscal nas contas do governo, podendo este ser superior a 250 bilhões de reais, no entanto para as empresas que durante muito tempo vinham pagando tributos indevidamente, sem dúvida, é uma grande conquista.