Variabilidade de fitopatogenos
35 pág.

Variabilidade de fitopatogenos


DisciplinaFitopatologia1.682 materiais46.431 seguidores
Pré-visualização1 página
Variabilidade de Fitopatógenos
Universidade Federal de Goiás
Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos 
Disciplina: Fitopatologia II
Variabilidade de Fitopatógenos
Profa.: Adriana Teramoto
2009
1. Coevolução hospedeiro-patógeno
-Parasitismo: parasita e hospedeiro\u2192 nível genético
-Coevolução\u2192 guerra evolutiva contínua
\u2193
variedades resistentes
-Exemplos: requeima na batata (2-3 anos);-Exemplos: requeima na batata (2-3 anos);
-Exemplos: brusone no arroz;
brusone no trigo.
-Coevolução \u2192 variabilidade genética
\u2193
hospedeiro
patógeno patógeno 
\u2193
seleção 
1. 1 Mutação: mecanismo criador de novos 
genes em vírus, procariotos e fungos
-Mutação: principal mecanismo
\u2193
erros duplicação cromossômica (meiose e mitose)
-Mutação somática
(mitose\u2192 não herdável)
\u2193
reprodução assexuada
Ex.: M. grisea\u2192 sucessivas gerações em meio de
cultura
\u2193
0,5% mutantes
(gene BUF1=biossíntese de melanina)(gene BUF1=biossíntese de melanina)
Melampsora lini\u2192 10-5 e 10-6 (genes virulência)
Puccinia coronata\u2192 10-3 e 10-4
1.1.1 Mutação gênica:
a) Substituições;
b) Deleções;
c) Inserções;
1. 1 Mutação
c) Inserções;
d) Inversões.
1.1.2 Mutação cromossômica \u2013 segmentos do ác. 
nucléico contendo vários genes
a) Deleções de segmentos;
b) Inserções e duplicações;b) Inserções e duplicações;
c) Inversões;
d) Transposições.
1.2 Mecanismos de Variabilidade em 
FungosFungos
1.2.1 Recombinação gênica
1.2.1.1 Recombinação meiótica (sexuada)
-homotálico e heterotálico
Puccinia graminis f. sp. tritici
Phytophtora infestans
Magnaporthe grisea
-recombinação meiótica \u2191 variabilidade genética 
\u2193
novas raças 
\u2193 \u2193 
novos genes virulência 
1.2.1.2 Recombinação parassexual
Figura 1 \u2013 Anastomose, heterocariose e cariogamia.
-Exemplo: Puccinia recondita \u2013 ferrugem folha trigo
\u2193
raça 107 x raça 17
\u2193\u2193
7 raças \u2260s
Puccinia coronata f.sp. avenae
\u2193
raça 228 x raça 393
Diferenças entre os ciclo sexual e parassexual
-ciclo sexual \u2013 fusão de núcleos cél. sexuais
\u2193
zigoto (diplóide)
-ciclo parassexual \u2013 fusão entre hifas
\u2193
célula diplóide \u2192 mitoses
1.2.1.3 Herança citoplasmática
-organelas \u2013 genomas próprios \u2013 patogenicidade;
-união citoplasmas \u2013 ciclo sexual e parassexual
\u2193
novas combinações núcleos novas combinações núcleos 
e citoplasmas
1.2.1.4 Heterocariose
Ex: Rhizoctonia solani\u2192 Tanatephorus cucumeris
Virulência de isolados de Rhizoctonia solani
1.3 Mecanismos de Variabilidade 
Genética em BactériasGenética em Bactérias
1.3.1 Conjugação: sexo em bactérias
-célula doadora + célula receptora 
\u2193
transferência material cromossômico
ou plasmidial
1.3.2 Transformação
-células bacterianas \u2013 absorvem fragmentos de DNA 
e incorporam no genoma
Ex: E. coli + CaCl2+ choque térmico = absorção DNA
1.3.3 Transdução
-transporte de genes por bacteriófagos
Ex: Xanthomonas e Pseudomonas
1.4 Recombinação Genômica em Vírus
Figura 2 \u2013 Recombinação por simples (a) ou dupla permuta (b).
Figura 3 \u2013 Recombinação.
1.5 Variabilidade genética em 
nematóidesnematóides
Os nematóides podem reproduzir:
-anfimixia
-partenogênese
-hermafroditismo-hermafroditismo
Consequências da variabilidade genética em
fitopatógenos:
¤ Surgimento de grupos de patógenos com
diferentes espectros ou grau de patogenicidadediferentes espectros ou grau de patogenicidade
-Subdivisão das espécies em formae speciales
-\u2191 grau de especialização intra-específica
Exemplos:
Puccinia graminis \u2013 Ferrugem nos cereais
P. graminis f.sp. tritici\u2192 trigo
P. graminis f.sp. avenae\u2192 aveia
P. graminis f.sp.hordei\u2192 cevadaP. graminis f.sp.hordei\u2192 cevada
P. graminis f.sp. tritici \u2013 variedade A
variedade B\u2192 raças
variedade C
Para bactérias:
Ex.: Xanthomonas campestris pv. campestris
X. campestris pv. citri
X. campestris pv. manihot
Biótipo\u2192 subgrupo dentro da espécie ou raça
Ex.: isolados resistentes a fungicidas
Referência Bibliográfica:
CAMARGO, L.E.A. Mecanismos de variabilidade 
genética de agentes fitopatogênicos. In: genética de agentes fitopatogênicos. In: 
Bergamin FILHO, A., KIMATI, H., AMORIM, L. 
Manual de Fitopatologia. 3.ed. São Paulo: 
Agronômica Ceres,1995. p. 455-469.
Trabalho Prático
- Individual
- Lâminas, lamínula, esmalte vermelho
- 5 lâminas/aluno
- 1 lâmina de cada Grupo de Doença
- Data entrega: 04/012/2009- Data entrega: 04/012/2009
Equipe Laboratório:
- Profa. Adriana
- Fernanda - monitora disciplina- Fernanda - monitora disciplina
- Rafaela - bolsista Pibic
- César \u2013 técnico laboratório